quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Prefeitura se mobiliza para reparar estragos das chuvas

A cidade de Rio das Ostras enfrentou nas últimas 48 horas uma situação atípica. Choveu nesse período 150 milímetros, enquanto que o esperado para todo o mês de novembro era de 200 milímetros. A previsão é de que o tempo melhore nos próximos dias, regularizando a situação de dezenas de famílias que tiveram seus imóveis alagados. A cidade continua em Estado de Alerta. 

Na manhã desta quarta-feira, 27, o prefeito Sabino, acompanhado do secretário de Obras, Wayner Fajardo, e do subsecretário de Serviços Públicos, Flavio Vieira, percorreu unidades públicas, como o Centro Esportivo Chico Leite, no Village, e visitou localidades mais atingidas pelas chuvas. Os locais mais afetados são Âncora, Palmital, Recanto, Cidade Praiana, Nova Cidade e Comunidade de Santo Antônio. 

Cerca de 25 famílias, totalizando aproximadamente 100 pessoas entre adultos e crianças, estão desalojadas e foram para casa de familiares e amigos. A Defesa Civil já atendeu 27 pessoas que foram retiradas de seus imóveis e levados para o Centro Integrado de Convivência. Só nesta quarta-feira, 15 pessoas do Âncora, Nova Cidade e Cidade Praiana foram socorridas e levadas para o espaço público. 

MEDIDAS PREVENTIVAS – O Posto de Saúde do Âncora não teve o atendimento suspenso, apesar das ruas do entorno da unidade estarem alagadas. Pela manhã, o prefeito Sabino esteve no local e sugeriu algumas medidas para evitar que a água do Rio Jundiá suba ainda mais de nível e atinja a unidade de saúde. 

Outra localidade atingida foi o entorno do Centro Esportivo Chico Leite, no Village, que teve várias ruas inundadas devido à elevação do nível do Rio Jundiá. Nas últimas 48 horas, o rio subiu cerca de dois metros, provocando alagamento. Caminhões de sucção e máquinas trabalham no local para tentar amenizar a situação. 

De acordo coma Defesa Civil do Município, a tendência é do nível do Jundiá continuar subindo nas próximas horas, já que o rio recebe água da Serra do Pote, em Cantagalo. Equipes das secretarias de Serviços Públicos e Obras trabalham na limpeza de canais e rios, na desobstrução de bueiros e recuperação de ruas e de redes de iluminação pública que foram afetadas. Caso não haja mais chuvas fortes, a previsão é de que a situação comece a se normalizar dentro de 48 horas. 

Na região do Recanto, Cidade Praiana, Palmital, a situação começou a se normalizar nesta quarta-feira, já que o nível do Canal de Medeiros, que chegou a subir cerca de 1,5 metro na última terça-feira, começa a baixar. Máquinas trabalham na limpeza do canal, que sofre com o assoreamento. Há cerca de 30 dias, a Secretaria de Serviços Públicos trabalhou ao longo dos três quilômetros do canal, retirando cerca de 50 toneladas de lixo, incluindo pneus, sofás e até computadores, entre outros materiais. 

ÁREAS DE RISCO – Na manhã desta quarta-feira, 27, o secretário de Obras Wayner Fajardo sobrevoou a cidade, identificando os pontos de alagamentos. Esse material permitirá a Prefeitura de Rio das Ostras mapear as áreas de risco do município e traçar medidas preventivas, melhorando a qualidade dos serviços oferecidos.


Ascom 

COMPARTILHE

ESTADO INVESTE NA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO

Parceria dos governos Estadual e Federal revitalizou prédios residenciais no Centro

O Rio de Janeiro recebe iniciativas que valorizam o seu patrimônio público, uma delas é o Projeto Porto Maravilha, que recupera uma área de extrema importância histórica para o Rio e para o Brasil. Relíquias como o Cais da Imperatriz e os Jardins Suspensos do Valongo foram descobertos e recuperados. Outra importante ação é a reforma de casarões históricos no centro da cidade.

O Governo do Estado recuperou dois imóveis e os transformou em um único prédio residencial para abrigar famílias de baixa renda. Localizado na esquina das ruas da Constituição com Regente Feijó, o edifício é preservado pelo Corredor Cultural da Cidade e, por isso, teve sua fachada original totalmente conservada.

- Próximo à Praça Tiradentes nós temos exemplares de arquitetura que remontam 200 anos. Você tem boa parte da história do Rio de Janeiro, desde casas do século XVIII. Então é um acervo muito importante que a cidade não pode se dar o luxo de perder – afirmou o historiador Milton Teixeira.

Orçado em cerca de 600 mil reais, o projeto habitacional foi realizado em parceria com o governo federal. Os nove apartamentos, com tamanhos que variam de 30 a 50 metros quadrados, contam com sala, cozinha, quarto e banheiro. Devidamente regularizado, o edifício possui Habite-se e também conta com espaços de convivência comuns e lavanderia coletiva.

- Importância imensa. Haja vista que esse casarão da Rua da Constituição que é um casarão de 160 anos, ao lado tem outra casa, da mesma época. Estavam ambos em petição de miséria, arruinados, próximos de um desabamento, eles foram integralmente recuperados e adaptados. foi dado um uso a eles. mais difícil que restaurar é dar um uso depois. E foram muito felizes nessa iniciativa – afirma Milton Teixeira.

As obras, realizadas pela Companhia Estadual de Habitação, levaram cerca dois anos para serem concluídas. A maioria dos atuais moradores já ocupava o local irregularmente e de forma precária. Durante a reforma, receberam aluguel social.

- A gente está em espaço digno: bem iluminado, arejado e organizado. Parece que mudamos de padrão. Eu realizo dois sonhos: trabalhar na minha casa porque era um projeto praticamente impossível ter um teto no qual eu habitasse e trabalhasse de uma maneira que eu pudesse receber pessoas que merecem ser recebidas num lugar limpo, arejado, adequado para uma pessoa habitar e trabalhar – explicou Raimundo Gonçalves, que é cabeleireiro e foi beneficiado com um dos apartamentos.

COMPARTILHE

RIO TEM A QUINTA MELHOR COLOCAÇÃO DO PAÍS ENTRE REDES ESTADUAIS DE ENSINO

Resultado foi conseguido a partir do Exame Nacional do Ensino Médio de 2012

O Estado do Rio de Janeiro obteve a quinta melhor colocação entre as redes estaduais de todo o Brasil no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2012, de acordo com os resultados divulgados pelo Ministério da Educação (MEC), nesta terça-feira (26/11). As escolas da rede estadual conseguiram também a segunda melhor média do país em redação.

Quando avaliado o resultado de todas as redes (públicas e privada), o estado foi o segundo melhor na média geral no Enem 2012 e o primeiro em redação. Foram apresentadas as médias de 11.239 escolas de todo o país que tiveram participação igual ou superior a 50%. No Rio, entre os 370 colégios da rede pública com resultados divulgados, 339 (91,6%) são da rede estadual. Esse quantitativo representa um aumento de 107% em relação a 2011, quando apenas 164 tiveram o resultado divulgado.

Das 100 melhores escolas estaduais do Brasil, seis são do Rio de Janeiro. Nenhum colégio do estado ficou entre os 100 piores do país.

Entre as escolas estaduais com melhor desempenho, destacam-se o CE José Leite Lopes (Nave - Tijuca) e CE Comendador Valentim dos Santos Diniz (Nata – São Gonçalo). As duas fazem parte do programa Dupla Escola – Ensino Médio Integrado que une a formação geral (conteúdos da Educação Básica) à formação técnica (preparando para o mercado de trabalho).

 Ascom da Secretaria de Educação

COMPARTILHE

terça-feira, 26 de novembro de 2013

ESTADO INVESTE R$ 3,3 MILHÕES EM EQUIPAMENTOS PARA PRODUÇÃO RURAL

Vinte e seis assentamentos receberam cerca de 300 maquinários

Agricultores rurais de 16 municípios receberam no último dia (22/11) um incentivo para assegurar o apoio logístico à produção rural familiar no estado. Com investimentos de R$ 3,3 milhões, cerca de 300 equipamentos e maquinários – entre tratores, microtratores e retroescavadeiras – além de cinco caminhões para escoar a produção, foram cedidos a mais de 2 mil agricultores. A iniciativa é do programa Nossa Terra, de apoio à produção e desenvolvimento sustentável em assentamentos regularizados pelo Iterj (Instituto de Terras e Cartografia do Estado), órgão vinculado à Secretaria de Habitação.

– Esta iniciativa é essencial para o desenvolvimento econômico da região. Estamos gerando trabalho e renda para as comunidades atendidas, incentivando a produção de produtos com mais valor agregado – disse o secretário de Habitação, Rafael Picciani.

Além dos equipamentos, o Iterj desenvolve projetos de infraestrutura nos 26 assentamentos regularizados, como a construção de cinco galpões rurais, que vão garantir autonomia e produtividade a mais de 400 famílias. O instituto está oferecendo ainda cursos para capacitar e fornecer orientação técnica para o cultivo e melhor aproveitamento do solo.

Em setembro, o programa ganhou o apoio do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), que firmou um termo de cooperação técnica e financeira, que vai assegurar mais de R$ 15,2 milhões para os produtores.

– Em algumas comunidades, a produção aumentou mais de 80%. Percebemos que muitos assentamentos já conseguem desenvolver alguns cultivos sem o uso de defensores químicos. Este também é um dos frutos do nosso trabalho – explicou a presidente do Iterj, Mayumi Sone.
 
Agricultor há mais de 30 anos e presidente do assentamento Vitória da União, localizado em Paracambi, Marcos Oliveira, de 45 anos, estima aumentar em quase 100% a produção da comunidade após a aquisição do maquinário.
 
– Esta doação vai estimular o trabalho e produtividade do profissional do campo, além de aumentar a nossa renda. A mão de obra também será dinamizada e modernizada – afirmou o presidente do assentamento, que abriga cerca de 80 famílias.

Um dos trabalhadores da Associação de Produtores Rurais do Marajoara, no distrito de Engenheiro Pedreira, Valdomiro Martins, de 72 anos, comemorou a chegada do reforço mecânico.

– Muitas vezes precisávamos arar a terra e buscar equipamentos em outros municípios, por um alto custo. Já cheguei a alugar um trator por R$ 100 a hora. Agora, vamos triplicar nossa produção – disse o produtor, que cultiva, ao lado de mais 70 famílias, frutas e legumes no assentamento.

O programa nossa terra entregou 302 maquinários em 26 assentamentos
 Texto: Clarissa Barcellos // Fotos: André Gomes de Melo

COMPARTILHE

FLORICULTURA FLUMINENSE RECEBERÁ INVESTIMENTO DE R$ 1 MILHÃO

Produtores de flores e plantas ornamentais contarão com linhas de crédito em 2014

O setor fluminense de produção de flores e plantas ornamentais, que em 2012 apresentou crescimento de 63% em comparação ao ano anterior, receberá mais R$ 1 milhão para financiamento da atividade no estado. Os recursos serão disponibilizados pelo Governo do Estado, por meio do programa Florescer, da Secretaria de Agricultura. Além do financiamento, o governo incentiva a capacitação e a profissionalização dos produtores fluminenses oferecendo acesso às novas tecnologias.
– Estimulamos o desenvolvimento da cadeia produtiva de flores em todo o estado. Para 2014 está previsto no orçamento do Florescer a liberação de R$ 1 milhão para os produtores que solicitarem linha de crédito com juros de 2% ao ano e prazo de 60 meses para pagamento – explicou o secretário de Agricultura, Christino Áureo.

Beneficiado pelo Florescer, o presidente da Associação de Produtores de Plantas ornamentais de Itaboraí, Nelson Bastos, contou que o segmento está em busca de novas frentes de trabalho, como a produção de mudas de árvores nativas.

– Queremos implementar uma estrutura de produção mais avançada com a construção de estufas climatizadas e mais capacitação. Estes são os caminhos do crescimento e precisamos estar aptos a disputar o mercado que se torna cada vez mais competitivo – disse Nelson.

Segundo maior produtor de plantas ornamentais do Estado do Rio, o município de Itaboraí recebe nos próximos dias máquinas do programa Estradas da Produção, para revitalizar as estradas vicinais da região.

O Estado do Rio é o segundo maior polo de produção e consumo de flores no país. De acordo com o último levantamento do Ibraflor (Instituto Brasileiro de Floricultura), 683 produtores fluminense produzem flores e plantas ornamentais em 950 hectares, com a geração de 17,6 mil empregos na cadeia produtiva. O setor foi responsável pela movimentação de R$ 470 milhões no ano passado.

O crescimento da contratação de financiamentos para custeio e investimento na floricultura no Rio de Janeiro, por meio do crédito rural do Banco do Brasil, comprova a injeção de recursos no segmento. Em 2012, foram investidos R$ 1,9 milhão em contratos que beneficiaram 70 produtores do estado, registrando aumento de 200% em relação ao ano de 2011.

Os recursos serão disponibilizados pelo Governo do Estado.

COMPARTILHE

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

EVENTO TRAZ TECNOLOGIAS PARA MELHORAR QUALIDADE E REMUNERAÇÃO PELO LEITE

Rio Leite Serrana integra ações da Agricultura para fortalecer atividade leiteira no estado

A oportunidade de conhecer novas tecnologias para aumentar a produção e melhorar a qualidade do leite atraíram produtores rurais da Região Serrana do estado, para o encontro Rio Leite. A nona edição do evento, realizado pela secretaria estadual de Agricultura, através da Emater-Rio, nesta quinta-feira (31/10), em Macuco, reuniu cerca de 500 participantes dos municípios da região.

Na solenidade de abertura, o secretário de Agricultura, Christino Áureo, destacou a importância da série de encontros Rio Leite, promovidos em todo o estado, para o fortalecimento da atividade leiteira fluminense.

- Estamos trabalhando para que o Rio de Janeiro consolide sua marca, mostrando ao país que é possível produzir com qualidade, respeitando o meio ambiente. Incentivamos o aumento da produção leiteira para atender ao nosso mercado consumidor, com a adoção de práticas sustentáveis - disse.

Para o produtor Carlos Tadeu da Silva Leite, de Santa Rita da Floresta, em Cantagalo, que traz no seu currículo a participação em quatro edições do Rio Leite, as palestras dos encontros reúnem conhecimentos sobre novas tecnologias.

- Tudo que aprendo aqui procuro levar para o meu dia a dia na propriedade, buscando aumentar a produção e melhorar a renda da minha família. São oportunidades para encontrar outros produtores e trocar ideias - afirmou Carlos, que produz 23 mil litros de leite/mês, entregues à Cooperativa Agropecuária de Macuco.

A relação entre qualidade e melhor remuneração pelo produto é para Marcos Tadeu Erthal, vice-presidente da Cooperativa de Macuco, uma das grandes conquistas do Rio Leite. A cooperativa é a maior do estado e responsável pela captação de leite em 25 municípios fluminenses.

- Hoje o produtor está antenado com as tecnologias que podem lhe trazer benefícios. Neste contexto todos saem ganhando. O produtor, que recebe maior preço pelo leite, a cooperativa, que capta produto de mais qualidade, aumentando o rendimento do laticínio, e o consumidor, que tem acesso a um melhor produto – explicou Erthal.

Na próxima quinta-feira (07/11), o V Rio Leite Noroeste vai reunir em Itaperuna os produtores da região. O evento acontece na Universidade Iguaçu, Rodovia BR 356 - km 2, s/n - Centro.

Christino Áureo, destacou a importância da série de encontros Rio Leite


 Ascom da Secretaria de Agricultura

COMPARTILHE

Compartilhe