segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Escolas públicas receberão livros digitais a partir de 2015


Programa Nacional do Livro Didático recebe inscrição de candidatos a partir desta segunda: obras são voltadas a alunos e professores do ensino médio


A partir desta segunda-feira, as editoras interessadas já podem inscrever obras destinadas a alunos e professores do ensino médio da rede pública, via Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). A novidade é que, pela primeira vez, poderão ser inscritos livros no formato digital. A obras selecionadas serão oferecidas aos estudantes e professores a partir de 2015.
De acordo com a regulamentação do PNLD, a versão digital deve vir acompanhada do livro impresso e ter o mesmo conteúdo. Como diferencial, é preciso apresentar conteúdos educacionais digitais como vídeos, animações, simuladores, imagens e jogos para auxiliar na aprendizagem. 
Os títulos inscritos serão avaliados pelo Ministério da Educação (MEC), responsável pelo Guia do Livro Didático. A partir do guia, cada escola escolherá que livros deseja adotar em seu currículo.
Para receber o materiual do MEC, a escola precisa ter aderido ao PNLD. Segundo projeções, em 2015 serão distribuídos 80 milhões de exemplares para atender 7 milhões de estudantes.
O período de inscrição de obras no PNDL vai até 21 de maio. De 3 a 7 de junho, estará aberto o período de entrega de livros impressos e da documentação. De 5 a 9 de agosto, o de entrega de obras digitais e respectivos documentos.

Veja

COMPARTILHE

Varre-Sai usa ICMS verde para programa de pagamento por serviços ambientais

Há três gerações, a família de Geraldo Vargas, dono do café Vargas, mantém intocável um pedaço de floresta entre o cafezal, o pasto e a plantação de eucalipto. Embora não desse renda, a mata ficou de pé por gosto da família, em um terreno em Varre-Sai, Noroeste do Rio de Janeiro. O café é a principal atividade econômica da cidade.
A atitude visionária dos Vargas agora está virando uma recompensa remunerada. Em um programa pioneiro de pagamento por serviços ambientais da prefeitura, Geraldo criou uma Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN) que lhe renderá R$ 1.731 por ano. Outros cinco agricultores da região também serão beneficiados. A verba está prevista numa nova legislação municipal que obriga o repasse de 60% do ICMS verde aos proprietários de áreas protegidas. O pagamento, porém, está atrasado em quase um ano e ainda não chegou ao bolso dos beneficiários.
Em Varre-Sai, seis agricultores deveriam receber R$ 31.122, por ano. Mas há discrepância entre o cálculo dos órgãos públicos. A única certeza é que a floresta totaliza 101 hectares de Mata Atlântica. Varre-Sai é uma das cidades com maior percentual remanescente do bioma no estado, um total de 20%. A região Noroeste, no entanto, tem um índice de preservação de apenas 5%.
A lei municipal do ICMS verde foi criada a partir de um esforço dos próprios produtores, entre os quais o técnico da Emater e da Secretaria de Ambiente do Estado, Duarte Ramos. Dono de um sítio na região, ele criou uma RPPN de 5,75 hectares. Ele usou seu próprio exemplo para convencer os vizinhos e a ONG SOS Mata Atlântica ajudou na implantação das primeiras reservas.
— O valor recebido por hectare é pequeno, mas, sem dúvida, serve de estímulo. Nem todo mundo tem consciência para preservar — argumenta Duarte.
A previsão era de que o pagamento ocorreria no início de 2012. Até o momento nenhuma parcela foi paga. A explicação dada pelo prefeito de Varre-Sai, Everardo Ferreira (PP), é que falta detalhamento da Secretária estadual de Ambiente (SEA) sobre o valor que deveria ser repassado aos agricultores.
A SEA nega a responsabilidade, garante que o repasse já foi feito e acrescenta que cabe à prefeitura pagar aos agricultores.
Informações de O Globo

COMPARTILHE

Meditação frequente faz com que o cérebro fique mais atento e funcional

RIO - A pesquisadora Elisa Kozasa, do Instituto do Cérebro do Hospital Israelita Albert Einstein, é bióloga com pós-doutorado em Psicobiologia pela Unifesp e descobriu que a prática regular de meditação “economiza” neurônios porque mantém o foco em exercícios de atenção. Praticante de aikido há 32 anos, ela acredita que o grande trunfo seja relaxar em momentos de estresse.
De acordo com sua pesquisa, pessoas que meditam usam menos neurônios para executar as mesmas tarefas. É como se estas pessoas “economizassem” o cérebro?
Sim, entre aspas seria isso sim. Essas pessoas recrutam menos áreas cerebrais para executar as mesmas tarefas de atenção. É como se as pessoas que meditassem regularmente tivessem um cérebro mais eficiente para desempenhar estas tarefas.
Como isso acontece?
As práticas de meditação geralmente desenvolvem treinamento de foco de atenção, uma atenção sustentada. A gente interpreta que pessoas que praticam meditação com regularidade têm essa habilidade mais desenvolvida, fica mais fácil manter a atenção sustentada durante a tarefa de atenção.
O estudo usou ressonância magnética funcional por imagem para avaliar diferenças no cérebro de 20 meditadores e 19 não meditadores combinados por idade, sexo e nível de escolaridade. Os não meditadores mostraram maior atividade cerebral (giro frontal medial direito, giro médio temporal, giros pré e pós central, núcleo lentiforme) durante a execução das tarefas.
Qualquer pessoa consegue chegar a esse nível?
Nossa amostra era de gente como a gente. Havia duas pessoas com vida monástica, mas os meditadores da amostra tinham no mínimo três anos de prática constante: por 30 minutos, três vezes por semana, numa média de oito anos de tempo de meditação. E essa amostra foi suficiente para ver essa diferença entre meditadores e não meditadores. Esse artigo ficou como o mais baixado da revista “Neuroimage” por quase cinco meses. Ficamos bastante felizes e um tanto surpresos com o fato de um artigo sobre meditação despertar tanto interesse.
O estudo usou alguma técnica específica de meditação?
Fizemos o teste com pessoas de diferentes técnicas que meditavam regularmente. Acreditamos que exista um mecanismo similar entre as práticas — é claro que há diferenças entre elas também, mas mais específicas — que, em termos de atenção, funcionam de maneira similar. No estudo havia pessoas de meditação zen, de diferentes tradições budistas, praticantes de ioga que faziam práticas meditativas também, de mindfulness, que é uma técnica de atenção plena que está bastante na moda. No outro grupo havia pessoas que nunca tiveram regularidade na prática de meditação.
Em que áreas os resultados do estudo podem ser aplicados?
O teste que usamos envolve atenção e controle de impulsos (Stroop Word-Colour Task — SWCT), em que aparece uma palavra verde pintada de vermelho, e a pessoa tem que escolher a cor vermelha, por exemplo. É um teste que exige manter atenção e inibir a tendência de ler a palavra em vez de escolher a cor. Observamos um potencial de atenção sustentada em quem pratica meditação. Hoje se fala muito em déficit de atenção, imaginamos que a prática de meditação pode ajudar as pessoas em vários setores da vida profissional, pode ser útil para atletas. O controle de impulsos é importante para regulação emocional, na área de saúde mental as práticas meditativas são bastante estudadas e podem ser úteis.
As áreas do cérebro relacionadas no estudo têm a ver com atenção, controle e comportamento. É possível que a meditação seja uma solução no tratamento de ansiedade ou vício em drogas, problemas ligados a esse controle do cérebro?
Essa experiência mostra sim, que se pode regular impulsos porque o SWCT é um teste de atenção e controle de impulsos. Já existe atualmente um protocolo de prevenção a recaídas para usuários de drogas que envolve meditação junto com terapias cognitivas.
Os resultados desse trabalho têm muito a ver com uma forma de tratamento para a vida que estamos levando atualmente, com tantos estímulos...
O grande problema é que somos bombardeados constantemente por estímulos, e isso faz com que tenhamos dificuldade de focar numa tarefa, iniciá-la e cumpri-la, tendo em vista a quantidade de estimulações que a gente recebe durante o dia. Esse treinamento de atenção da meditação não é aquela atenção com tensão física, é uma atenção relaxada. Aliás, um dos pontos importantes da meditação é a prática informal. A prática formal é quando a pessoa senta para praticar a meditação, em uma determinada postura, usando uma determinada técnica. Mas o mais importante é que a pessoa consiga resgatar esse momento durante o dia, no que faz, no que fala, na maneira de se alimentar, tudo no sentido de procurar ter uma vida melhor, isso é o mais importante.
A senhora acha que a chamada Geração Y, criada a partir de tantos estímulos, lida com isso de uma forma diferente?
Eu não trabalho com essa área de desenvolvimento, mas imagino — mais opinião que algo que eu tenha estudado, porque não é a minha área — que possam existir diferenças entre pessoas que já cresceram num ambiente de alto nível de estimulação, e pessoas que tiveram outro tipo de vida, mas seria necessário fazer um estudo longitudinal, acompanhando desde a infância o que pode estar acontecendo com o cérebro dessas pessoas para comprovar essa tese.
Como surgiu seu interesse pela meditação?
Eu tive o primeiro contato quando comecei a praticar aikido, a arte marcial japonesa com ênfase nos estados mais meditativos. No aikido o praticante se utiliza desses estados para realizar movimentos. Comecei a praticar com 12 anos e hoje, com 44 anos, sou instrutora, ou seja, tenho mais tempo treinando aikido que não treinando. Sem dúvida, observei isso em mim e em grandes mestres de artes marciais que têm essa habilidade meditativa de conseguir relaxar sob ataque, sob estresse. Isso diferencia um bom artista marcial de um mediano.
A senhora acha que no futuro a meditação estará mais presente no nosso cotidiano?
Já está. Em São Paulo, até as unidades públicas de saúde oferecem práticas de ioga, meditação e tai chi chuan, por exemplo. Hoje não há um clube ou academia que não ofereça aula de ioga, que também envolve práticas meditativas. Isso já faz parte do cotidiano de boa parte da população, e o interesse é cada vez maior, infelizmente, por questões de estresse tão comuns em centros urbanos. Um estudo recente apontou que 30% das pessoas da megalópole de São Paulo atingiram critérios de diagnóstico de transtorno mental.

O Globo

COMPARTILHE

domingo, 20 de janeiro de 2013

ICMS Verde fará repasse recorde aos municípios

Mais de R$ 177 milhões serão distribuídos neste primeiro semestre

A preocupação em investir em ações ecológicas vai render mais recursos aos 92 municípios do estado. Este ano, o ICMS Verde atingiu arrecadação recorde e distribuirá R$ 177,717 milhões às prefeituras que investiram na preservação do meio ambiente.
 Com o incentivo, criado em 2007 pela Lei Estadual nº 5.100, o total de áreas protegidas saiu de 105 mil hectares para 215 mil.
 – O interessante dessa lei é que ela não aumenta o valor real do imposto. Ela redistribui mais para os municípios que se preocupam em cumprir as metas. É uma competição saudável, com o objetivo de fazer com que os gestores fiquem cada vez mais comprometidos com a sustentabilidade. Como resultado, temos menos lixões, mais esgoto tratado, mais parques e mais empregos gerados pelo ecoturismo – afirmou o secretário do Ambiente, Carlos Minc.
 Assim como nos dois últimos anos, o município de Silva Jardim lidera o ranking de pontuação e vai receber R$ 8,491 milhões. Segundo o secretário, a recompensa será concedida pelo fim de um lixão, avanço em saneamento básico, investimento nas suas 32 unidades de conservação e pelo fornecimento de água para municípios da Região dos Lagos.
 As cidades de Cachoeiras de Macacu e Rio Claro ocupam a segunda e a terceira posições no ranking, com R$ 6,943 milhões e R$ 6,937 milhões, respectivamente.Mas é a quarta colocação que, para Minc, surpreende.
 – Miguel Pereira saiu de 15° para 4° lugar. Por investir em saneamento, acabar com um lixão e criar uma unidade
de conservação, vão receber R$ 5,727 milhões. Esse salto no ranking mostra que o ICMS Verde estimula os gestores. Antes, havia quem pensasse ser estorvo criar um parque – explicou o secretário.
Quesitos levados em conta

 As cidades pontuam ao cumprir os critérios propostos, de acordo com a seguinte divisão: 45% para unidades de conservação; 30% para melhoria da qualidade da água, através de saneamento básico; e 25% para gestão dos resíduos sólidos, como coleta seletiva e aterros sanitários.
 Dentro dos critérios, há quesitos que oferecem mais reconhecimento, como no caso de São Pedro da Aldeia, que sedia um aterro sanitário que é utilizado por outros cinco municípios.

Fabiana Paiva

COMPARTILHE

Instituto Estadual do Ambiente coloca 16 rios do Estado em alerta de cheia

O Sistema de Alerta de Cheias do Inea (Instituto Estadual do Ambiente) colocou 16 rios do Rio de Janeiro em alerta para a possibilidade de transbordamento na região serrana, norte e noroeste do Estado. O aviso foi emitido para as cidades de Nova Friburgo e Bom Jardim, na região serrana, e Laje do Muriaé, Itaperuna, Cardoso Moreira, Italva, Porciúncula, Natividade, Santo Antônio de Pádua, Bom Jesus do Itabapoana e Campos dos Goytacazes, nas regiões norte e noroeste do Estado.

R7

COMPARTILHE

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Serviço Geológico do Estado conclui mapeamento de risco de 18 municípios

DRM já entregou resultados do levantamento a novo grupo de cidades estudadas, das quais oito são da Serra

O Serviço Geológico do Estado (DRM-RJ) concluiu o mapeamento de risco iminente de escorregamentos de mais um grupo de municípios – 18. São cidades das Regiões Serrana (8), Médio Paraíba (4), Centro-Sul (4) e Norte (2). Os produtos do levantamento – mapas e relatórios – já foram entregues às prefeituras das áreas estudadas. Cantagalo, na Região Serrana, é o município com situação mais crítica: 1.504 pessoas em risco iminente e 376 casas expostas. O DRM já iniciou o trabalho de mapeamento de mais 18 cidades, que será concluído em julho, finalizando o levantamento de risco iminente de todo o estado.

Os municípios que acabaram ser mapeados são Cantagalo, Carapebus, Carmo, Cordeiro, Duas Barras, Levy Gasparian, Macuco, Paraíba do Sul, Porto Real, Quatis, Quissamã, Rio das Flores, Santa Maria Madalena, São Sebastião do Alto, Sapucaia, Trajano de Moraes, Três Rios e Valença. O levantamento revela, no total, 11.437 pessoas expostas, 2.894 casas ameaçadas e 501 setores de risco iminente. Em relação ao número de pessoas expostas, Três Rios apresenta 1.497 e Valença, 1.040.

O programa de mapeamento do DRM-RJ, iniciado em 2010, já repassou a 67 municípios, em sintonia com a Lei Federal de Proteção Civil (Lei 12.608/2012), instrumentos técnicos necessários à elaboração de seus Planos de Contingência e Planos Municipais de Redução do Risco. O total referente aos 67 municípios mapeados é: pessoas expostas: 47.782; casas ameaçadas: 11.651; setores de risco iminente: 2.537.

Vinculado à secretaria estadual de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços, o DRM-RJ entregará em julho o mapeamento de mais 18 municípios, concluindo o levantamento de risco iminente de todo o estado. O novo grupo reúne cidades com situação geológica menos problemática – como algumas da região dos Lagos -, motivo pelo qual ficou por último a ser estudado. O mapeamento tem sido feito com recursos do Fecam/SEA.


 Ascom da DRM

COMPARTILHE

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Ônibus se envolve em acidente, cai de ribanceira e tomba dentro de rio em Magé

Um acidente envolvendo dois ônibus e um carro, na tarde desta quinta-feira, em Magé, na Região Metropolitana do Rio, terminou com um dos coletivos tombando de uma ribanceira de aproximadamente oito metros e caindo de ponta a cabeça no Rio Inhomirim, que corta o município. A colisão aconteceu na Estrada do Goiabal, na localidade de Raiz da Serra.
Segundo o Corpo de Bombeiros, apenas uma vítima, identificada como Marcelo Aguiar, de 31 anos, foi atendida no local e encaminhada para o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes. Ainda não há informações sobre o estado do ferido, que seria o motorista do ônibus que caiu no rio.


G1

COMPARTILHE

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Prefeito de Petrópolis destina verba do carnaval para a saúde

No começo desta semana, o prefeito de Petrópolis, Rubens Bomtempo (PSB), anunciou o cancelamento dos desfiles de Carnaval das escolas de samba da cidade. O objetivo da medida é destinar para a saúde a verba de aproximadamente R$ 1 milhão que seria gasta com o evento.
BomTempo faz questão de ressaltar a compreensão das agremiações. “Eu gostaria de agradecer a todas as escolas de samba que entenderam a gravidade da situação e apoiaram a medida. Não enfrentamos oposição”, destaca Rubens.
A medida foi tomada em reunião com o presidente da Fundação de Cultura e Turismo, Juvenil Santos, além de representantes dos blocos e escolas de samba da cidade. Segundo o prefeito, a decisão não era prevista durante a campanha eleitoral de 2012. “Ao assumir a gestão, percebi que era preciso organizar mais o município e que a prioridade era, sem dúvidas, a saúde”.
O desfile de blocos na cidade, bem como a realização de eventos como o Baile dos Fantasmas e o Banho a Fantasia, poderão ocorrer normalmente, pois a medida afetou somente o Carnaval oficial do centro da cidade. Segundo Bomtempo, a medida pode não ser a única deste tipo a ser tomada. “Preferimos pensar em uma coisa de cada vez, mas se for preciso, não descartamos outros cortes em prol da saúde”, disse.
Eleito em outubro de 2012, ele explicou que, por se tratar de uma questão urgente, não houve tempo de planejar projetos que mantivessem a realização do desfile arrecadando fundos para o município. “Esta era a medida mais segura e garantida a ser tomada para garantir a verba extra para a saúde”, conclui o prefeito.

com informações do SRZD

COMPARTILHE

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Noroeste Fluminense inaugura dois centros de hidratação contra a dengue

Mais dois centros de hidratação contra a dengue serão abertos no Estado do Rio de Janeiro neste fim de semana: Cambuci e Miracema, no Noroeste Fluminense. Ao todo, serão cinco unidades na região (Aperibé, Italva e Santo Antônio de Pádua já foram instalados), com capacidade para atender, cada centro, 300 pessoas por dia. Os municípios também irão receber insumos, materiais informativos, além de ações de bloqueio com vedação de criadouros de mosquitos. Aperibé, Miracema e Cambuci estão com alto índice de transmissão da doença.
- As chances de epidemia de dengue nessas cidades são grandes. A Secretaria de Estado de Saúde tem o papel de avaliar a capacidade de atendimento nesses municípios e alertar a população sobre a prevenção da doença – disse o superintendente de Vigilância Epidemiológica e Ambiental, Alexandre Chieppe.
Nesta sexta-feira, quatro equipes da subsecretaria de vigilância em saúde, atenção básica e humanização da Secretaria de Saúde visitarão os municípios de São José de Ubá, Aperibé, Italva, Santo Antônio de Pádua, Cambuci e Miracema. O objetivo é auxiliar, em conjunto com as secretarias de saúde de casa cidade, na capacitação de profissionais, no monitoramento do fluxo e condições de atendimento à população.
No sábado, a praça central de Aperibé receberá uma grande ação de mobilização no combate à dengue. A Secretaria de Estado de Saúde, junto com a secretaria de saúde da cidade, organizará um mutirão de limpeza da cidade, além de palestras e distribuição de materiais informativos. Equipe de animadores estará no local para conscientizar as crianças, que receberão informações sobre prevenção da doença e poderão ver amostras de larvas do mosquito transmissor Aedes Aegypti.

Campanha 10 Minutos Contra a Dengue
A campanha da Secretaria de Saúde é o tom de alerta para evitar um alarme neste verão, sendo uma importante ferramenta de conscientização para a necessidade de todos se engajarem no combate ao foco do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença. A iniciativa da campanha – elaborada em conjunto com a Fundação Oswaldo Cruz/Fiocruz – foi inspirada em uma das estratégias adotadas pelo governo de Cingapura para controlar o Aedes aegypti, conseguindo interromper a epidemia que o país enfrentava entre 2004 e 2005.

Fonte: Correio do Brasil

COMPARTILHE

Santo Antônio de Pádua, RJ, sofre com surto de dengue

Cidade teve 851 casos entre outubro de 2012 e janeiro deste ano.
Além dos vários casos, foi constatada a presença do vírus tipo quatro.


Santo Antônio de Pádua, noroeste do estado do Rio de Janeiro, teve confirmados 851 casos de dengue, entre outubro do ano passado e janeiro de 2013. A situação do município pode ser considerada um surto da doença, já que a cidade tem cerca de 50 mil habitantes. Além da possível epidemia, foi constatada a presença do vírus tipo quatro.
O trabalho de combate à dengue funciona se houver o trabalho coletivo, ou seja, cada um deve  fazer a limpeza do quintal, da caixa d'aǵua e não deixar água limpa parada. Porém não é isso que acontece em alguns lugares. Rosimar da Costa, moradora de Santo Antônio de Pádua, é cuidadosa com casa, mas o telhado do vizinho preocupa, pois a caixa d' água está sem tampa, podendo ser um criadouro do mosquito da dengue.
O único hospital público da cidade já tem um departamento especial para tratar pacientes com a doença. A situação é ainda mais preocupante com a chegada do vírus tipo 4 da dengue, que não é mais grave que os outros três, mas voltou a circular depois de 30 erradicado no Brasil.
O carro que joga inseticida para combater o mosquito transmissor da doença, conhecido como fumacê, passa todos os dias, pelas ruas da cidade, mas não resolve o problema.

Fonte : G1

COMPARTILHE

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Xerém gastará até R$ 35 milhões para se recuperar de chuvas, diz prefeito

 

O prefeito de Duque de Caxias, Alexandre Cardoso, estima entre R$ 25 milhões e R$ 35 milhões os recursos necessários para recuperar Xerém, local mais atingido da cidade com as chuvas que caem desde o início da madrugada desta quinta-feira (3). Para ele, a decretação do estado de emergência na cidade deve agilizar a liberação da verba.
Segundo Alexandre Cardoso, o dinheiro será usado prioritariamente na reconstrução de três pontes que desabaram e na indenização social de desabrigados que perderam suas casas. “Em vez de pagar aluguel social a essas pessoas, eu queria dar dinheiro para que essas pessoas pudessem comprar seus imóveis. Para isso, quero buscar mecanismos junto ao Ministério Público”, disse o prefeito.
Os desabrigados estavam sendo levados para duas igrejas metodistas, uma na Praça da Mantiqueira e outra próximo onde uma ponte caiu. No meio da tarde, a Igreja Católica também ofereceu vagas para quem está sem teto.
A Prefeitura de Duque de Caxias estima que cerca de 500 pessoas estejam desabrigadas e mais de mil desalojadas. O Governo do Estado encaminhou 400 colchonetes e 300 cestas básicas. Nesses locais também está sendo feito atendimento médico e realizada vacinação contra tétano.
As autoridades não descartam a possibilidade de que tenha havido mais mortes, já que alguns moradores contam ter testemunhado pessoas serem levadas pela enxurrada.
O governador Sérgio Cabral determinou na manhã desta quinta a formação de um gabinete de crise no Centro Estadual de Gestão de Desastres (Cestad), em virtude das fortes chuvas que caíram na madrugada em cidades da Baixada Fluminense. Através do Twitter do Governo do Estado, foi informado, às 13h16, que serão enviados 100 kits com cama e colchonetes e 100 kits de higiene pessoal para uma igreja que já conta com 100 desabrigados em Duque de Caxias.

Fonte :G1

COMPARTILHE

Compartilhe