terça-feira, 31 de março de 2020

Em quarentena, apresentadora Angélica ajuda os três filhos com as lições da escola


Isolada em sua casa no Rio de Janeiro ao lado do marido Luciano Huck e dos três filhos, a apresentadora Angélica está exercendo uma tarefa diferente durante essa fase de reclusão por conta do coronavírus. 

Em entrevista para o portal GShow, a artista da TV Globo disse que virou professora dos herdeiros Joaquim, Benício e Eva ao ajudá-los diariamente com as tarefas escolares. 

"A gente fez um planejamento de horários, de estudos e de atividades", contou a loira que usou da criatividade dela para montar uma rotina nova e bem adaptada dentro do lar. 

Angélica também declarou que está passando por uma experiência enriquecedora ao lado dos familiares com quem está cada dia mais perto já que as gravações do seu novo programa foram canceladas por tempo indeterminado. 

Fora do ar, a apresentadora aparecerá nesta semana no programa Lady Night, talk show apresentado por Tatá Werneck. "O que sempre adoro na Tatá é a sua rapidez, sua inteligência. É muito agradável e divertido participar do programa, a gente fica bastante à vontade. É uma experiência única estar ao lado de uma pessoa tão diferenciada", opinou. 


Caras

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Linha de crédito emergencial pode ser criada no estado do Rio

AgeRio poderá conceder financiamentos de até R$ 5 milhões às empresas fluminenses


A Agência de Fomento do Estado do Rio (AgeRio) poderá aprovar e conceder diretamente financiamentos de até R$ 5 milhões às empresas fluminenses. A determinação é do projeto de lei 2050/2020, de autoria do Poder Executivo, que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) vota nesta terça-feira (31/03), em discussão única. Por ter recebido emendas, o texto original poderá ser alterado durante a votação. 

Atualmente, de acordo com a Lei 4.534/05 - que criou o Fundo de Recuperação Econômica dos Municípios Fluminenses -, todo incentivo ou financiamento concedido pela AgeRio com recursos do Fundo tem que ser aprovado pela Comissão Permanente de Políticas para o Desenvolvimento Econômico (CPPDE). Com a mudança proposta, a concessão de crédito será facilitada. 

O governador Wilson Witzel explicou que a medida é fundamental para socorrer as micro, pequenas e médias empresas que serão impactadas financeiramente devido à pandemia de Coronavírus. “O objetivo é agilizar o processo de concessão de crédito, evitando prejuízos aos beneficiários decorrentes da demora na liberação dos recursos em virtude da alteração da rotina de funcionamento dos órgãos públicos em momentos de emergência de saúde pública, inclusive com a suspensão de reuniões presenciais”, declarou Witzel. 

Médias empresas 

A proposta também altera a Lei 7.495/16 - que impede o Governo do Estado a conceder incentivos fiscais durante o Regime de Recuperação Fiscal (RRF). A legislação em vigor já exclui do impedimento as microempresas e empresas de pequeno porte. Pelo novo projeto, as empresas de médio porte também poderão receber incentivos fiscais durante o RRF em caso de calamidade pública estadual ou emergência de saúde pública. O texto considera como empresas de médio porte as que tiverem, no exercício fiscal anterior, ativo total inferior à R$ 240 milhões ou receita bruta anual inferior a R$ 300 milhões. 



COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Governador do Rio faz videoconferência com prefeitos do Noroeste Fluminense

Segundo Witzel, o ministro da Economia, Paulo Guedes, indicou a possibilidade de antecipar R$ 7 bilhões para o Estado 


O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, esteve reunido nesta segunda-feira (30/03), por videoconferência, com prefeitos do Norte e Noroeste Fluminense e, em seguida, com os das regiões Serrana e da Costa do Sol, numa ação coordenada para enfrentar o impacto das medidas restritivas de combate ao novo coronavírus. 

- Tenho recomendado aos prefeitos que sigam os protocolos conforme o decreto que publiquei hoje e que prorroga medidas restritivas por mais 15 dias. Sei que há pressões de todos os lados, mas temos que ter sabedoria, paciência e persistência para buscar soluções - afirmou. 

O governador também lembrou aos prefeitos que o ministro da Economia, Paulo Guedes, indicou a possibilidade de antecipar R$ 7 bilhões para o Estado do Rio de Janeiro, antecipando a receita com a outorga da Cedae. 

Durante as conferências, os prefeitos apresentaram as ações que estão sendo tomadas para ampliar leitos nos municípios. O governador pediu que organizassem as demandas por EPIs (equipamentos de proteção individual), kits de testagem e respiradores. 

- Vamos nos organizar, com base neste material, para alocar os recursos nos municípios – reforçou o secretário de Saúde, Edmar Santos. 

Witzel também falou da distribuição de cestas básicas para a população mais vulnerável economicamente, que começa a ser feita esta semana na capital, na Baixada Fluminense, em São Gonçalo e Itaboraí, mas deve ser, posteriormente, estendida a outros municípios.

Nas reuniões, o governador esteve acompanhado pelos secretários Edmar Santos (Saúde), Luiz Claudio Rodrigues de Carvalho (Fazenda) e Delmo Pinho (Transportes). 

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

SES lança painel para acesso a informações sobre Novo Coronavírus


Serviço disponibiliza monitoramento diário dos casos da Covid-19 no estado do Rio de Janeiro




O Governo do Estado do Rio de Janeira lança, nesta terça-feira (31), o serviço de monitoramento online de casos de coronavírus (Covid-19) no estado. O objetivo é ampliar o acesso da população às informações. O painel da Secretaria de Estado de Saúde (SES) mostra, entre outras informações, os casos confirmados, além de óbitos por município, faixa etária e gênero dos pacientes. As atualizações serão disponibilizadas diariamente na plataforma pelo link painel.saude.rj.gov.br.

Para secretário de Estado de Saúde, Edmar Santos, a iniciativa irá somar com as várias medidas já adotadas pela SES no enfrentamento da Covid-19 para dar mais transparência nesse momento.

‘’Manter a população informada também é uma maneira de combater e prevenir o coronavírus. Toda a equipe técnica da SES está empenhada em disponibilizar as melhores ferramentas para que haja um acesso unificado e simples à informação. É um momento que precisamos informar mais e melhor, assim como tem feito a imprensa, que vem, mais uma vez, demonstrando seu papel fundamental’’, disse.

A população também pode tirar dúvidas sobre Covid-19 pela central telefônica 160, que funciona gratuitamente 24h por dia, além do site www.coronavirus.rj.gov.br, canal oficial do Governo do Estado sobre coronavírus.


COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

segunda-feira, 30 de março de 2020

Coronavírus: primeiro caso confirmado na região Noroeste; veja o vídeo



A Prefeitura de Porciúncula confirmou nesta segunda, dia (30) o primeiro caso de Covid-19 na cidade. 

A notícia foi divulgada na rede social da prefeitura pelo próprio prefeito, Leo Coutinho. A primeira paciente de coronavírus encontra-se em Porciúncula, em isolamento domiciliar e recebendo orientações da Secretaria de Saúde de Porciúncula. 



Segundo o prefeito de Porciúncula a pessoa que adquiriu o vírus é moradora da cidade, mas trabalha no município de Itaperuna respectivamente na área da saúde e provavelmente foi infectada na cidade em que trabalha. 

Leo Coutinho, informou ao governador sobre o primeiro caso confirmado de coronavírus no município e solicitou maior efetivo da Polícia Militar para coibir as aglomerações nas praças e em outros pontos da cidade. 

O gabinete de crise municipal está reunido, para novas determinações a partir da constatação do primeiro caso confirmado de COVID-19 e das determinações do governo do Estado.

Marco Sameiro

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Prefeituras do Noroeste Fluminense recebem repasse do Estado


Estado repassa R$ 143 milhões para as prefeituras fluminenses




O Governo do Estado repassou  R$ 143 milhões para os 92 municípios fluminenses. O depósito feito pela Secretaria de Fazenda refere-se ao montante arrecadado no período de 16 a 20 de março. Os valores correspondem à distribuição de parte da arrecadação de Royalties do petróleo e dos tributos IPVA, ICMS e IPI às administrações municipais.

O total depositado neste mês de março foi de R$ 856 milhões. Desde o início deste ano, ao adicionar as cotas-parte e os repasses relacionados às transferências federais e à receita diretamente arrecadada pelo Estado, os municípios receberam um total acumulado de R$ 3,58 bilhões.

Os depósitos semanais são feitos por meio da Secretaria de Fazenda, conforme prevê a Lei Complementar nº 63, de 11 de janeiro de 1990. As consultas dos valores dos exercícios anteriores podem ser feitas no Portal do Tesouro do site da Fazenda (www.fazenda.rj.gov.br).

Os valores semanais transferidos aos municípios fluminenses variam em função dos prazos fixados na legislação vigente. Dependendo do mês, pode haver até cinco datas de repasses. As variações destes depósitos oscilam conforme o calendário mensal, os prazos de recolhimento tributário e o volume dos recursos arrecadados.  A agenda de recolhimento tributário pelos contribuintes está concentrada no dia 10 de cada mês.

Índice de Participação dos Municípios

Os repasses aos municípios da arrecadação de Royalties do petróleo e dos tributos IPI e ICMS são liberados de acordo com os respectivos Índices de Participação dos Municípios (IPM), apurados anualmente para aplicação no exercício seguinte, conforme determina a Constituição Federal e observado o disposto na Lei Complementar Federal nº 63, de 11 de janeiro de 1990, nas Leis Estaduais nº 2.664, de 27 de dezembro de 1996, e nº 5.100, de 04 de outubro de 2007, e no Decreto Estadual nº 46.889, de 20 de dezembro de 2019.”



COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

SUS se prepara para receber 'três epidemias' nos próximos meses


Além do novo coronavírus, autoridades ainda têm de se preocupar com registros de alta de doenças já conhecidas, como dengue e influenza



Embora muito menos letal do que a covid-19, dengue preocupa autoridades


À espera de uma escalada ainda maior de casos do novo coronavírus, as autoridades de saúde ainda têm de se preocupar com registros de alta de doenças já conhecidas, como dengue e influenza. Epidemiologistas e gestores do SUS (Sistema Único de Saúde) afirmam que o País terá de enfrentar ao mesmo tempo "três epidemias" nos próximos meses.

Apenas até 21 de março, o País teve 441,22 mil casos de dengue, acima dos 273,19 mil registrados no mesmo período do ano passado. Em 2018, foram 71,52 mil casos neste intervalo. Há ainda 120 mortes confirmadas e 188 em análise para dengue neste ano. No ano de 2019, o Brasil registrou 1,54 milhão de casos de dengue. O número só é menor do que o de 2015 - 1,7 milhão.

Apesar de muito menos letal do que a covid-19, a doença tem alta incidência e exige esforços de autoridades de saúde, hoje pressionadas pela pandemia. Autoridades também alertam para o provável pico simultâneo de casos de influenza, como H1N1, e do novo coronavírus.

"Teremos coronavírus, que é uma novidade, teremos influenza, que é uma rotina, todo ano acontece, e teremos também o pico de dengue. Aproveitem que estão em casa e limpem o quintal, eliminem focos de dengue e vacinem-se", disse na Quinta-feira passada o secretário nacional de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira.

O Ministério da Saúde informa que já regularizou a distribuição de insumos necessários, como inseticidas, para o controle do Aedes aegypti, mosquito transmissor de dengue, zika e chikungunya. A pasta também fez a compra de kits de diagnóstico da dengue para todos os Estados.

Publicidade

Para Denise Valle, bióloga pesquisadora do Instituto Oswaldo Cruz, da Fiocruz, os casos de dengue no Brasil flutuam. Os anos com altas podem ser explicados pela volta de um dos quatro subtipos da doença no País. Desde o fim de 2018 o subtipo 2 está sendo registrado. Ele não era observado desde 2008.

A bióloga aponta ainda alto número de casos de chikungunya no Brasil. "Faz muitos casos graves, penosos, que se estendem por muito tempo", diz ela. Até 21 de março foram notificados 12.696 casos. Só o Estado do Espírito Santo concentra 22% dos pacientes; a Bahia, 21,4%; e o Rio, 19,5%. Neste intervalo foram confirmadas três mortes e outras 18 estão em investigação para a doença. "Aproveitem que estão em casa, vamos fazer o dever de casa: prevenção do Aedes. De cada dez criadouros (do mosquito), oito estão na nossa casas", afirmou Valle.


Gripe
O pico de casos do novo coronavírus deve coincidir com a queda de registros de dengue, doença de maior incidência no verão, afirma Jair Ferreira, professor titular de Epidemiologia da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Ele diz, porém, que as altas da covid-19 e da influenza devem coincidir. "Por isso é extremamente importante a vacinação contra a gripe. Para evitar que haja mais casos graves. Ainda evita que se tenha duas infecções."

Até 14 de março, fora do período de pico para síndromes gripais, o Ministério da Saúde relata 165 casos e 13 óbitos por influenza A (H1N1), 139 casos e 14 óbitos por influenza B e 16 casos e 2 óbitos por influenza H3N2. Juntas, elas somaram 320 casos e 29 óbitos. No ano passado inteiro, o País registrou 5,8 mil casos e 1.122 óbitos pelos três tipos de influenza, que podem ser evitados pela vacinação.

Sarampo
Além destas três enfermidades, o sistema de saúde enfrenta doenças como o sarampo, que já matou 4 pessoas neste ano, após 20 anos sem óbitos no Brasil. Até o começo de março foram notificados 4.971 suspeitas, sendo confirmados 909 casos. Há dez Estados com circulação ativa do vírus e São Paulo tem quase um terço dos pacientes. No caso, a vacinação é a única forma de evitar o contágio. As quatro mortes registradas (uma no Rio, outra em SP e duas no Pará) foram de crianças de 5 a 18 meses.

O presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), Alberto Beltrame, afirma que o SUS está acostumado a enfrentar mais de uma doença em alta. Os gestores, diz ele, estão sob alerta para que o apoio à covid-19 não deixe pacientes de outras enfermidades desassistidos. Segundo Beltrame, a ideia é aproveitar a sensibilidade da população para a vacina contra a gripe, em meio à pandemia, para também imunizar pessoas abaixo de 60 anos do sarampo.


Agência Estado


COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Secretaria de Educação inicia atividades com plataforma online


A Secretaria de Estado de Educação (Seeduc) e o Google For Education iniciam, nessa segunda-feira (30/03), as atividades na plataforma online. O tutorial para os alunos e professores foi divulgado, na última sexta-feira, dia 27, nas redes sociais da Seeduc (www.facebook.com/seeducRJ/ e no Instagram @SeeducRJ), além de ser distribuído por Whatsapp para toda a rede. Com isso, os estudantes e docentes puderam criar sua conta Google e começar a fazer o cadastro e login no sistema. Os conteúdos das aulas serão incluídos nas salas virtuais ao longo da semana que se inicia. 

A primeira semana será de treinamento e adaptação, em que alunos e professores, com seus logins individuais, poderão conhecer a plataforma e entender seu funcionamento. Este período de formação e ambientação não vai afetar os 200 dias letivos, uma vez que o calendário da Seeduc contava com 220 dias letivos previstos e esses 15 dias de paralisação para minimizar os impactos do coronavírus corresponderam ao recesso escolar de julho, que foi antecipado como medida de prevenção. 

Para os estudantes que têm dificuldade ou não têm acesso à internet, a Secretaria de Estado de Educação vai imprimir e entregar o material didático. Além disso, a Seeduc conversará com a comunidade escolar para verificar a possibilidade e disponibilidade de abrir pontualmente algumas unidades de ensino para que alunos e docentes que não possuem computador e aparelhos de telefone celular para realização das atividades à distância tenham acesso aos laboratórios e equipamentos dos colégios. Livros e matérias didáticos das bibliotecas também poderão ser utilizados para ministrar os conteúdos das disciplinas. 

– De forma complementar, também vamos recomendar conteúdo pedagógico que será exibido no Canal Futura. Além disso, divulgaremos links de sites educacionais para que os estudantes acessem e estudem o conteúdo nos respectivos portais – disse o secretário de Educação, Pedro Fernandes. 

A paralisação das atividades nas escolas da rede estadual do Rio de Janeiro segue o protocolo estabelecido pelo Gabinete de Crise de prevenção ao coronavírus e pela Secretaria de Estado de Saúde. 

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Luto: Vereador de Natividade morre aos 56 anos

Foto: Rede social


Faleceu na manhã desta segunda-feira (30), o vereador de Natividade Fabiano França Vieira, Fabiano Bim, de 56 anos, vítima de câncer. A informação foi confirmada pela assessoria da Câmara de Vereadores do município.

O parlamentar estava internado desde sexta-feira (27) devido a complicações da doença. Fabiano foi eleito no último pleito com 315 votos, sendo o 3º mais votado.

O velório está previsto para acontecer na sede social do Clube Lítero Esportivo de Natividade (CLEN), no centro do município.

O Prefeito da cidade, Severiano Rezende, determinou a suspensão das atividades por três dias e emitiu uma nota oficial, destacando a atuação do vereador na Casa Legislativa.



COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Governo do Rio prorroga por mais 15 dias o isolamento social

Decreto dispõe sobre as medidas de enfrentamento ao coronavírus


O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, prorrogou por 15 dias as medidas de isolamento social, com determinações para evitar a contaminação pelo novo coronavírus (covid-19) no estado, que terminariam amanhã (31), com base no decreto que tinha publicado no dia 17 de março. Conforme tinha prometido na sexta-feira (27), o governador publicou hoje (30) no Diário Oficial do estado um outro decreto com a prorrogação das medidas para reduzir a movimentação e aglomeração de pessoas no estado. Ainda nesta segunda-feira (30), Witzel dará uma coletiva às 12h, no Palácio Guanabara, sede do governo fluminense, para detalhar as medidas.

O decreto de hoje dispõe sobre as medidas de enfrentamento da propagação decorrente do novo coronavírus por causa da situação de emergência em saúde. O governador justifica a prorrogação pela necessidade de atualizar as medidas diante das mortes já confirmadas e do aumento de contaminados. Ele acrescentou que a omissão do estado poderia gerar um grave transtorno à saúde coletiva e a responsabilização dos seus agentes e do próprio estado.

Aulas
As aulas continuam suspensas, sem prejuízo do calendário recomendado pelo Ministério da Educação, nas escolas das redes pública e privada de ensino e nas universidades.

Transportes
A circulação de transportes intermunicipais de passageiros que liga a Região Metropolitana e a cidade do Rio de Janeiro, continua proibida. A exceção é para trens e barcas, que operam sob restrições definidas pelo governo estadual para atender a serviços essenciais nos trajetos entre os municípios da Região Metropolitana e a capital.
Já nos transportes interestaduais ainda não foi permitida a circulação para os estados de Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo, Bahia, Distrito Federal e demais estados em que foram anotados casos confirmados de contaminação pelo novo coronavírus. Da mesma forma para os voos internacionais ou nacionais com origem nesses estados. Neste mesmo sentido, continua proibida a atracação de navios de cruzeiro.

Servidores
Todos os servidores e empregados públicos ou contratados por empresas que prestam serviço passam a ser considerados casos suspeitos, caso apresentem sintomas como febre ou sintomas respiratórios como tosse seca, dor de garganta, cefaleia, dificuldade de respirar e prostração. Quem estiver nessa situação deve seguir os protocolos de atendimento específico da Secretaria de Estado de Saúde (SES).

Eventos
Permanecem proibidos eventos de qualquer atividade com presença de público, mesmo que tenham sido autorizados anteriormente. Aí estão incluídos os eventos esportivos, shows, encontros em salões de festas e em casas de festas, visitas ao Pão de Açúcar, Corcovado, museus, Aquário Rio, a roda gigante Rio Star e demais pontos turísticos.
Também devem permanecer fechados os cinemas, teatros e foram mantidas as proibições de visitas às unidades prisionais, inclusive as íntimas. A entrada dos advogados deve seguir orientação da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap). Estão proibidas ainda as visitas a pacientes diagnosticados com a covid-19, internados em rede pública ou privada.


A.Brasil

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

domingo, 29 de março de 2020

Coronavírus chega em Muriaé, Minas Gerais


O primeiro caso de coronavírus em Muriaé foi confirmado pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG). A informação foi divulgada no boletim epidemiológico estadual neste domingo (29). 

A Prefeitura de Muriaé informou o caso é de uma paciente do sexo feminino de 50 anos, que não tem doenças crônicas e apresenta quadro de saúde estável. Ela não precisou ser internada e permanece em isolamento domiciliar com acompanhamento médico. 

Conforme a publicação do Estado, as regiões Zona da Mata e Campo das Vertentes têm 14 pessoas que testaram positivo para Covid-19. Juiz de Fora segue com 11 confirmações, São João Del Rei duas e, agora, Muriaé tem um caso confirmado da doença. 


G1

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Marido esquarteja a própria esposa em Itaperuna, diz polícia


De acordo com a polícia, homem preso confessou o crime


Um homem foi preso em Itaperuna, Noroeste Fluminense, nesta sexta-feira (27), suspeito de esquartejar a própria esposa. Segundo a Polícia Cívil, ele confessou o crime.

O caso foi registrado inicialmente como "encontro de cadáver" na manhã desta sexta-feira, depois que partes de um corpo humano foram encontrados na Estrada do Avaí, próximo ao Bairro Cehab, zona rural de Itaperuna.

Segundo a polícia, após surgirem informações de que uma mulher do bairro estava desaparecida há dois, por não ter comparecido ao trabalho, a polícia então deu início às investigações. E descobriu que o marido dela teria sido visto saindo da casa com sacos plásticos cheios, em um carrinho de mão. Pessoas do bairro também relataram brigas entre o casal na noite anterior.

Ao ser questionado sobre a situação, segundo a polícia, o homem afirmou que a esposa "decidiu ir embora por problemas no relacionamento do casal". Mas, após uma perícia na casa do casal, foram encontrados muitos "vestígios de material assemelhado a sangue".

De acordo com informações divulgadas pela polícia, diante dos fatos, o suspeito voltou a ser questionado sobre o paradeiro da esposa e acabou confessando o crime.

Segundo a polícia, "ele confessou que esquartejou os membros, o tronco e a cabeça da vítima para facilitar a retirada do corpo da casa. Disse também que escondeu as partes do corpo da vítima em sacolas plásticas e colocou em um carrinho de mão. E que escondeu os membros na estrada do Avaí, em vários pontos".

Nos locais indicados, de acordo com a polícia, só não foram encontrados a parte de cima do tronco e a cabeça da vítima. Ainda segundo a polícia, foram localizados também os instrumentos utilizados no crime. O caso foi registrado na 143ª DP, onde o homem ficou preso.


G1

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Brasileiro de 26 anos falece devido à Covid-19

Rapaz era saudável e não estava no grupo de risco


Na noite do último sábado (28), um jovem de apenas 26 anos foi vítima fatal da Covid-19. Ele estava internado desde o dia 23 de março. 

Morador da cidade de São Paulo, o rapaz procurou o pronto-socorro do Hospital Santa Cruz com quadro de síndrome respiratória grave. 

De acordo com a assessoria de imprensa da unidade, o homem estava em tratamento para hiperuricemia (níveis elevados de ácido úrico no sangue). 

“Sua tomografia de tórax revelou padrão compatível com pneumonite viral e, frente a possibilidade de caso suspeito de Covid-19, foi isolado e testado para PCR para SARS-CoV-2, com resultado positivo após 24 horas”, diz a nota do hospital. 


G1

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

sábado, 28 de março de 2020

Ministério da Saúde planeja ampliar isolamento a partir de abril


Documento prevê transição da quarentena, com fechamento de escolas e universidades, distanciamento social no ambiente de trabalho 


Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta
Marcelo Camargo/Agência Brasil


O Ministério da Saúde distribuíu documento de recomendações para os gestores do SUS de todo o país, que planeja, a partir de 6 de abril, o fechamento de escolas e universidades, distanciamento social no ambiente de trabalho e proibição de eventos com aglomeração, como jogos de futebol. Medidas mais restritivas seriam adotadas em abril, maio e junho para o combate do coronavírus no país.
No documento, há um balanço de todas as medida adotadas pelo governo em relação ao novo coronavírus até a última sexta-feira (27), com previsão de o governo ter que criar mais 20 mil leitos de internação para atender a demanda dos infectados no próximo mês. A previsão é de haver necessidade de 40 mil leitos até 30 de abril. A necessidade ocorreria no pior cenário previsto para o período.
No plano de ação da quarentena, a ser executado nos próximos três meses, há a previsão da contratação de trabalhadores informais serem contratados como promotores de saúde durante a resposta à covid-19. A ideia é que eles orientem as pessoas na rua, identifiquem idosos que estão fora do isolamento para enviá-los para casa, além de atuarem na limpeza de superfícies.
Outras medidas incluem a proibição de qualquer evento de aglomeração (shows, cultos, futebol, cinema e teatros). 
O documento traz medidas mais restritivas do que as que vinham sendo passadas pelo Ministério da Saúde oficialmente até agora. Apesar disso, Estados e Municípios saíram na frente decretando cancelamento de aulas e eventos com aglomerações. A leitura no Ministério da Saúde é que houve excessos em muitos casos, mas a partir de 6 de abril já seria a data ideal para implantar as medidas.
Os técnicos responsáveis pelo documento, por outro lado consideram que devem sofrer represálias por endurecer as medidas em meio ao discurso do presidente Jair Bolsonaro pela volta à normalidade no Brasil, a fim de retomar atividades econômicas. Uma das possibilidades ventiladas é a eventual demissão da equipe de Vigilância em Saúde (SVS), mais resistente à postura de Bolsonaro.
Neste sábado (28), enquanto Bolsonaro se reuniu com ministros no Palácio da Alvorada, entre eles Luiz Henrique Mandetta, parte da equipe da saúde fez uma reunião paralela na sede do ministério para discutir o assunto.
O presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), Alberto Beltrame, afirmou que a entidade não apoia "qualquer recuo no sentido de afrouxamento de isolamento e sim uma transição na direção de sua ampliação, na medida da necessidade".
"Esperamos que a equipe técnica do Ministério possa seguir esse trabalho sério, técnico e cientificamente orientado, sem que qualquer outra orientação se sobreponha ao interesse da proteção da saúde e da vida das pessoas”, afirmou Beltrame.
O ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) está sob forte pressão nos últimos dias para atender aos anseios de Bolsonaro e ao mesmo tempo se manter fiel ao que recomendam as entidades médicas. Na última semana, ele foi criticado pela atuação na reunião com secretários estaduais e municipais. Embora não tenha defendido o isolamento vertical, Mandetta adaptou o discurso e defendeu a abertura de igrejas, desde que com cautela.
Para alguns secretários, a reunião foi vista com alívio, por Mandetta não endossar expressamente as falas de Bolsonaro. Outros, entretanto, disseram que o ministro deveria ter sido mais firme em apoiar medidas técnicas e se opor a Bolsonaro.
O temor é que, se ele se afastar do Ministério da Saúde agora, poderia ser substituído por Antonio Barra Torres, presidente da Anvisa, que acompanhou o presidente da República em manifestação feita no dia 15 de março, na qual ele teve contato com centenas de pessoas.

R7/Copyright © Estadão. Todos os direitos reservados.



COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Prefeituras do Noroeste iniciam operações de limpeza contra o coronavírus

Itaperuna/Divulgação Prefeitura

Com o objetivo de reduzir os impactos da pandemia de coronavírus, prefeituras da região Noroeste realizam, desde o início desta semana, operações especiais de limpeza e desinfecção em suas respectivas cidades. Ruas, paradas de ônibus, sanitários públicos, entre outros espaços de grande circulação de pessoas são o principal alvo da operação. 

Bom Jesus do Itabapoana/ Divulgação Prefeitura
As prefeituras que realizaram está operação foram Bom Jesus do Itabapoana, Itaperuna,  Natividade, Porciúncula e São José de Ubá.

São José de Ubá/Divulgação Prefeitura
O secretário de Defesa Civil de Porciúncula, Marcelo Mourão, esclarece que o cuidado pessoal ainda é uma das formas mais simples de conter o coronavírus. “Fazer a higiene das mãos e de locais de convívio são medidas fundamentais para combater o Covid-19. O uso de produtos de limpeza e desinfecção de superfícies, conhecidos como saneantes, são grandes aliados neste momento”, alerta o secretário. 

Porciúncula/ Divulgação Prefeitura


COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Artista plástico Daniel Azulay morre aos 72 anos

Artista lutava contra leucemia e contraiu coronavírus 


O artista plástico Daniel Azulay, de 72 anos, morreu na tarde de hoje (27), na Clínica São Vicente, na Gávea, zona sul do Rio, onde estava internado há duas semanas. O artista lutava contra uma leucemia e contraiu o novo coronavírus (covid -19), que acabou agravando o quadro do paciente. 

Em sua página em uma rede social, foi publicada a notícia da morte do artista: “Com extremo pesar comunicamos que nosso querido Daniel Azulay faleceu hoje à tarde no Rio de Janeiro. Ele estava tratando uma leucemia e contraiu coronavírus. Sua alegria continuará em todos nossos corações para sempre. Faremos rezas virtuais para ele nos próximos dias em virtude do isolamento. Daniel, Te amamos”!!! 

Entre as crianças, a criação de Daniel Azulay que fez mais sucesso foi A Turma do Lambe Lambe. Criada em 1975, o programa ficou no ar durante 10 anos, primeiro na antiga TV Educativa (TVE) e depois na Rede Bandeirantes, sempre apresentada por Daniel Azulay, que mostrou o mundo do desenho e da arte para milhares de crianças em todo o Brasil. 

A volta à televisão ocorreu em 1996 com o programa Oficina de Desenho Daniel Azulay na TV Bandeirantes, que tinha vários quadros com a Turma do Lambe Lambe e introduziu também o personagem Azulinho, uma versão da Emília, de Monteito Lobato, de Daniel Azulay. 

Entre 2003 e 2004 foi ao ar no Canal Futura o programa Azuela do Azulay, que contou com algumas aparições dos personagens. Entre 2006 e 2007 foi lançada uma série de minicurtas em animação para a TV Rá-Tim-Bum. 



Revista em quadrinhos 

De 1982 até 1984 foi publicada a revista da Turma do Lambe Lambe pela Editora Abril, que teve 20 edições. Em 2015, Ediouro lançou o Almanaque da Turma do Lambe-Lambe, em comemoração aos 40 anos da franquia. 

Azulay influenciou a geração dos anos 80, que aprendeu com ele a desenhar, construir brinquedos com sucata doméstica e a importância da reciclagem e sustentabilidade em defesa do meio ambiente. Recentemente, viajava pelo mundo expondo, fazendo palestras e conduzindo workshops de arte, educação e responsabilidade social. 


A.Brasil

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

sexta-feira, 27 de março de 2020

Pirapetinga faz limpeza especial nas ruas para combater coronavírus


A ação consiste na higienização e desinfecção de diversos pontos públicos da cidade, incluindo áreas perto de hospitais, clínicas e pontos de ônibus


Divulgação/ Prefeitura

A Prefeitura Municipal de Pirapetinga iniciou a higienização das ruas e calçadões do centro da cidade na manhã desta quinta-feira (26). Funcionários da prefeitura fizeram a limpeza dos locais para desinfetar as vias mais movimentadas.

O processo de desinfecção é realizado para combater o coronavírus e garantir mais segurança para a população.

Divulgação/ Prefeitura

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Câmara aprova auxílio de R$ 600 para pessoas de baixa renda durante epidemia

Para as mães que são chefe de família, o projeto permite o recebimento de duas cotas do auxílio



O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (26) o pagamento de um auxílio emergencial por três meses, no valor de R$ 600,00, a pessoas de baixa renda. A medida foi incluída pelo deputado Marcelo Aro (PP-MG) no Projeto de Lei 9236/17, de autoria do deputado Eduardo Barbosa (PSDB-MG). O texto será analisado ainda pelo Senado.

Inicialmente, na primeira versão do relatório, o valor era de R$ 500,00 (contra os R$ 200,00 propostos pelo governo). Após negociações com o líder do governo, deputado Vitor Hugo (PSL-GO), o Executivo aceitou aumentar para R$ 600,00.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que o apoio do governo dá segurança de que a proposta será sancionada. "O governo sugeriu R$ 200 inicialmente, mas nós dissemos que menos de R$ 500 não aceitávamos", destacou. "O importante neste momento é que o Congresso, junto com o governo, encontrou a solução. Isso nos dá certeza de que o projeto será sancionado após a aprovação do Senado, nos próximos dias", completou.

Com o novo valor, a estimativa de impacto feita por Maia, de R$ 12 bilhões, deve subir para R$ 14,4 bilhões. "Vamos poder atender as pessoas que estão sem renda, que são informais, que são vulneráveis e que precisam do apoio do Estado brasileiro​​", afirmou.

Para as mães que são chefe de família (família monoparental), o projeto permite o recebimento de duas cotas do auxílio, totalizando R$ 1,2 mil.

Enquanto durar a epidemia, o Poder Executivo poderá prorrogar o pagamento do auxílio.

Empresários que, segundo a legislação previdenciária, devem pagar pelos primeiros 15 dias do afastamento do trabalhador por motivo de saúde, poderão descontar o valor desse tempo de salário dos recolhimentos de contribuições devidas ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) caso a doença seja causada pelo coronavírus.

Requisitos

Para ter acesso ao auxílio, a pessoa deve cumprir, ao mesmo tempo, os seguintes requisitos:

- ser maior de 18 anos de idade;
- não ter emprego formal;
- não receber benefício previdenciário ou assistencial, seguro-desemprego ou de outro programa de transferência de renda federal que não seja o Bolsa Família;
- renda familiar mensal per capita (por pessoa) de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar mensal total (tudo o que a família recebe) de até três salários mínimos (R$ 3.135,00); e
- não ter recebido rendimentos tributáveis, no ano de 2018, acima de R$ 28.559,70.

A pessoa candidata deverá ainda cumprir uma dessas condições:

- exercer atividade na condição de microempreendedor individual (MEI);
- ser contribuinte individual ou facultativo do Regime Geral de Previdência Social (RGPS);
- ser trabalhador informal inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico); ou
- ter cumprido o requisito de renda média até 20 de março de 2020.

Será permitido a duas pessoas de uma mesma família acumularem benefícios: um do auxílio emergencial e um do Bolsa Família. Se o auxílio for maior que a bolsa, a pessoa poderá fazer a opção pelo auxílio.

Já a renda média será verificada por meio do CadÚnico para os inscritos e, para os não inscritos, com autodeclaração em plataforma digital.

Na renda familiar serão considerados todos os rendimentos obtidos por todos os membros que moram na mesma residência, exceto o dinheiro do Bolsa Família.

Como o candidato ao benefício não pode ter emprego formal, o substitutivo lista o que entra neste conceito: todos os trabalhadores formalizados pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e todos os agentes públicos, independentemente da relação jurídica, inclusive os ocupantes de cargo ou função temporários, de cargo em comissão de livre nomeação e exoneração ou titulares de mandato eletivo.

Forma de pagamento

Segundo o projeto, o auxílio emergencial será pago por bancos públicos federais por meio de uma conta do tipo poupança social digital.

Essa conta será aberta automaticamente em nome dos beneficiários, com dispensa da apresentação de documentos e isenção de tarifas de manutenção. A pessoa usuária poderá fazer ao menos uma transferência eletrônica de dinheiro por mês, sem custos, para conta bancária mantida em qualquer instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central.

A conta pode ser a mesma já usada para pagar recursos de programas sociais governamentais, como PIS/Pasep e FGTS, mas não pode permitir a emissão de cartão físico, cheques ou ordens de pagamento para sua movimentação.

Se a pessoa deixar de cumprir as condições estipuladas, o auxílio deixará de ser pago. Para fazer as verificações necessárias, os órgãos federais trocarão as informações constantes em suas bases de dados.



Fonte: Agência Câmara de Notícias

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

quinta-feira, 26 de março de 2020

Presidente da Câmara propõe auxílio de R$ 500 a trabalhador informal durante pandemia

Plenário aprecia a proposta de auxílio durante crise do coronavírus 


O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira (26) que o valor do auxílio mensal a ser pago aos trabalhadores autônomos, informais e sem renda fixa durante a crise provocada pela pandemia de coronavírus pode ser de R$ 500. O valor é maior do que o pagamento de R$ 200 mensais previstos pelo governo federal. O plenário da Casa está reunido neste momento para apreciar a proposta. 

Segundo Maia, o auxílio referente ao valor de meio salário-mínimo (atualmente em R$ 1.039) deve ser pago por três meses e terá um impacto fiscal estimado entre R$ 10 bilhões e R$ 12 bilhões. Sem projeto enviado pelo Executivo, a Câmara vai analisar um projeto de lei de 2017 para renda emergencial, de autoria do deputado Eduardo Barbosa (PSDB-MG). Inicialmente, a medida fixava outros parâmetros, além da renda per capita de uma família, para caracterizar a situação de vulnerabilidade social que permite à pessoa com deficiência e ao idoso receberem o Benefício de Prestação Continuada (BPC). 

“O que está se construindo é um valor da ordem de R$ 500, é o que o parlamento está trabalhando”, disse Maia. “A nossa opinião é que esse valor vai gerar um impacto a mais de R$ 10 bilhões, R$ 12 bilhões. Mas em relação ao que o Brasil precisa investir, garantir à sociedade brasileira, é muito pouco”. 

Maia argumentou que o valor pago aos profissionais informais deve ser reavaliado após três meses e ser mantido caso ainda haja necessidade. 

“Não é possível que a gente não possa garantir aos trabalhadores informais uma renda por esse período de três meses e avaliando esse cenário a cada semana, porque isso é um cenário de guerra. É importante que a gente possa aplicar os recursos [públicos] também na sociedade brasileira”, disse o presidente da Câmara. 

Pequenas e médias empresas 

De acordo com Rodrigo Maia, também está sendo discutido um empréstimo de longo prazo com carência, em que o governo federal seria o garantidor, para auxílio às pequenas e médias empresas durante a crise. O congressista também ressaltou a necessidade de solução para os aluguéis das empresas que, com a crise, não teriam condições de serem pagos. 

"Tenho dito a algumas pessoas da equipe econômica: 'a gente precisa resolver o problema das pequenas e médias e empresas, os salários'. As empresas não vão ter os recursos para pagar esses salários. Então, a gente precisa construir uma alternativa. Acho que uma alternativa que está sendo discutida é um empréstimo de longo prazo com carência, com o governo sendo garantidor", afirmou. 

Para Maia, o momento é de deixar as divergências de lado e assegurar “previsibilidade” aos brasileiros para que seja possível superar a crise provocada pela pandemia. O parlamentar reformou o pedido para que o Executivo faça um investimento capaz de garantir recursos para a sociedade. 

“Não acho que a gente deva olhar R$ 5 bilhões ou R$ 10 bilhões, do meu ponto de vista, a gente teria que gastar para enfrentar a crise, R$ 300 bilhões, R$ 400 bilhões, mas o que a gente precisa é que as despesas de 2020 fiquem limitadas ao ano de 2020”, disse. “Precisamos dar previsibilidade para que as pessoas possam continuar nas suas residências e que os empregadores saibam que seus negócios continuarão existindo, mas é o Executivo quem pode organizar isso”. 

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Ministério prepara decreto para prefeituras sobre transporte de cargas

Infraestrutura quer evitar medidas que prejudiquem logística nacional 


O Ministério da Infraestrutura divulgou hoje (26) que vai distribuir um modelo de decreto para orientar as prefeituras sobre o transporte de cargas e a circulação de mercadorias durante o período de enfrentamento a pandemia do novo coronavírus. 

A intenção é ajudar as autoridades locais a evitar medidas que prejudiquem a logística nacional, em especial aquelas ligadas a atividades consideradas essenciais. A medida vale para caminhoneiros e também para profissionais do transporte, como oficinas, borracharias e restaurantes de beira de estrada. 

“Precisamos garantir que ao sair de casa, o caminhoneiro terá onde almoçar, onde arrumar seu caminhão e principalmente que estejam seguros”, afirmou o ministro Tarcísio Gomes de Freitas. 

O assunto foi debatido ontem (25) em reunião da pasta com a Confederação Nacional de Municípios (CNM). Além da minuta de decreto, o ministério também vai elaborar uma nota técnica para orientar prefeitos. "A CNM vai ajudar com a distribuição para os 5.571 municípios do Brasil", informou a pasta. 

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Conta de água é suspensa para clientes de baixa renda e comércio de pequeno porte



A Cedae está suspendendo a cobrança das contas com vencimentos em maio, junho e julho, para os clientes da Companhia que pertencem às categorias de tarifa social* e comércio de pequeno porte**. Aproximadamente 230 mil matrículas serão atendidas, beneficiando cerca de um milhão de pessoas com essa decisão.

A autorização do governador Wilson Witzel, publicada no Diário Oficial do Estado desta quarta-feira (25/03), tem por objetivo dar maior tranquilidade financeira ao orçamento de famílias e empreendedores no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). A Cedae atenderá prontamente à autorização, o que permitirá que os usuários tenham condições de priorizar e reorganizar despesas nesta fase difícil.

Cabe informar que a suspensão de cobrança se aplica às categorias de tarifa social e comércio de pequeno porte. As demais categorias receberão suas contas normalmente.

A Cedae também já suspendeu todos os serviços de corte de abastecimento. Assim, não haverá interrupção do fornecimento de água. Esta ação se aplica a todos os clientes, enquanto durar o período de crise. 

* Tarifa de água diferenciada destinada a comunidades carentes e a conjuntos habitacionais para moradores de baixa renda que apresentem documentação descrita no Decreto 25.438/99.

**Para os efeitos do presente Decreto considera-se Comércio de Pequeno Porte aquele que possui uma só matrícula e uma só economia hidrometradas e com acesso direto às ruas, observado o limite de 10m³ de faturamento mês. 

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Declarações de Bolsonaro preocupam Sociedade Brasileira de Infectologia, que recomenda ficar em casa


Morador de Londres toma sol na varanda porque Reino Unido está em quarentena
Foto: Dylan Martinez/Reuters 


A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) apresentou preocupações com as declarações do presidente Jair Bolsonaro em pronunciamento oficial na última terça-feira sobre a Covid-19. Ele defendeu a retomada das aulas e voltou a se referir à doença como "resfriadinho".
“Também concordamos que devemos ter enorme preocupação com o impacto socioeconômico desta pandemia e a preocupação com os empregos e sustento das famílias. Entretanto, do ponto de vista científico-epidemiológico, o distanciamento social é fundamental para conter a disseminação do novo coronavírus, quando ele atinge a fase de transmissão comunitária”, afirma o texto assinado por Clóvis Arns da Cunha, presidente da SBI.
A medida, segundo os infectologistas do grupo, deve ser associada ao isolamento respiratório dos pacientes que apresentam a doença, ao uso de equipamentos de proteção individual (EPI) pelos profissionais de saúde e à higienização frequente das mãos por toda a população.
A nota aponta ainda que é “temerário” dizer que as cerca de 800 mortes diárias que estão ocorrendo na Itália seja relacionada apenas ao clima frio do inverno europeu.
“Tais mensagens podem dar a falsa impressão à população que as medidas de contenção social são inadequadas e que a Covid-19 é semelhante ao resfriado comum, esta sim uma doença com baixa letalidade”, afirma o texto.
Ela ainda elogia o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, por “trabalhar em conjunto com sociedades médicas científicas, inclusive a Sociedade Brasileira de Infectologia”.
“Ficar em casa é a resposta mais adequada para a maioria das cidades brasileiras neste momento, principalmente as mais populosa”, resume a nota.
 Extra

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Compartilhe

CURTA A NOSSA PÁGINA