sexta-feira, 17 de maio de 2013

ICMS do leite beneficia produtores da Cooperativa de Macuco

Recursos foram aplicados na qualidade dos rebanhos e infraestrutura de produção

Os incentivos do governo estadual para aumentar a produção leiteira fluminense continuam se revertendo em ações, beneficiando diretamente produtores e suas cooperativas e associações. No último sábado (11), a Cooperativa Agropecuária de Macuco, na Região Serrana, promoveu, com parte dos quase R$ 10 milhões de créditos de ICMS, monetizados no mercado e liberados em 18 parcelas, feira de animais de qualidade para seus associados.

As 250 matrizes da raça Girolando, oriundas de fornecedores do programa Rio Genética, da secretaria estadual de Agricultura, foram repassadas aos cooperados interessados na melhoria de seus rebanhos. Os animais, financiados em 36 meses, sem juros, serão pagos com o fornecimento de leite pelo produtor.

Presentes na abertura do evento, o vice-governador e coordenador de Infraestrutura, Luiz Fernando Pezão, ao lado do secretário de Agricultura, Christino Áureo, lembrou a luta para a aprovação do repasse dos créditos no total de R$ 60 milhões para a modernização do setor, de acordo com a Lei Estadual 5.703, de 26 de abril de 2010. Até o momento 43 cooperativas/laticínios já foram contemplados com o benefício.

- Valeu a pena! Sei o que representa a atividade leiteira para os pequenos municípios do nosso estado. É uma grande satisfação ver os investimentos e os resultados crescentes alcançados pela Cooperativa de Macuco - enfatizou.

Para o secretário Christino Áureo, a Cooperativa exemplifica a proposta de investimentos pensada na aprovação dos créditos do ICMS. Além do repasse de animais de qualidade aos associados, a instituição aplicou em aquisição de caminhões, tanques de resfriamento e melhoria de infraestrutura de produção.

- Temos que perseguir agora a redução dos custos para o produtor. A melhor remuneração alcançada pelo leite não pode ser absorvida pelo aumento no preço dos insumos, defensivos e ração - ressaltou.

Em nome dos 1,5 mil produtores associados, o presidente da Cooperativa, Silvio Marini, agradeceu ao governo do estado a alteração da legislação para a cadeia leiteira no Rio de Janeiro.

- Nosso produto sofria com a concorrência desleal de outras unidades da federação. Estamos crescendo cerca de 10% ao ano, presentes em 24 municípios, com a captação de 140 mil litros de leite/dia. Em 2012 nosso faturamento chegou a quase R$ 90 milhões - enfatizou.

O empenho do governador Sérgio Cabral e do vice Pezão para fortalecer o segmento e melhorar as condições de escoamento da produção rural foram destacados pelo secretário Christino Áureo como alavancas para a retomada da trajetória da pecuária leiteira fluminense.

Para o prefeito de Macuco, Félix Lengruber, o apoio da secretaria estadual de Agricultura, através do programa Estradas da Produção, será fundamental para a recuperação das vicinais.

- A chegada da patrulha mecanizada, que vai atender de 7 a 8 municípios, beneficiará todos os produtores da Região. O governador Sérgio Cabral recuperou a auto-estima do fluminense, especialmente o valor do homem do campo.

Na ocasião estiveram presentes os prefeitos de São Sebastião do Alto, Carmod Bastos; Cantagalo, Saulo Gouvea; Cordeiro, Salomão Lemos; Bom Jardim, Paulo Barros; Trajano de Morais, Carlos Gomes; Santa Maria Madalena, Fernando Duarte; Carmo, Odir Ribeiro; Itaocara, Jucimar, além de representantes de cooperativas e associações e produtores rurais.

Ascom da Secretaria de Agricultura

COMPARTILHE

Produção de uvas desperta interesse de agricultores da serra

Dia de campo em Cambuci incentiva diversificação produtiva em microbacia

O cultivo de uvas, uma alternativa de aumento da renda familiar com retorno rápido sobre o investimento, está despertando o interesse de produtores rurais de Valão do Barro, segundo distrito de São Sebastião do Alto, na Região Serrana. Na última quarta-feira (8/5), dezesseis agricultores da localidade participaram de uma excursão a Cambuci, no Noroeste Fluminense, para conhecer a lavoura dos irmãos Gilmar e Jocimar Veloso, da microbacia Valão da Onça.

A visita foi uma iniciativa da Emater-Rio, em parceria com o Programa Frutificar, da Secretaria de Agricultura, com o apoio da Prefeitura de São Sebastião do Alto, para incentivar a diversificação produtiva e a fruticultura nas microbacias onde o Rio Rural está iniciando seus trabalhos.

- Queremos aproveitar que o programa está chegando à fase de sorteio nas microbacias São Manoel e Guarani para, de acordo com o interesse do produtor, incentivar a implantação de novas culturas - disse o supervisor local da Emater-Rio de São Sebastião do Alto, Almir Vogas, responsável pela organização do evento.

Os irmãos Veloso, que abriram a porteira do sítio para disseminar sua experiência, atualmente plantam uva, maracujá, banana e olerícolas, em uma propriedade de 4,5 alqueires.

- Deixamos as lavouras de tomate e apostamos na diversificação. No caso das uvas, foi uma ousadia. Plantamos 200 pés com recursos próprios e deu certo, vendemos toda a produção. Agora vamos plantar mais 300 pés - conta Jocimar.

Eles investiram cerca de R$ 8 mil na lavoura da uva niágara rosada. Na primeira safra, em dezembro passado, colheram 500 kg. No auge da produção, daqui a quatro anos, a estimativa é de 10 kg por planta.

- Trata-se de uma lavoura com investimento alto, mas de rápido retorno para o agricultor - esclarece Denilson Caetano Leal, técnico do Programa Frutificar que presta assistência técnica na propriedade. Ele forneceu informações sobre o manejo de cada cultura, esclareceu dúvidas e apresentou o programa, que financia até R$ 50 mil, com juros de 2% ao ano, para implantação de lavouras frutíferas em todo o estado.

Variedade de culturas

Para os agricultores do Valão do Barro, o intercâmbio valeu a pena, principalmente porque eles puderam conhecer vários plantios numa única propriedade. No caso da banana, já cultivada por alguns dos participantes, a homogeneidade do pomar foi o que chamou a atenção.

- Nunca vi lavoura tão bonita, com plantas tão bem tratadas - disse João Batista Sabina, morador da microbacia Guarani. O agricultor já tem produção diversificada – maracujá, banana prata, aipim, coco, eucalipto – e saiu do dia de campo com interesse em produzir uvas.

- Aprendi que o manejo correto pode melhorar o cultivo, tornando-o mais produtivo e rentável - concluiu João.

Leocádia Daflon também ficou impressionada.

- Eles produzem muito em uma área pequena - observou. Ela herdou dos pais o sítio Praia de Areia e quer retomar a alta produtividade nos dez alqueires disponíveis.

- Quem tem terra, tem que produzir. Sou apaixonada por lavoura e sempre sonhei em plantar uva. Agora sei que é possível implantar esta lavoura na minha região - disse Leocádia.

Técnico da Emater-Rio de Cambuci, Ademir Peres de Souza acredita que a visitação proporciona um aprendizado amplo para todos.

- Esta troca de experiências entre os técnicos e agricultores é muito enriquecedora. Cada um tem uma experiência diferente que pode acrescentar algo positivo ao conhecimento do outro - disse. Os extensionistas José Reinaldo, Alcenir Botelho e Luis Alberto Ribeiro, da Emater-Rio de São Sebastião do Alto, também participaram do dia de campo.

Ascom da Secretaria de Agricultura

COMPARTILHE

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Pacote de obras beneficia moradores de Bom Jesus do Itabapoana

Recuperação de estrada e complexo esportivo estão entre as melhorias


BOM JESUS DO ITABAPOANA - O Governo do Estado entregou, nesta sexta-feira (3/5), em Bom Jesus do Itabapoana, no Noroeste Fluminense, a pavimentação de trecho de rodovia municipal, de 7,5 quilômetros, que liga a localidade de Pirapetinga à Barra de Pirapetinga, importante estrada para o escoamento da produção agropecuária da região. Com investimento total de R$ 12,5 milhões, a obra foi executada pelo DER-RJ (Departamento de Estradas de Rodagem). O órgão vinculado à Secretaria de Obras construiu também uma ponte sobre o Córrego Braúna, que vai facilitar a mobilidade dos moradores da área.

Também foi inaugurado um Complexo Poliesportivo, no bairro Sebastião Pimentel Marques, que já atende diariamente a cerca de 500 pessoas, entre crianças, jovens e idosos. A obra do espaço esportivo faz parte do programa Somando Forças. No local, a Secretaria de Esporte e Lazer, por meio do programa Rio 2016, oferece aulas de futebol de areia e de campo, judô, handebol e vôlei.

De acordo com o governador Sérgio Cabral, o trecho inaugurado da rodovia municipal, que era de terra, aumentará a locomoção de milhares de famílias.

– Esta estrada de cerca de R$ 12 milhões era muito aguardada. Há também o Centro Poliesportivo e a ponte – afirmou Cabral.

A obra do centro de esportes, orçada de R$ 880 mil, e as intervenções de urbanização em andamento, com recursos no valor de R$ 320 mil, totalizam investimentos que chegam a R$ 1,2 milhão. O pacote de infraestrutura inclui pavimentação de ruas em paralelepípedos, construção de meio-fio em concreto e drenagem pluvial.

– O novo complexo esportivo, que é um dos resultados do Somando Forças, beneficiará os moradores da cidade – disse o vice-governador e coordenador de Infraestrutura, Luiz Fernando Pezão.

População comemora estrada nova e complexo esportivo
Para o morador da cidade, Oseias Lopes de Freitas, 44 anos, a estrada era algo muito desejado. Ele e os amigos João Marcos Medeiros, 35, João Batista, 47, e Adilson Freitas, 43, passam diariamente pelo trecho asfaltado, que era um entrave para carros e ônibus escolares quando chovia.

– O acesso era difícil. Agora está outra coisa. Estamos muito felizes com esta obra – afirmou Oseias.

Mãe de Jefferson, de 8 anos, Andréia de Sousa Oliveira, de 38 anos, lembra ainda da área sem uso que hoje se transformou num local repleto de atividades esportivas para crianças e idosos.

– As crianças brincavam em um terreno sem nada, era um espaço abandonado que agora preenche a vida de muita gente, tirando as crianças do ócio e os idosos também – contou Andréia.

Com o sonho de ser jogador de futebol, o menino Ewerson Félix Pereira, 12 anos, participa do projeto Rio 2016 realizado no espaço de esportes.

– Aqui posso jogar futebol, me divirto e encontro os amigos. É muito bom – disse Ewerson.

Julia de Brito

COMPARTILHE

Estado entrega 170 casas na cidade de Aperibé


 Investimento de R$ 7,6 milhões, beneficia famílias de baixa renda da região


APERIBÉ - O Governo do Estado entregou nesta sexta-feira (3/5) o Conjunto Habitacional Josiane da Silva Maciel, na cidade de Aperibé, no Noroeste Fluminense. Com 170 unidades, o condomínio recebeu investimentos de R$ 7,6 milhões e será ocupado por famílias de baixa renda, selecionadas pela prefeitura do município.

Na área onde estão localizados os imóveis, também foram realizadas obras de urbanização, com serviços de terraplenagem, sistema de abastecimento de água, esgotamento sanitário, estação de tratamento de esgoto, drenagem pluvial e pavimentação de vias e calçadas. As melhorias no local incluem, ainda, paisagismo, iluminação pública e construção de uma praça dotada de brinquedos.

– Um condomínio bem urbanizado, com área de lazer e residências dignas, gera perspectiva para as pessoas. As casas são de muito boa qualidade, em um lugar agradável – afirmou o governador Sérgio Cabral.

A faxineira Marta Maria Monteiro, de 36 anos, não vê a hora de entrar na sua primeira casa própria. Com dois filhos adolescentes e o marido, operário de uma fábrica de peças de carros, ela já tem planos de como vai gastar os R$ 250 de aluguel que a família passará a economizar.

– Vou investir este dinheiro nos estudos dos meus filhos. É tão bom sair do aluguel que dá até vontade de chorar – disse a faxineira, que se inscreveu no programa habitacional no fim do ano passado.

A desempregada Sandra Helena Areias, de 30 anos, ainda está sob o impacto da notícia positiva de ter sido uma das selecionadas para ganhar a casa própria. Com dois filhos pequenos, ela estava morando na casa do pai, desde que se separou.

– Nem acredito que consegui. Agora terei o meu cantinho com meus filhos, como sempre imaginei. E estaremos mais perto do Centro da cidade, o que facilita a nossa vida – contou Sandra.

A dona de casa Tatiana Godinho, de 26 anos, sairá da beira da estrada RJ-116 para o conjunto. Ela diz que será melhor para criar os três filhos que tem e o quarto, que espera para o mês de junho.

– Era muito perigoso ficar na beira do asfalto, não podia deixar as crianças soltas correndo. Agora, além de tudo, vou realizar um sonho, de ter minha casa, para morar com meu marido e meus filhos – afirmou Tatiana.

Novas unidades serão construídasDas 170 unidades do Conjunto Habitacional Josiane da Silva Maciel, cinco delas são adaptadas para cadeirantes e pessoas com dificuldade de locomoção.

 O Governo do Estado irá construir 100 novas casas no terreno em frente ao do novo condomínio, também para famílias de baixa renda  disse o secretário de Habitação, Rafael Picciani.

COMPARTILHE

quarta-feira, 1 de maio de 2013

ESTADO ENVIA À ALERJ PROJETO DE LEI DE REAJUSTE DE 7% PARA O MAGISTÉRIO

Aumento acumulado pelos professores nos últimos três anos foi de 30,31%


O Governo do Estado do Rio de Janeiro enviará, neste mês de maio, projeto de lei para a Assembleia Legislativa com o aumento salarial para o magistério. O reajuste de 7% valerá a partir de 1º de junho, e será depositado em julho na conta dos servidores. Com o acréscimo, o salário inicial para professor de 30 horas semanais – maior volume de concursados Seeduc desde 2011 – será de R$ 2.009,88.

Também neste mês de maio serão pagos R$ 500 de auxílio-qualificação a cerca de 60 mil docentes regentes de turma, para a aquisição de bens pedagógico-culturais. O investimento é de aproximadamente R$ 30 milhões.

O Estado do Rio de Janeiro está entre os entes federativos que pagam acima do piso nacional dos docentes, que é de R$ 1.567,00 para 40 horas semanais. Esse reajuste abrange 75 mil professores, 15 mil servidores administrativos e 57 mil inativos.

Com os 7% deste ano, os docentes na rede estadual receberam, desde 2011; 30,31% de reajuste. No ano passado, o aumento foi de 14,11%. Em 2012, o Governo zerou as parcelas do antigo programa Nova Escola, que terminaria apenas em 2015. Já em 2011, o reajuste foi de 9,2%. Ainda em 2011, funcionários administrativos também receberam aumento que variou em até 116.04%.

O atual Governo do Estado reajustou o salário de um docente de 16 horas semanais em 98%. Em 2007, a remuneração inicial de um professor com carga horária de 16 horas semanais era de R$ 540,64 por mês. A partir deste ano, o professor passará a receber, pelas mesmas 16 horas semanais, R$ 1.071,95.

A remuneração dos professores é constituída por vencimento-base, triênio por tempo de serviço e enquadramento por formação, além de 12% entre níveis da carreira a cada seis anos. Com o reajuste de 7% concedido este ano, no Estado do Rio a hora/aula passa a valer R$ 16,74. Com o aumento, mesmo o Rio de Janeiro já estando entre os estados que pagam acima do piso nacional, o novo valor levará o estado a ficar entre os quatro que mais valorizam seus docentes. Atualmente, a hora/aula nacional, para uma jornada de 40 horas semanais de acordo com o piso nacional de R$ 1.567, é de R$ 9,79.

No projeto de lei a ser enviado à Alerj haverá, ainda, a criação das funções de Agente de acompanhamento da Gestão Escolar e de Assistente Operacional (coordenador de turno) de unidade escolar, a serem preenchidas exclusivamente por servidores públicos efetivos da Seeduc. E também a adequação da tabela salarial de professor de Inspeção Escolar para 25h.

Também constará da mensagem que o professor poderá solicitar o enquadramento em qualquer período do ano; e fica, ainda, autorizado o exercício da função de Secretário Escolar aos servidores administrativos educacionais da Seeduc, desde que comprovada a qualificação mínima necessário para a vaga.

Pacote de benefícios

Desde 2011, a Secretaria de Educação vem implementando um pacote de benefícios para a categoria.

(a) Auxílio-transporte (proporcional à carga horária trabalhada – os valores variam de R$ 57,60 a R$ 110,40/mês);

(b) Auxílio-qualificação (para consumo de produtos e serviços pedagógico-culturais), para professores em regência de turma (valor mínimo de R$ 500,00 pago em parcela única);

(c) Auxílio-alimentação (R$ 160,00 por servidor/mês);

(d) Auxílio-formação (curso de formação continuada para professores regentes de turma – com bolsa de R$ 300,00/mês – o curso também é pago pela Seeduc).

Certificação

Ainda este ano, a Secretaria de Educação implementará o programa voluntário de Certificação para Professores, que é mais uma forma que o docente da rede estadual terá para obter melhoria salarial. É o terceiro mecanismo que possibilitará ao professor aumentar seus vencimentos. O reajuste salarial anual permanecerá.

A segunda medida é a remuneração variável, com pagamento de bônus, por metas atingidas pela unidade escolar. Nesse caso, se uma escola atingir a meta estipulada de acordo com a sua realidade, todos os servidores daquele colégio recebem o bônus. Desde o diretor à merendeira. E uma unidade não concorre com a outra. Cada uma tem a sua meta própria e, se atingir, todos ganham.

A terceira forma, que terá início em 2013, é a certificação. Esse é um pagamento mensal. O professor poderá triplicar seu salário. Mas para isso, terá que ser certificado. Esse reajuste, que poderá ser levado para a aposentadoria, será por mérito individual.

Exemplos:

Carreira - % anual / + 22% a cada 6 anos de carreira (10% de triênio + 12% a cada 5 anos – interstício)

Bonificação por metas – docente recebe de acordo com as metas atingidas pela escola na qual dá aula

Certificação – professor é certificado pela Seeduc após passar por uma prova / há três níveis de Certificação / a cada 5 anos terá que renovar a certificação / leva para aposentadoria / Exemplo de Certificação abaixo:

docente 30h

2013 – Júnior – R$ 2.009,88 + R$ 1.000 = R$ 3.009,88

2014 – Plena – R$ 2.009,88 + R$ 2.000 = R$ 4.009,88

2015 – Sênior – R$ 2.009,88 + R$ 4.000 = R$ 6.009,88

Portanto, com 3 anos de carreira, o docente poderá receber R$ 6.065; fora o bônus anual, caso sua unidade escolar atinja as metas pré-estabelecidas; e fora as gratificações incorporadas com a certificação externa já existente, como mestrado, doutorado, que não deixam de ser uma certificação e fazem o salário aumentar. A nova proposta é uma certificação a mais, só que interna.

1/3 da hora/atividade

No Estado do Rio de Janeiro, a hora-atividade passa de 1/3. Cada hora-atividade em sala de aula equivale a 50 minutos. Portanto, considerando que cada tempo de aula equivale a 50 minutos, o Rio de Janeiro já cumpre 1/3 de atividades complementares/planejamento.
 
Veja abaixo a tabela com os novos vencimentos:














Ascom da Secretaria de Educação

COMPARTILHE

HORTA COMUNITÁRIA MOBILIZA ESCOLA DE ITAPERUNA

Com apoio da Emater-Rio, projeto sensibiliza crianças para a importância plantar alimentos


O contato com a terra pode proporcionar às crianças um aprendizado sobre o ato de cuidar. Com esta ideia na cabeça, o estudante de Psicologia Rodrigo Henrique Mello está coordenando um projeto que pretende, por meio de vivências diárias em uma horta, sensibilizar professores, pais e, principalmente, os alunos do Jardim de Infância Municipal Profª Maria Madalena dos Santos, em Itaperuna, no Noroeste Fluminense.

A horta da escola é um lugar onde os estudantes podem aprender a importância de cuidar, seja das coisas, seja das relações humanas.

- Queremos mostrar a importância do cuidado das pessoas entre si, com a natureza, com as coisas, com a própria escola - diz Rodrigo.

Ele chegou à instituição de ensino para fazer um estágio e elaborar um projeto de intervenção. Aproveitando o espaço físico da escola, que tem grande área verde, surgiu o projeto “Educar para cuidar e ser cuidado”, que está reativando o plantio das hortaliças no local.

Segundo Rodrigo, o objetivo é criar uma horta produtiva pela qual todos se sintam responsáveis, desenvolvendo a prática de cuidar através do cultivo de verduras e legumes, e ainda incentivar o consumo de alimentos saudáveis e nutritivos.

- A criança que necessita de cuidados é a mesma que deve ser educada para cuidar. Isto vai criar um círculo virtuoso para o futuro. Eles vão aprender que quando se cuida, as coisas dão certo, dão frutos - esclarece o estudante.

Parceria com a Emater-Rio viabiliza o projeto

Para implantar a horta, Rodrigo procurou a assistência técnica da Emater-Rio, empresa vinculada à secretaria estadual de Agricultura. Luis Gustavo Marques, técnico agrícola lotado em Itaperuna, Renato Merigue Rodrigues, assessor técnico regional do Rio Rural, e Carlos Marconi, coordenador do Centro de Referência Agroambiental, estão dando suporte ao projeto.

- Como extensionistas, temos que buscar meios de promover a sustentabilidade e maior qualidade de vida. Este trabalho educa para o futuro, além de proporcionar alimentação saudável para estas crianças - afirma Renato.

Os trabalhos já começaram. Jorge Abreu, funcionário da escola, é o responsável pela horta, mas conta com a ajuda voluntária dos pais dos alunos e das próprias crianças nas tarefas mais simples. Os canteiros estão sendo preparados com adubo orgânico, doado pela secretaria municipal de agricultura. As primeiras sementes foram plantadas em bandejas, que ficarão abrigadas em uma mini-estufa. Quando as mudas de cada espécie estiverem no ponto certo, serão transferidas para o canteiro.

Voluntariado faz a escola crescer

O Jardim de Infância Municipal Profª Maria Madalena dos Santos tem 483 alunos, de 3 a 5 anos. A horta da escola estava desativada há mais de 3 anos, por falta de material humano. As diretoras Elem Picanço Calzolari e Maria da Penha Pereira estão animadas com o projeto.

- A horta possibilita à criança observar as mudanças. Elas vão acompanhar o plantio, o desenvolvimento e a colheita. Vão aprender a ter paciência, a esperar o tempo certo das coisas. É um trabalho engrandecedor - afirma Penha.

Os pais dos alunos também estão empolgados com a iniciativa e já se dispuseram a trabalhar como voluntários. Taiane de Queiroz Lino, mãe de Alekson, 4 anos, nunca teve contato com horta, mas já afirmou que vai disponibilizar um tempo em sua rotina para ajudar a cuidar dos canteiros.

- É importante que eu participe. Isso vai fazer parte da educação do meu filho, e tudo o que é bom para ele é bom para mim - disse Taiane.

O trabalho em equipe está dando certo. Alguns pais roçaram o terreno, outros conseguiram adubo, e todos estão se envolvendo.

- É muito bom ver as famílias participando da educação dos seus filhos -avalia a diretora Elem. Os alimentos produzidos na horta serão adicionados à merenda escolar e ofertados aos alunos, que poderão levá-los para casa.

COMPARTILHE

Compartilhe