Mostrando postagens com marcador SAÚDE. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador SAÚDE. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Projeto de lei prevê a proibição de alimentos com açúcar nas escolas de ensino infantil do estado do Rio


Deputado Gustavo Tutuca se destaca pelo intenso trabalho realizado

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro está discutindo um projeto de lei que pretende proibir o fornecimento de alimentos com açúcar nas instituições públicas e privadas de educação e ensino infantil. O projeto 1676, de autoria do deputado Gustavo Tutuca, abrange as crianças de zero a seis anos e pretende assegurar seu desenvolvimento nos aspectos físico, psicológico e intelectual.

Segundo Tutuca, a proibição do fornecimento de alimentos com açúcar nas escolas públicas e privadas pretende seguir a orientação da Organização Mundial de Saúde (OMS), que recomenda a redução no consumo do açúcar tanto para adultos, quanto para crianças.

- Precisamos garantir que a alimentação fornecida para nossas crianças nas instituições de ensino públicas e privadas sejam de qualidade, respeitando uma dieta equilibrada. Já está comprovado que o consumo de açúcar nos primeiros anos de vida podem viciar as papilas gustativas do bebê. A nossa intenção é, no que cabe ao Estado, preservar a qualidade de vida das nossas crianças – destacou o deputado.

O projeto segue agora para discussão e aprimoramento nas comissões da Alerj antes de seguir para votação em plenário.


Ascom

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Projeto proíbe uso de vestimentas e equipamentos de profissionais da área de saúde fora do serviço



Profissionais da área da saúde no estado não poderão utilizar equipamentos e vestimentas que caracterizam suas atividades fora do local da atuação profissional. É o que determina o projeto de lei 630/15, do ex-deputado Átila Nunes, que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou em segunda discussão nesta quinta-feira (24/10). A medida será encaminhada ao governador Wilson Witzel, que terá até 15 dias úteis para sancioná-la ou vetá-la. O objetivo da proposta é evitar a contaminação dos objetos por micro-organismos, que pode gerar infecção nos pacientes.

O projeto diz respeito aos equipamentos de proteção individual, descartáveis ou não, como uniformes, jalecos, aventais, macacões, luvas, óculos, máscaras, calçados, toucas ou gorros, protetores auriculares, entre outros. A única exceção a norma são os profissionais de saúde que estiverem em serviço fora dos ambientes internos de trabalho. A Secretaria de Estado de Saúde (SES) poderá fazer campanhas de conscientização a respeito do risco de contaminação pelo uso inapropriado dos equipamentos.

Em caso de descumprimento, o infrator poderá arcar com penalidades que vão de advertência a multa de 200 UFIR-RJ, cerca de R$ 684,00. O Executivo deverá regulamentar a norma através de decreto. “O objetivo é proteger o paciente, bem como buscar a redução da contaminação do ambiente de trabalho do profissional de saúde por micro-organismos geradores de diversos tipos de infecções”, afirma Nunes.


COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Secretaria de Saúde promove segunda etapa de campanha de vacinação contra sarampo



A Secretaria de Estado de Saúde (SES) promove, em parceria com o Ministério da Saúde, a segunda etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo, a partir desta segunda-feira (18/11). O foco serão os jovens adultos entre 20 e 29 anos. A primeira fase da campanha aconteceu no mês passado e foi direcionada a crianças entre 6 meses de idade e 4 anos. O Estado do Rio de Janeiro registrou 117 casos de sarampo em 2019. 

Os objetivos da campanha são ampliar a cobertura vacinal e atualizar a caderneta de vacinação, garantindo que esse grupo esteja com a imunização em dia. No dia 30, último dia da fase da campanha, acontece o Dia D, quando a Subsecretaria de Vigilância em Saúde (SVS) da SES recomenda que as secretarias municipais disponibilizem a abertura de postos de vacinação para esse público-alvo.

O esquema vacinal contra o sarampo está previsto no Calendário Nacional de Imunização e é oferecido durante todo o ano na rede pública de saúde para as faixas etárias recomendadas.

- A vacinação é forma mais eficaz de prevenção contra o sarampo. É fundamental se vacinar para se proteger dessa doença que tem alto índice de contágio e evitarmos o avanço pelo estado - explica o secretário de Saúde, Edmar Santos.

Os casos neste ano foram notificados em Angra dos Reis (1), Belford Roxo (6), Cabo Frio (1), Casemiro de Abreu (1), Duque de Caxias (36), Itaguaí (1), Magé (1), Nilópolis (2), Niterói (2), Nova Iguaçu (9), Paraty (12), Resende (1), Rio das Ostras (2), Rio de Janeiro (31), São João de Meriti (10) e Saquarema (1).

A SVS esclarece que orientou os municípios acima sobre ações de bloqueio preconizadas pelo Ministério da Saúde e que, para o Rio de Janeiro e Duque de Caxias, cidades com maior número de casos, emitiu alertas de atenção para possíveis novas notificações e para investigações em tempo ágil. Além disso, equipes da SVS estão em interlocução com os coordenadores municipais de piores índices de cobertura vacinal, com previsão de visitas in loco da área técnica estadual.

Sintomas

Os principais sintomas do sarampo são mal-estar geral, febre, tosse, coriza e manchas brancas na mucosa oral. A doença também provoca conjuntivite e se caracteriza por apresentar manchas vermelhas que aparecem no rosto e se espalham por todo o corpo. O sarampo é uma doença que passa com facilidade de uma pessoa para outra por meio da fala, tosse e espirro.

Contraindicações

Pessoas com suspeita de sarampo, gestantes, crianças com menos de 6 meses e imunocomprometidos não devem receber a vacina. Pessoas com alergia à proteína lactoalbumina, presente no leite de vaca, devem informar ao profissional de saúde no posto de vacinação para que recebam a dose feita sem esse componente.


COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

terça-feira, 5 de novembro de 2019

Ministério da Saúde e Inca orientam homens sobre prevenção ao câncer de próstata

O Instituto Nacional do Câncer estima o surgimento de cerca de 68 mil novos casos no Brasil em 2019 



Durante o mês de novembro, a campanha Novembro Azul reforça a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata. A doença é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens brasileiros e o número de vítimas é maior a partir dos 50 anos de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca). 

O Inca estima o surgimento de cerca de 68 mil novos casos de câncer de próstata no Brasil em 2019. Fazer exames frequentes para diagnosticar precocemente casos da doença é o principal meio de combater a doença, como explicou o médico oncologista Nilson de Castro Correia, do Hospital da Universidade de Brasília (HUB).

“É um tumor altamente curável quando diagnosticado na fase inicial. É importante procurar um médico e fazer o exame mesmo que não esteja sentindo nada. É que o tumor na fase inicial é assintomático, é muito pequeno, tem um crescimento muito lento. Então, se você dá o diagnóstico na fase bem inicial facilita muito o tratamento e aumenta muito a chance de cura”, disse o oncologista. 

O Novembro Azul é um movimento mundial que teve origem em 2003 na Austrália. No Brasil, o Ministério da Saúde e o Inca divulgam informações sobre a prevenção e tratamento da doença ao longo do mês. O Inca lançou a cartilha “Câncer de próstata: vamos falar sobre isso?” com orientações e dados sobre a doença. O ministério tem uma página com informações sobre este tipo de câncer. Confira no link .

Fatores de risco

Um dos fatores de risco apontados pelo Inca é o avanço da idade. No Brasil, nove a cada dez homens diagnosticados têm mais de 55 anos. Outro é o histórico familiar. Homens cujo o pai, avô ou irmão tiveram câncer de próstata antes dos 60 anos, fazem parte do grupo de risco. O sobrepeso e a obesidade também podem contribuir para desenvolver a doença. 

Sintomas 

Entre os sintomas mais comuns que devem acender o sinal de alerta estão a dificuldade e a demora em começar e terminar de urinar, a presença de sangue na urina, diminuição do jato e a necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite.

Prevenção, diagnóstico e tratamento 

Ter uma alimentação saudável, praticar atividade física, não fumar nem consumir bebida alcoólicas são algumas das recomendações do Inca para a prevenção. Os dois exames iniciais feitos para investigar sinais da doença são o de sangue chamado de PSA e o toque retal.

Já o tratamento do câncer de próstata pode ser feito por meio de diferentes terapias,. “O tratamento na fase inicial tem várias possibilidades terapêuticas, a mais comum é a cirurgia, existe outra possibilidade que é a radioterapia de próstata”, explicou o dr. Nilson Correa.

Todas as modalidades de tratamento são oferecidas, de forma integral e gratuita, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). 

A.Brasil

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

terça-feira, 8 de outubro de 2019

Governo do Estado reforça investimentos em exames de diagnóstico e tratamento do câncer de mama



A Secretaria de Estado de Saúde investiu, desde janeiro deste ano, mais de R$35,3 milhões em exames de diagnóstico de diversas doenças e tem disponibilizado cerca de R$6 milhões para tratamento oncológico. Em comum entre os dois cofinanciamentos está o câncer de mama. O aporte financeiro aos municípios de todo o estado contribuiu para a redução do tempo de início de tratamento da doença, que tem durante este mês, com o Outubro Rosa, seu maior momento de conscientização.

No ano passado, 56% dos casos diagnosticados de câncer de mama levavam mais de 60 dias para iniciar o tratamento no estado. Em 2019, em apenas nove meses de novas políticas públicas, esse percentual caiu para 18%, segundo dados do Painel-Oncologia do Ministério da Saúde/Inca. Atualmente, a Lei dos 60 Dias estabelece que o tratamento seja iniciado em até dois meses da confirmação do câncer.

Para o secretário de Estado de Saúde, Edmar Santos, a prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama não se limita só a um mês e, desde janeiro, o tema foi definido como prioridade, com o reforço dos cofinanciamentos e intensificação das ações.

- A detecção precoce da doença aumenta em até 90% as chances de cura, por isso são tão importantes os investimentos que temos feito para auxiliar as prefeituras em exames de rastreio. Caso o diagnóstico seja confirmado, nossa meta é que todas as pacientes comecem o tratamento em até dois meses no Rio de Janeiro. Temos um compromisso importante - aponta.

O câncer de mama tem sido combatido em duas frentes no estado. No eixo do diagnóstico precoce, mamografia e biópsia de mama guiada por ultrassom são dois dos exames previstos pelos cofinanciamentos. Já para o tratamento da doença, radioterapia, quimioterapia e cirurgia oncológica estão inseridas no termo de cofinanciamento com municípios que possuem Unidades ou Centros de Assistência Especializada em Oncologia (UNACON ou CACON).

Mais unidades para diagnóstico e tratamento

O novo formato das UPAs, que substitui as estruturas de contêiner por alvenaria a partir do ano que vem, também vai abranger o diagnóstico precoce de cânceres – entre eles, o de mama. No térreo da UPA remodelada funcionará a assistência médica como já funciona hoje; e num segundo andar, consultórios ambulatoriais especializados ou Centros de Diagnóstico Precoce do Câncer, com mamografia, ultrassom, endoscopia e colonoscopia. Para esses atendimentos, os pacientes serão inscritos no Sistema Estadual de Regulação.

Outro projeto de referência oncológica no estado que está saindo do papel é o Hospital do Câncer de Nova Friburgo.

- Em trabalho conjunto com a Empresa de Obras Públicas (EMOP), estamos estudando alternativas para reiniciar as obras abandonadas nos últimos anos e atender a demanda por oncologia da população da Região Serrana, proporcionando o tratamento perto de casa - diz.




COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

sábado, 5 de outubro de 2019

É hora de vacinar as crianças contra o sarampo



Campanha começa nesta segunda (7). Público-alvo são crianças de seis meses a menores de cinco anos 



Começa na segunda-feira (07) a Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo. A primeira fase, de 07 a 25 de outubro, será voltada para crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade, com dia D em 19 de outubro. Já a segunda etapa está prevista para iniciar no dia 18 e novembro e será direcionada para adultos de 20 a 29 anos que não estão com a caderneta de vacinação em dia. A meta é vacinar 2,6 milhões crianças na faixa prioritária e 13,6 milhões adultos. 

Ana Laura completou um ano há uma semana e acabou de tomar a primeira dose contra o sarampo. “Não deixamos passar. Desde que ela nasceu, tomou todas as vacinas nas datas corretas e o sarampo foi uma das coisas que mais preocupou nos últimos meses”, disse o pai, Flavio Vargas Bernardo. 

O professor de Brasília, Ismael Teixeira, também já vacinou o filho de um ano. “É importante conscientizar os pais a participarem trazendo os seus bebês para manter a saúde da criança em ordem”, afirmou. 

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, chamou a atenção para a necessidade da segunda dose. De acordo com o ministro, a cobertura da primeira dose é de 92%. Já a da segunda dose cai para 80%. 

“Na segunda dose, pais estão deixando a desejar. A vacina é um direito da criança e um ato de amor”, disse o ministro. Segundo o ministério da Saúde, 39 milhões de brasileiros de um a 49 anos não são vacinados ou tomaram apenas a primeira dose, não estando imunizados. 

Este ano, a luta contra o sarampo conta com três novidades: a dose zero, recursos extras para municípios que mais vacinarem, e o dobro de doses em relação ao ano passado. Além disso, o governo anunciou a criação de dez passos para aumentar a cobertura vacinal no país. A partir do ano que vem, os idosos de 50 a 59 anos também deverão se vacinar. 

Sobre as fake news e pessoas que não dão valor à importância da vacinação, o ministro lembrou que esta é uma geração que não viveu a dor de várias doenças. “Diferente das avós e bisavós, hoje, quando se fala de difteria ou sarampo para alguém de vinte anos, nem sabe o que é. Tem gente que não sabe o que é rubéola ou caxumba, então não dá o devido valor”. 

Dose Zero 

A maior incidência de casos de sarampo vem ocorrendo em crianças menores de um ano. Por isso, o governo intensificou a imunização com a chamada dose zero. Ela é uma dose extra que não retira a importância de, após completar um ano, a criança tomar as duas doses normais: a dose 1 e a dose 2. 

Recursos extras para municípios que mais vacinarem 

Outra novidade da Campanha deste ano é um recurso extra no total de R$ 206 milhões para os municípios que vacinarem mais de 95% das crianças de um a cinco anos de idade com a primeira dose da vacina tríplice viral. Para receber esse recurso adicional, os municípios precisam também informar mensalmente o estoque das vacinas de poliomielite, tríplice viral e pentavalente. 

Dobro de doses 

Para ampliar a vacinação em todo país, o Ministério da Saúde fez a maior compra de vacinas contra o sarampo dos últimos dez anos. Ao todo, foram adquiridas 60,2 milhões de doses da tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Em 2018, foram 30,6 milhões de doses. 


COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Governo anuncia investimento de R$25 milhões por ano para o Programa Estadual de Transplantes



O Governo do Estado, por meio da Secretaria Estadual de Saúde (SES) divulgou, nesta segunda-feira (30/09), o investimento de R$25 milhões por ano para o Programa Estadual de Transplantes (PET). O anúncio foi feito no Palácio Guanabara, no evento em homenagem ao Dia Nacional do Doador de Órgãos e Tecidos, comemorado na última sexta-feira (27). Além dos novos repasses, foi apresentado também o balanço do programa, que, de janeiro a agosto deste ano, já realizou 1.594 transplantes de órgãos e tecidos, um aumento de 250% desde sua criação. Somente pelo ar, 116 órgãos para transplantes foram levados aos receptores por helicóptero em 2019, um aumento de 1350% em relação a 2016, ano que marcou o início do serviço, quando foram transportados oito órgãos.


Segundo o secretário de Estado de Saúde, Edmar Santos, a meta é fazer com o Rio de Janeiro, que já esteve na pior posição de transplantes num ranking nacional, seja o quarto colocado em 2020 e zere a fila de transplante de córneas até 2022.



- O PET é uma prioridade da Secretaria de Saúde e da gestão do governador. Por isso, com o reforço anual dos investimentos, poderemos contratar 100 novos profissionais e expandir a rede de transplantes para todo o estado. As equipes das nossas centrais vão atuar nos hospitais de diversos municípios. Temos registrado recordes de cirurgias, mas queremos nos destacar ainda mais, fazendo com que o estado seja um dos primeiros no país. Em 2019, dobramos a taxa de autorização da família, saltando de 38% em maio para 75% a partir de julho, superando a média nacional, que é de 40% - declara.



O investimento de R$25 milhões anuais no PET será direcionado para diferentes frentes de atuação.  A ampliação do número de Organizações de Procura de Órgãos (OPO) no estado é um deles, passando de quatro para nove, em cidades estratégicas, como Itaperuna, Campos, Araruama, Niterói, Rio de Janeiro, Barra Mansa, Nova Iguaçu e Petrópolis. As OPOs são responsáveis pelo apoio operacional ao processo de doação de órgãos, dedicando profissionais em tempo integral, aparato logístico com transportes e meios de comunicação eficientes para tornar mais ágil a captação do órgão até a cirurgia de transplante. 



A verba também será destinada para a ampliação e profissionalização das Comissões Intrahospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT), com redimensionamento de equipes, metas e auditorias sobre resultados. Além disso, será criado um modelo de educação permanente e pesquisa para todos os envolvidos no PET e a realização de palestras sobre doação de órgãos serão apresentadas em empresas públicas, privadas e cursos de graduação da área da Saúde, fortalecendo a marca e conscientização da mensagem da importância da doação.



COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Campanha de Vacinação contra sarampo ocorrerá em duas etapas



Focos serão crianças de até 5 anos e jovens de até 29 anos de idade



O ministério da Saúde anunciou, nesta quarta-feira (25), a próxima Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo. A primeira fase, de 07 a 25/10, será voltada para a vacinação de bebês de seis meses a crianças de cinco anos. O Dia D de mobilização nacional será realizado no sábado, 19 de outbro, em todo o país.

Já a segunda fase vai focar nos jovens de 20 a 29 anos e será realizada de 18 a 30/11. O Dia D está marcado para 30 de novembro e será optativa a participação dos municípios.

O ministério trabalha para controlar o surto no país e também para eliminar, mais uma vez, o sarampo do Brasil.

Uma cidade é considerada livre do surto após 90 dias sem circulação de novos casos. E livre da doença após um ano sem novas manifestações. Os estados de Sergipe e Bahia estão próximos de sair da lista de estado em surto por já estarem próximos de completar três meses sem circulação. 


Balanço

De acordo com o último boletim, divulgado nesta quarta-feira (25) pelo Ministério da Saúde, que abrange o período de 30/06 a 21/09, o Brasil possui 4.507 casos de sarampo confirmados em 19 estados nos últimos 90 dias, o que representa um aumento de 13% em relação ao levantamento anterior. A incidência é maior em crianças menores de um ano, por isso o governo intensificou a imunização com a dose zero. Ceará e Paraíba passaram a integrar a lista de estados com transmissão ativa, mas 97,5% estão concentrados em São Paulo. “Com exceção de um caso na Bahia, todos os casos estão relacionados com o surto em São Paulo”, explicou o secretário Wanderson Kleber. “Não estamos falando de queda, mas de estabilização. Não está tendo progressão da doença. Então, a estratégia está correta”, afirmou o secretário.

Ações

Para ampliar a vacinação em todo país, o Ministério da Saúde adquiriu 114% a mais de doses da vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola, para 2019 e 2020 em relação a 2018, passando de 30,6 milhões para 60,2 milhões e 65,4 milhões de doses, respectivamente. É a maior distribuição de tríplice viral feita pelo Brasil nos últimos dez anos.

De acordo com o ministro da Saúde interino, João Gabbardo, além da vacinação, várias ações foram realizadas para enfrentar o aumento no número de casos do sarampo. Além da prevenção, o governo está investindo em três frentes: investigação, laboratórios e comunicação.

O ministro interino ressaltou o monitoramento da água que é fornecida em todo país; a criação do Departamento de Vigilância em Emergência de Saúde Pública do Ministério da Saúde; as ações do Ministério na região de Brumadinho (MG) após o desastre da barragem em janeiro; o acompanhamento dos estados para ampliar a capacidade de detecção; e a Rede Nacional de Vigilância Epidemiológica Hospitalar para o monitoramento de casos registrados.

Também foram feitas vacinações em locais estratégicos, como escolas, universidades e áreas com grande concentração de pessoas, a exemplo de portos e aeroportos. O governo também ampliou o monitoramento

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Ministério da Saúde antecipa campanha de combate ao Aedes aegypti


Objetivo é mobilizar mais a população no período da seca

Se todos dedicarem apenas 10 minutos por dia para verificar se existe algum tipo de depósito de água no quintal ou dentro de casa será possível reduzir os casos de dengue, chikungunya e zika no Brasil, diz o Ministério da Saúde, que lançou nesta quinta-feira (12) a campanha de combate ao Aedes aegypti, mosquito responsável pela transmissão dessas doenças. O objetivo é conscientizar a população e convocar: “E você? Já combateu o mosquito hoje? Proteja sua família.”

Segundo o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o papel da sociedade é fundamental no combate ao mosquito. “Ele [mosquito] fica sempre atrás do ser humano, que é fonte única de alimentação dele”, diz. O mosquito consegue se distanciar apenas 50 metros do local onde nasce, por isso, os ovos são colocados perto de casas e de outros locais onde haja presença de seres humanos.


COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Fogo em hospital particular no Rio deixa ao menos dez mortos e vários feridos




Um incêndio atingiu um hospital particular no bairro do Maracanã, na zona norte do Rio de Janeiro, matando ao menos 10 pessoas e deixando pelo menos quatro bombeiros feridos, informou o Corpo de Bombeiros nesta sexta-feira.

O combate às chamas no Hospital Badim, da Rede D`Or São Luiz, começou na noite de quinta-feira e invadiu a madrugada, de acordo com nota dos bombeiros.

Cerca de 90 pacientes que estavam na unidade no momento do início das chamas precisaram ser transferidos para outras unidades, e o transporte contou com ambulâncias de diversos hospitais, além das viaturas dos bombeiros.

O incêndio teria sido causado por um curto-circuito no prédio antigo do hospital, que passou recentemente por uma obra para reformas e expansão, de acordo com suspeita dos bombeiros. A corporação, no entanto, destacou que a apuração de causas não faz parte do escopo de atuação do Corpo de Bombeiros.

Segundo testemunhas, o fogo se alastrou rapidamente, causando pânico e correria dentro da unidade. Médicos, enfermeiros e funcionários do hospital, além de parentes dos pacientes, se mobilizaram para socorrer pessoas internadas.

As vítimas fatais teriam inalado muita fumaça e tiveram intoxicação.

No momento do incêndio, havia 103 pessoas internadas no hospital, que lamentou o ocorrido. “O Hospital Badim mais uma vez externa sua imensa tristeza diante do ocorrido”, disse o hospital em nota.

A cidade do Rio de Janeiro decretou luto devido ao incêndio.

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Mais de 860 ambulâncias novas vão reforçar Samu


Ministério da Saúde investiu R$ 200 milhões nos veículos

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência e Emergência (Samu 192) recebeu do Ministério da Saúde 866 novas unidades para o atendimento à população em todo o país. Os veículos vão para 672 municípios em 24 estados.
Até o final do ano, está prevista a liberação de mais 199 unidades. O investimento total será de R$ 199,7 milhões.
De acordo com o ministério, com as aquisições deste ano, a frota do Samu 192 será renovada 100% em até cinco anos. O Samu 192 está presente, atualmente, em 3.618 municípios, com 3.274 ambulâncias, sendo 252 motolâncias, 12 embarcações (ambulancha), 14 aeromédicos e 191 centrais de regulação.
Ao todo, 174 milhões de pessoas (83,69% da população) dos 210 milhões de brasileiros contam com a cobertura do serviço. O serviço é prestado 24 horas por dia para socorrer rapidamente pacientes com necessidade de ser levados a unidades que prestam serviços de urgência ou emergência, como hospitais e unidades de pronto atendimento (UPAs), para atendimentos clínicos, cirúrgicos e obstétricos, entre outros, evitando sofrimento, sequelas ou mesmo a morte.


COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

Filho de Cafu morre jogando futebol em Barueri


Danilo tinha 29 anos e teve um infarto



Danilo, filho mais velho do ex-jogador Cafu, faleceu nesta quarta-feira (4) aos 29 anos após ter um infarto.

Ele passou mal enquanto jogava futebol na festa de aniversário da sua irmã na mansão de Cafu localizada no condomínio Alphaville, em Barueri (SP). Danilo foi atendido por um médico no local e no caminho do hospital teve uma parada cardíaca.

A informação foi confirmada pelo ex-atacante Paulo Sérgio, com quem Cafu jogou na seleção brasileira e na Roma, da Itália.



RedeTV

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

Juiz de Fora chega a dois casos confirmados de sarampo e dois em investigação


Novas informações foram divulgadas pela Secretaria Municipal de Saúde na noite desta quarta-feira (4)


A Secretaria Municipal de Saúde divulgou na noite desta quarta-feira (4) a confirmação de mais um caso de sarampo e outro em investigação em Juiz de Fora. Os casos foram notificados no Departamento de Vigilância Epidemiológica e Ambiental (DVEA).

De acordo a pasta, o caso confirmado é referente a uma criança, de 1 ano de idade, moradora do Bairro Aeroporto. A vítima foi atendida na rede particular e, após suspeita, os médicos realizaram a coleta do material biológico. O resultado do exame acusou positivo.

Conforme a Secretaria Municipal de Saúde, ela esteve em outra cidade e também em contato com parentes que residem em São Paulo, onde há surto da doença. Esse caso é considerado, de acordo com os padrões de avaliação do Ministério da Saúde, como importado.

O segundo caso, considerado como suspeito da doença, é de uma mulher, de 41 anos, moradora do Bairro Novo Horizonte. 

Uma amostra de sangue foi colhida e enviada para a Fundação Ezequiel Dias (Funed), em Belo Horizonte, para descartar ou comprovar o caso por meio de exames mais complexos, como o de sorologia.

Com os novos dados, Juiz de Fora passa a contar com dois casos de sarampo confirmados e outros dois em investigação.


G1

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

sexta-feira, 30 de agosto de 2019

Municípios vão receber recursos para equiparem salas de vacinação


Ministério da Saúde vai liberar R$ 44,2 milhões nos próximos meses

Os municípios, com até 100 mil habitantes, vão receber nos próximos meses R$ 44,2 milhões do Ministério da Saúde para que possam adquirir câmaras frias a fim de ampliar a estrutura de armazenamento de vacinas e imunobiológico. A liberação dos recursos foi acertada durante reunião da Comissão Intergestores Tripartite, realizada esta semana em Brasília.
A medida tem por objetivo garantir a qualidade dos imunobiológicos ofertados à população e a execução da Política Nacional de Imunizações dentro do padrão de qualidade e segurança do Sistema Único de Saúde (SUS).
“Entre as vantagens da câmara fria estão o controle real da temperatura e sua distribuição homogênea, o processamento dos dados que permite acompanhar qualquer alteração no equipamento e ainda a disponibilização de bateria, caso ocorra queda de energia. Com isso, é possível garantir a qualidade e a eficácia da vacina aplicada na população, além de evitar a perda desses insumos por conta das variações de temperatura”, disse o diretor do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis, Julio Croda.
De acordo com o ministério, além do critério do número de habitantes, o município precisa ter implantado o sistema de informação nominal do Programa Nacional de Imunizações e não dispor de uma câmara refrigerada.
O dinheiro será liberado na modalidade fundo a fundo, em parcela única, pelo Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde dos Estados, do Distrito Federal e/ou Municipais, por meio do Bloco de Investimento na Rede de Serviços Públicos de Saúde, no Grupo de Vigilância em Saúde. Todos os procedimentos e critérios para o repasse dos recursos financeiros serão divulgados em portaria que o ministério publicará em breve.


COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Brasil registra 2,3 mil casos confirmados de sarampo


Ministério da Saúde vai enviar 1,6 milhão de doses extras aos estados

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde divulgado hoje (28) contabiliza 2.331 casos confirmados de sarampo no país nos últimos três meses. O número representa um aumento de 38,75% em relação ao último boletim. Ainda conforme o balanço desta quarta-feira, foram descartados 1.294 casos suspeitos enquanto 10.855 seguem em investigação por equipes de secretarias de saúde.

Esta semana, a primeira morte provocada pela doença foi confirmada em São Paulo. Diante da evolução do surto no país, a pasta anunciou em entrevista coletiva em Brasília a aquisição de mais 18,7 milhões de doses de vacina contra o sarampo, reiterou a intensificação da imunização com foco em crianças e adultos jovens e informou ações adotadas diante da disseminação do vírus.

São Paulo é o epicentro do surto, onde foram confirmados uma morte e 2.299 casos – 98% do total. Em seguida vêm Rio de Janeiro (12), Pernambuco (5), Santa Catarina (4) e Distrito Federal (3), além de oito estados com um caso cada: Bahia, Paraná, Maranhão, Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Sergipe, Goiás e Piauí. Os registros se distribuem em 87 municípios dessas unidades federativas.

Estabilização

Apesar da evolução do número, o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira, avaliou que o quadro da doença no Brasil tende a uma estabilização. Ele ressaltou que o número ainda é menor do que no ano passado e comentou que as ações de imunização devem surtir efeito na mitigação da disseminação do vírus.
“Secretarias de saúde fizeram muitos bloqueios vacinais, que foram fundamentais para poder dar tranquilidade. Baseado numa projeção dos casos, temos uma pequena tendência de redução. A Secretaria de Saúde de São Paulo também relatou essa tendência para nós”, declarou Oliveira. O gestor chamou a atenção para o fato de que o número de municípios paulistas com casos confirmados reduziu do boletim anterior para este.

Imunização

O secretário afirmou que a estratégia da pasta não envolve campanhas de vacinação, mas intensificação das ações de imunização. Isso porque, segundo ele, não haveria “economicidade” de campanhas em razão do estoque de doses do país. Anualmente, para vacinação de rotina, são disponibilizadas 30 milhões de doses. Além disso, em razão do surto atual de sarampo, já haviam sido adquiridas 10 milhões de doses adicionais.
Hoje, o Ministério da Saúde anunciou mais 18,7 milhões de doses, totalizando 28,7 milhões complementares ao estoque de rotina. O volume será empregado este ano e também em 2020. Para conter o surto atual, o foco das ações de imunização serão adultos jovens e crianças de até 1 ano, públicos considerados mais vulneráveis e com maior incidência do vírus.
Dos cerca de 2,9 milhões de bebês nessa última faixa etária, a intenção é imunizar 1,4 milhão der crianças com idade entre 6 meses e 11 meses e 29 dias. Na semana passada, a pasta anunciou a destinação de 1,6 milhão de vacinas para uma dose adicional chamada “dose zero” voltada para esse público-alvo. O material começou a ser distribuído aos estados esta semana. De acordo com o ministério, São Paulo deve receber 990 mil doses.
Oliveira lembrou que, além da dose zero, crianças devem tomar a vacina contra o sarampo aos 12 meses e aos 15 meses. No caso de adultos jovens, com idade entre 20 e 29 anos, é importante que as pessoas confiram se estão imunizadas adequadamente e procurem regularizar a situação. A orientação vale especialmente para a Região Metropolitana de São Paulo.
De acordo com o ministério, pela rotina de imunização estabelecida, pessoas com até 29 anos devem já ter recebido duas doses contra a doença. Já quem tem entre 30 e 49 anos deve ter tomado pelo menos uma dose. O secretário ponderou, contudo, que não há necessidade de corrida aos postos de saúde e que a regularização pode ser feita tranquilamente.


COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Estado repassa recursos para a saúde após 5 anos



Mais de R$ 12 milhões foram destinados a região Noroeste


Após cinco anos, o Governo do Estado retomou o repasse de recursos financeiros aos municípios do Rio de Janeiro para a área de saúde. Só nos primeiros sete meses de 2019, cerca de R$ 230 milhões já foram destinados às 92 cidades fluminenses por intermédio do programa de cofinanciamentos da Secretaria de Estado de Saúde (SES). A pasta desenvolveu a estratégia da regionalização, a partir do foco no atendimento de saúde que seja próximo do cidadão. A meta da secretaria é finalizar o ano de 2019 com o valor total investido na saúde de R$ 500 milhões. 

- O Estado está novamente assumindo seu papel de levar a saúde para próximo do cidadão, influenciando, através de políticas tecnicamente corretas, que os municípios melhorem os atendimentos de saúde. A ação da SES entende a saúde do ponto de vista da regionalização. Ou seja, o cidadão deve migrar o mínimo possível da sua residência até o local de atendimento para que tenha seus problemas solucionados com qualidade e conforto. Por isso, é fundamental a organização do sistema de saúde, que se dá a partir da atenção primária – explicou o secretário de Estado de Saúde, Edmar Santos. 

Os investimentos são destinados para seis áreas de atuação – Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), Unidade de Pronto Atendimento (UPA), Hospitais, Atenção Primária de Saúde, Medicamentos e Exames e Cirurgias de Catarata. 

Atenção Básica de Saúde foi incluída 

Com o objetivo de estruturar as redes de emergência e urgência com a qualificação dos serviços ofertados, o programa de cofinanciamento da rede SAMU e das UPAs tem investimento total de R$ 73,5 milhões. Com a verba repassada, os municípios podem custear o pagamento dos profissionais e a compra de combustível, além de realizar manutenção nas viaturas. 

Visto como fundamental para a composição completa do atendimento de saúde, o Programa Estadual de Financiamento da Atenção Primária à Saúde (PREFAPS) dá apoio à Estratégia Saúde da Família (ESF) dos municípios, a partir da manutenção e expansão das equipes de saúde da família (eSF) e de saúde bucal (eSB). O valor do investimento é de R$ 33,4 milhões. 

- Quando se investe na atenção primária, também estamos falando em uma melhor oferta de saúde com menos gastos. Tratar de uma pressão arterial ou um diabetes é melhor do que depois tratar um infarto ou uma internação por Acidente Vascular Cerebral. E, às vezes, não dá chance para que a pessoa possa voltar a ter uma vida normal – salientou o secretário. 

O quarto cofinanciamento do Estado é destinado para a assistência farmacêutica básica, no valor de R$ 25,3 milhões. A medida garante que as cidades possam ter os medicamentos mais comuns para o primeiro atendimento aos pacientes. Isso incluiu remédios como analgésicos, antitérmicos, antibióticos e anti-inflamatórios. 

Aplicação dos recursos em hospitais municipais e exames 

O programa de cofinanciamento também prevê que a aplicação dos recursos seja para os hospitais municipais de cidades do interior com até 195 mil habitantes. Além disso, exames e cirurgias de catarata também receberam investimentos da administração estadual, na ordem de R$ 21,8 milhões. 

- Muitas unidades, entre públicas e filantrópicas do interior fluminense, estavam com risco de pararem de funcionar, o que poderia gerar uma grave desassistência dessa população destas regiões. O Programa de Apoio aos Hospitais do Interior contempla 79 hospitais municipais em 64 cidades do estado. Vários deles já estão atuando melhor, outros passando por reformas com o custeio a partir deste recurso financeiro. Um exemplo disto é Resende, no Médio Paraíba, que inaugurou um novo CTI – lembrou Edmar, citando o investimento de R$ 42,5 milhões somente para estas unidades municipais. 

Importante para que os profissionais de saúde possam finalizar os diagnósticos de seus pacientes, os exames eram gargalos que precisavam de solução. O sexto cofinanciamento auxiliou que municípios pudessem diminuir as filas de espera por diversos procedimentos - biópsia de mama, ultrassonografia de próstata, ultrassonografia de tireoide, ultrassonografia de globo ocular, ultrassonografia de abdômen total, ressonância nuclear magnética, tomografia computadorizada, mamografia, cintilografia, além de cirurgias de catarata. 

- Só em exames, já foram realizados 77.325 exames a mais que 2018. Temos uma projeção de ampliação até final de agosto de 103.101 exames a mais que o mesmo período de 2018 em oito meses de gestão – detalhou o secretário ressaltando de que forma a SES faz a fiscalização para saber se recursos estão sendo bem empregados: 

- Para que as cidades recebam o recurso do cofinanciamento, existem metas estabelecidas que os municípios devem atingir. Por exemplo, na Atenção Básica, se ele atingir 70% de cobertura, ele tem direito a uma bonificação. Se ele atingir indicadores de qualidade que a SES criou, ele tem direito a outra bonificação. Inclusive, o cofinanciamento serve de estímulo para as áreas, além de ser uma política que tem desenvolvido uma capilaridade grande juntos aos municípios do estado – finalizou Edmar. 




COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

terça-feira, 27 de agosto de 2019

Doadores de sangue podem ter isenção e não pagar taxas em concursos públicos



Um projeto de lei que tramita na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) pretende isentar doadores regulares de sangue do pagamento de taxas de inscrições para concursos públicos do Estado.
PL 874/15, de autoria do deputado Sargento Rodrigues (PTB), amplia a norma que isenta desempregados das taxas de inscrições para concursos públicos, e passa a atender também pessoas que doam sangue frequentemente.

Caso o projeto seja aprovado, pessoas que realizarem doações de sangue em órgãos oficiais ou entidades credenciadas no mínimo duas vezes ao ano, por, pelo menos, dois anos, estarão isentas nas inscrições para concursos públicos.
A proposição recebeu parecer favorável na última quarta-feira (21), na Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária (FFO) da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Agora, ela segue para o 1º turno de votação em Plenário.
O deputado Sargento Rodrigues (PTB) esclarece que a proposição não criará nenhuma despesa extra para o governo. “O gasto que (o governo) teria com outros medicamentos sem essas doações seria muito maior do que uma taxa de concurso público. Então é um benefício enorme”, explica.
Hemominas
A Fundação Hemominas fez uma chamada para doadores voluntários devido a queda nos estoques do grupo sanguíneo O negativo e do grupo sanguíneo O positivo.
Podem doar sangue pessoas com idade entre 16 e 69 anos, em bom estado de saúde. Quem ainda não se imunizou contra o sarampo deve doar antes da vacinação, já que a vacina impede a doação por 4 semanas.
Vale lembrar: é imprescindível a apresentação da carteira de identidade ou outro documento com foto no momento da doação. O agendamento pode ser feito no site da Hemominas; pelo número 155 (opção 1), ou, ainda, pelo aplicativo MGapp.


COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

domingo, 11 de agosto de 2019

Governo reduz tarifas de importação de remédios para HIV e câncer


Alíquotas de 17 produtos de lista de exceções do bloco caíram


A Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia reduziu as tarifas de importação de 17 produtos como medicamentos para tratamento de câncer e HIV/Aids, materiais de consumo, fraldas e absorventes, que estavam na Lista de Exceções à Tarifa Externa Comum (Letec) do Mercosul. As alíquotas caíram de até 18% para zero ou 2%. A medida começou a valer na última quarta-feira (7).
Segundo o Ministério da Economia, o objetivo é reduzir o custo de produção das empresas instaladas no Brasil e o preço dos produtos para os consumidores. A redução de gastos é estimada em R$ 150 milhões por ano para empresas privadas e para o governo federal.
A Letec permite que os países do bloco apliquem alíquotas de imposto de importação diferentes das previstas pela Tarifa Externa Comum (TEC). O Brasil está autorizado a manter, até 31 de dezembro de 2021, uma lista de 100 produtos como exceções.

Publicidade

A.Brasil

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

sexta-feira, 9 de agosto de 2019

Corpos de vítimas de queda de viaduto são retirados de ferragens



Quase 12 horas após a queda de parte da estrutura de um viaduto sobre um caminhão, no bairro de Coelho Neto, na zona norte do Rio de Janeiro, os corpos das duas vítimas foram retirados das ferragens pelos bombeiros, pouco depois das 6h30 de hoje (9). Os mortos foram identificados como Adeir dos Anjos Peixoto, de 62 anos, que dirigia o veículo, e Deivid Sangi da Costa, de 29 anos, auxiliar do motorista.

O acidente ocorreu por volta das 19h de ontem (8). De acordo com a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação, o caminhão trafegava pela rua Rua Cajurana e transportava um contêiner. Ao passar por baixo do viaduto da Avenida Brasil, que está em obras para alargamento, o compartimento de carga bateu em uma viga de 55 toneladas, que caiu sobre a cabine do veículo, deixando-a totalmente esmagada.

Publicidade


A secretaria informou ainda que o caminhão que carregava contêineres tinha altura acima da permitida e que a via estava sinalizada. Populares dizem que as placas alertavam apenas sobra a realização de obras e não especificavam a limitação de altura no trecho.
O resgate dos corpos foi demorado devido à complexidade do trabalho. Primeiro, operários tiveram que cortar as estruturas de concreto e ferro para separar as partes da viga que caiu. Essa etapa durou quase até o início da manhã. Em seguida, os bombeiros iniciaram o resgaste dos corpos, que estavam presos nas ferragens.
Paralelamente, dois guindastes de grande porte içaram os pedaços da viga, que foram removidos por carretas. Durante toda a operação, o trecho da pista sentido centro da Avenida Brasil, entre Guadalupe e Coelho Neto, ficou interditado e só foi liberado após o fim dos trabalhos, por volta das 9h30 de hoje.

A.Brasil

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Compartilhe

CURTA A NOSSA PÁGINA