segunda-feira, 22 de julho de 2024

Quer imprimir o título em casa? Saiba como fazer pela internet




Você sabia que pode imprimir seu título eleitoral sem precisar sair de casa? No site do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ), basta acessar a aba “Atendimento On-line”, e em seguida, escolher a opção “Imprimir Título”. O título impresso possui um QR Code que o valida como documento oficial.

A menos de 100 dias para as eleições municipais deste ano, que acontecem em 6 de outubro (1º turno), todas(os) eleitoras(es) que não estejam com o título cancelado, podem imprimir o documento. Atualmente, o título eleitoral é impresso em papel comum, pelo próprio eleitor. A emissão do documento no formato de papel-moeda foi descontinuada pela Justiça Eleitoral de forma gradativa a partir de 2019.

Quem ainda tem o título emitido em papel-moeda pode utilizá-lo sem problema. Cabe lembrar que, para votar, é obrigatória a apresentação ao mesário de um documento de identificação civil oficial com foto. Leve também seu título de eleitor, caso possua, já que nele constam informações sobre a zona e a seção eleitoral.

Outra maneira prática de obter a segunda via é baixar sua versão digital, por meio do aplicativo e-Título, que pode ser baixado para smartphone ou tablet, nas plataformas iOS ou Android. Após baixá-lo, basta inserir os dados pessoais. Para quem não fez o cadastro biométrico, é necessário apresentar um documento oficial com foto sempre que for utilizar o título digital. A via digital do título eleitoral que contenha fotografia pode ser utilizada como documento de identificação para votar.

TRE

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Estado do Rio terá três novos batalhões da PM até o fim de 2025


Divulgação



O Governo do Estado informou no domingo (21) que vai inaugurar três novos batalhões da Polícia Militar até o fim do ano que vem. Eles serão construídos na Baixada Fluminense, em Nova Iguaçu; na Zona Norte da capital, no Jacarezinho; e no município de São Gonçalo. As instalações terão parte do efetivo composto por militares que serão formados até o primeiro semestre do ano que vem, convocados dos últimos concursos.

"A construção desses novos batalhões atende a um pleito da sociedade e integra um grande plano de investimentos que estamos fazendo na segurança pública. O que acontece nessas regiões impacta nos índices criminais do estado e os benefícios proporcionados por essas novas unidades serão para todos. Além disso, serão batalhões modernos, com tecnologia de ponta, o que potencializa a capacidade de atendimento à população", explica o governador Cláudio Castro.

As localizações das novas unidades foram definidas a partir de estudos que apontaram altos índices de roubos e furtos nessas regiões. Estrategicamente, os batalhões serão construídos em pontos-chave como em Nova Iguaçu, onde a unidade será erguida na parte central da cidade.

Já a unidade do Jacarezinho, que faz parte do planejamento do programa Cidade Integrada, será instalada no centro da comunidade, no terreno da antiga fábrica da General Eletric. O novo batalhão de São Gonçalo ampliará o trabalho já realizado pelas equipes do 7º BPM.

"O trabalho feito em motos, além de aumentar a capilaridade e a ostensividade, pode dar um menor tempo de resposta para que as demandas da população da região sejam atendidas", complementa o secretário de Polícia Militar, Coronel Menezes.

O Dia

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Mulher é solta após passar 43 anos presa por engano nos Estados Unidos


Foto: HG Biggs/The Kansas City Star via AP



Uma mulher cuja condenação foi anulada após cumprir 43 anos de uma sentença de prisão perpétua foi libertada nessa sexta-feira (19), apesar das tentativas do procurador-geral do Missouri de mantê-la presa. As informações são da agência de notícias Associated Press.

Sandra Hemme, de 64 anos, deixou uma prisão em Chillicothe, no Missouri. Ela foi a mulher que ficou presa injustamente por mais tempo nos EUA, de acordo com sua equipe jurídica do Projeto Inocência.

Ao sair da prisão, ela se reencontrou com a família, uma irmã, filha e a neta.

"Você era apenas um bebê quando sua mãe me enviou uma foto sua", disse ela à neta. "Você parecia exatamente como sua mãe quando era pequena e ainda parece com ela."

O juiz decidiu originalmente em 14 de junho que os advogados de Hemme haviam apresentado "provas claras e convincentes" de "inocência real" e anulou sua condenação. Mas o procurador-geral Andrew Bailey lutou contra sua libertação nos tribunais.

"Foi muito fácil condenar uma pessoa inocente e muito mais difícil do que deveria ser para libertá-la, chegando ao ponto de ordens judiciais serem ignoradas", disse seu advogado Sean O'Brien. "Não deveria ser tão difícil libertar uma pessoa inocente."

Durante uma audiência no tribunal na sexta, o juiz Ryan Horsman disse que, se Hemme não fosse libertada em poucas horas, o próprio Bailey, o procurador, teria que comparecer ao tribunal na terça-feira de manhã. Ele ameaçou considerar o escritório do procurador-geral em desacato.

Sandra cumpria uma sentença de prisão perpétua no Centro Correcional de Chillicothe pelo assassinato a facadas em 1980 da funcionária de biblioteca Patricia Jeschke em St. Joseph, Missouri.

A liberdade imediata de Hemme foi dificultada por causa de outras sentenças que ela recebeu por crimes cometidos enquanto estava presa. Ela recebeu uma sentença de dois anos em 1984 por "se oferecer para cometer violência" e por 10 anos em 1996 por atacar um funcionário na prisão com uma lâmina de barbear.

O procurador-geral argumentou que Hemme representa um risco de segurança para si mesma e para os outros e que ela deveria começar a cumprir essas sentenças agora.

Sandra não falou com os repórteres após a sua libertação. Seu advogado disse que ela iria ao hospital onde seu pai está internado com insuficiência renal para cuidados paliativos. "Isso já estava demorando muito para acontecer", disse ele sobre a libertação dela.

G1

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Brasil exporta 31 mil toneladas de biscoitos no 1º semestre de 2024



Tânia Rêgo/A.B./Arquivo


No primeiro semestre deste ano, as exportações de biscoitos brasileiros chegaram a 31 mil toneladas, totalizando US$ 71,2 milhões e alcançando 115 países. Os dados foram divulgados neste sábado (20) pela Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi), que está celebrando neste sábado o Dia Nacional do Biscoito.

Segundo a associação, Estados Unidos, Paraguai e Uruguai são os principais destinos dos biscoitos brasileiros, representando metade (51%) do total exportado. No Paraguai, o Brasil é o principal fornecedor de biscoitos, correspondendo a quase 60% das importações do país. No Uruguai, o Brasil é vice-líder, com 50%.

Tipos

Dentre os principais tipos de biscoitos, os wafers foram os mais relevantes no mercado externo no primeiro semestre deste ano, totalizando 12,1 mil toneladas exportadas e somando US$ 36,8 milhões. Isso representou aumento de 4% em valor na comparação com o mesmo período do ano passado.

Já as linhas tradicionais de biscoitos como água e sal, cream cracker, recheados, maria, rosquinhas e laminados de coco, leite e maisena, somaram US$ 31,1 milhões no primeiro semestre deste ano, com 17,4 mil toneladas exportadas.

EBC

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Encarte de Segunda - Supermercados Fluminense





 

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

domingo, 21 de julho de 2024

BB atinge R$ 1 bi em renegociações no Desenrola Pequenos Negócios para 15 mil empresas



Marcelo Camargo/Agência Brasil



O Banco do Brasil chegou a R$ 1 bilhão renegociados através do Desenrola Pequenos Negócios, a versão do programa de renegociação de dívidas do governo federal para empresas de pequeno porte. Desde o começo do programa, em 13 de maio, foram atendidas cerca de 15 mil empresas.

O banco também reforçou o atendimento às micro e pequenas empresas com a renegociação de R$ 4,18 bilhões em dívidas para 52 mil delas. Os números incluem tanto o BB quanto a Ativos S.A , empresa do conglomerado especializada na recuperação de créditos.

"O Desenrola é um marco para a economia brasileira. Vale a pena destacar que milhares de cidadãos já conseguiram retomar sua dignidade financeira por meio das condições de renegociação que o programa oferece", afirma em nota a presidente do BB, Tarciana Medeiros.

O banco oferece desconto de até 20% nas taxas de juros ao público do Desenrola Pequenos Negócios, desconto de até 96% no pagamento à vista de operações em atraso, ou prazo de até 120 meses para o pagamento dos débitos.

O Dia

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Sétimo caso de cura do HIV acende esperança para novos tratamentos



Imagem: Jcomp/Freepik



Nos mais de 40 anos desde a descoberta do vírus da imunodeficiência humana (HIV), a ciência conseguiu curar um seleto grupo de pacientes da infecção. Neste semana, foi anunciada a sétima cura de uma pessoa que conviveu com o vírus da AIDS, em um centro médico na Alemanha.

O caso raro recebeu o nome de “segundo paciente de Berlim”. Isso porque o mesmo hospital alemão, o Hospital Charité, foi responsável pela primeira cura da doença na história, em 2008. O primeiro "paciente de Berlim" Timothy Ray Brown ficou mundialmente conhecido, após o feito quase nunca replicado.

O novo paciente de Berlim tem 60 anos e descobriu a infecção pelo HIV em 2009, mas a mantinha sob controle com o uso de antirretrovirais. Em 2015, o homem que não teve o nome divulgado recebeu o diagnóstico de leucemia (câncer no sangue). Assim, começou a sua jornada que culminou com a cura da doença e que dá esperança para novos tratamentos.

Cura do HIV é possível?

Em comum, os casos conhecidos de cura do HIV, até o momento, envolvem um diagnóstico de câncer, como leucemia ou linfoma, e um transplante de medula óssea, também conhecido como transplante de células-tronco hematopoiéticas.

Durante o tratamento oncológico, as células-tronco de uma pessoa saudável são transferidas para o paciente, substituindo o sistema imunológico adoecido. O novo sistema imune permite o combate do câncer e também do HIV, como um efeito colateral.

Entretanto, não é qualquer transplante de células-tronco que pode proporcionar essa cura. É preciso que as células imunes do doador contenham a mutação delta 32 no receptor CCR5. Essa mutação impede, naturalmente, infecções pelo HIV, mas é muito rara. Cerca de 1% da população do continente europeu compartilha dessa característica, capaz de conferir imunidade.

Após receber o transplante de um doador com essa mutação, o primeiro paciente de Berlim conseguiu se curar tanto do câncer quanto do HIV, mas o feito não pode ser replicado com o segundo paciente.
Segundo paciente de Berlim

"Não conseguimos encontrar um doador de células-tronco correspondente que fosse imune ao HIV, mas conseguimos encontrar uma cujas células têm duas versões do receptor CCR5: a normal e, em seguida, uma extra, mutada", conta Olaf Penack, médico do Hospital Charité de Berlim, em nota.

Após o transplante de células-tronco, o segundo paciente parou o tratamento do HIV com medicamentos, em 2018. Desde então, a equipe não identificou mais o vírus da AIDS no organismo do indivíduo, o que é considerado como uma cura.

"Estamos muito satisfeitos que o paciente esteja com boa saúde e indo bem", destaca Penack. "O fato de ele estar em observação há mais de cinco anos e estar livre do vírus o tempo todo indica que realmente conseguimos erradicar completamente o HIV do corpo”, acrescenta.
Novos tratamentos para AIDS

Diferente dos outros casos, o que surpreende na experiência do segundo paciente é que ele se curou, mesmo recebendo a doação de uma paciente que não era totalmente imune ao HIV. Então, é preciso investigar ainda o que proporcionou isso.

No momento, existem diferentes hipóteses para explicar a cura, como a velocidade com que o novo sistema imunológico foi substituído (menos de 30 dias). É possível que o doador tenha células capazes de matar o HIV (outra forma de imunidade natural, igualmente rara).

Definitivamente, o transplante de medula óssea não é uma alternativa para a cura em massa do HIV. Entretanto, a compreensão dos fatores que proporcionaram a cura do segundo paciente de Berlim pode ajudar a ciência a descobrir novas terapias.

O relato do caso ainda não foi publicado em uma revista científica, mas será detalhado na 25ª conferência internacional de AIDS, que acontecerá na Alemanha, a partir de quinta-feira (25). E vale mencionar que a sexta cura ocorreu em Genebra, na Suíça.

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Compartilhe

CURTA A NOSSA PÁGINA