domingo, 25 de agosto de 2019

Talles brilha e Vasco vence o São Paulo pelo Campeonato Brasileiro



O Vasco venceu o São Paulo por 2 a 0, neste domingo (25/8), em São Januário e chegou ao quarto triunfo consecutivo atuando no Caldeirão, que recebeu mais de 20 mil torcedores, pelo Campeonato Brasileiro. Os gols vascaínos foram marcados pelo atacante Talles e pelo volante Fellipe Bastos. 

O próximo compromisso do Gigante da Colina na competição será diante do Cruzeiro, no próximo domingo (1/9), às 19h, no Mineirão.
O JOGO

O Vasco começou com tudo. Logo no primeiro minuto, Talles quase abriu o placar, mas a jogada já estava parada pela arbitragem. Aos 6, Marrony protegeu bem, passou pela marcação de Anderson Martins e bateu com perigo de fora da área. A pressão continuou e três minutos depois, Marrony arrancou, travou e viu a passagem de Raul, que bateu na saída de Volpi. 

Melhor opção de ataque do Vasco na primeira etapa, Marrony quase marcou aos 22, quando arrancou da direita, puxou para o meio e chutou rasteiro, mandando muito perto do gol. Aos 35, após intervenção do VAR, O árbitro Anderson Daronco expulsou Raniel, do São Paulo. Aos 48, Talles fez lindo domínio após cruzamento e bateu por cima do gol, quase abrindo o placar.

A segunda etapa começou da mesma maneira, com o Gigante da Colina buscando o gol. Logo aos 3, Talles lançou Marrony no fundo, ele cruzou para Rossi que tentou o voleio, mas mandou por cima. Pouco depois, o time buscou o atacante de novo, que não aproveitou o cruzamento. O gol veio aos 11. Danilo cobrou escanteio, Castan desviou e Talles teve tempo para dominar e bater: VASCO 1 a 0. Foi o primeiro gol do garoto pela equipe profissional. 

O Vasco seguiu em cima e aos 32 quase ampliou. Fellipe Bastos roubou bola no meio e lançou Rossi na velocidade. O camisa 7 dominou e bateu forte, para defesa do goleiro. Três minutos depois, Talles bateu de fora, o goleiro espalmou e a bola sobrou para Rossi, que cruzou. Danilo deixou passar, respirou e cruzou na área para Fellipe Bastos completar: VASCO 2 a 0. Com ótima vantagem no placar, o Cruzmaltino apostou no contra-ataque e por pouco não ampliou. Fim de jogo, vitória vascaína e festa no Caldeirão.


COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Seguro facultativo garante benefícios do INSS a quem não tem emprego


Donas de casa e estudantes estão entre os que podem contribuir

Todos os contribuintes que fazem o recolhimento sobre o salário
 mínimo podem optar pelo pagamento trimestral
Foto: Antonio Cruz


Cidadãos que não exercem atividade remunerada, como donas de casa, estudantes e desempregados, podem contribuir para a Previdência Social e, assim, garantir benefícios como auxílio-doença, aposentadoria, salário-maternidade e pensão para os dependentes. Este é o segurado facultativo, uma categoria de contribuinte válida para pessoas com mais de 16 anos.

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) também oferece a opção de recolhimento para contribuintes individuais (autônomos - têm fonte de renda) e microempreendedores individuais, além da obrigatoriedade de contribuição para aqueles que têm carteira assinada.

Segundo a Secretaria da Previdência do Ministério da Economia, o último dado disponível sobre segurados facultativos é de 2017. Naquele ano, eles eram 1,210 milhão de contribuintes, 2,36% do total de segurados do INSS.
Número de contribuintes para o Regime Geral de Previdência Social – 2017
Total: 51.138.581
Empregados: 39.051.846
Contribuinte Individual: 9.408.057
Trabalhador Doméstico: 1.466.080
Facultativo: 1.210.495
Segurado Especial: 2.103



Por estar desempregado, o consultor administrativo-financeiro Laércio da Rocha Guilherme, de 55 anos, contribui como segurado facultativo há cerca de dois anos e seis meses. O objetivo de Guilherme é ganhar tempo de contribuição para a aposentadoria, enquanto não consegue recolocação no mercado de trabalho. “Como fiquei sem vínculo empregatício, vai contar como tempo de contribuição”, disse.
Uma das formas de contribuição como segurado facultativo e que dá direito a todos os benefícios previdenciários é com a alíquota mensal de 20%. A alíquota é aplicada sobre valores entre o salário mínimo (R$ 998,00) e o teto previdenciário (R$ 5.839,45). Ou seja, o mínimo que pode ser pago é R$ 199,60 (20% do salário mínimo) e o máximo, R$ 1.167,89 (20% do teto).
Há duas outras opções de contribuição: o Plano Simplificado de Previdência, com alíquota de 11% do salário mínimo (R$ 109,78) e o Facultativo de Baixa Renda, com alíquota de 5% do salário mínimo (R$ 49,90). De acordo com as regras atuais, nesses dois tipos de contribuição, o segurado tem direito a todos os benefícios da Previdência Social, exceto à aposentadoria por tempo de contribuição, ou seja, a aposentaria é por idade.
A modalidade Facultativo de Baixa Renda é exclusiva para homem ou mulher de famílias de baixa renda e que se dedique exclusivamente ao trabalho doméstico na sua residência (dona de casa) e não tenha renda própria (incluindo aluguel, pensão alimentícia e pensão por morte, entre outros valores). Nesse caso é preciso ter renda familiar de até dois salários mínimos, sendo que o Bolsa Família não entra no cálculo; estar inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico), com situação atualizada nos últimos dois anos. A inscrição do cadastro é feita no Centro de Referência e Assistência Social (CRAS) do município.
Pagamento
Todos os contribuintes que fazem o recolhimento sobre o salário mínimo podem optar pelo pagamento trimestral. Para isso, eles devem usar o código específico de contribuição trimestral e contribuir com valor de remuneração mensal multiplicado por três.
No caso do pagamento mensal, o prazo para pagamento da contribuição dos facultativos é sempre o dia 15 de cada mês, prorrogando-se para o dia útil subsequente quando não houver expediente bancário.
Quando o atraso do pagamento é superior a seis meses, o contribuinte facultativo perde a condição de segurado e, consequentemente, o acesso aos benefícios do INSS.
Inscrição
Para se inscrever como facultativo, o segurado pode ligar para o telefone 135. Se o segurado tiver o número do Programa de Integração Social (PIS) e do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep), não precisa se inscrever na Previdência. Nesse caso, o número desse documento deverá ser anotado na guia de contribuição (GPS). Essa guia poderá ser preenchida e impressa no site da Previdência ou adquirida em papelarias.
No site do INSS, há a lista de códigos de pagamento para gerar a guia de contribuição.
Vale a pena contribuir como facultativo?
O advogado Alexandre Vasconcelos, membro da Comissão Especial de Direito Previdenciário da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), considera a contribuição facultativa benéfica para os cidadãos por envolver “uma proteção social ampla”. “A Previdência Social concede benefícios em diversas situações: idade avançada, tempo de contribuição mínimo, em caso de incapacidade temporária, invalidez permanente, salário-maternidade, em caso de prisão, a família recebe o auxílio, pensão por morte. A previdência pública tem uma teia de proteção social muito alargada”, disse o advogado. Ele destacou que, no caso da previdência privada, não há atualmente garantia de valor mínimo de aposentadoria.
Vasconcelos esclareceu que a reforma não traz nenhuma mudança específica para o segurado facultativo. “A mudança é para todos os tipos de segurados: facultativo, autônomo, trabalhador com carteira assinada. O segurado facultativo que vier a se tornar incapaz fará jus ao auxílio-doença, ou ao se tornar inválido, fará jus à aposentaria por invalidez”, disse.



Com a reforma da Previdência, lembrou Vasconcelos, o calculo de benefícios como auxílio-doença e aposentadoria de invalidez vai mudar para todos os segurados. No caso do auxílio-doença, atualmente são pagos 91% do salário de benefício do segurado e da aposentaria por invalidez, 100%. “Com a reforma, a regra geral será 60% da média [do salário] e mais 2% do que ultrapassar 20 anos de tempo de contribuição. Não importa se é autônomo, facultativo, se é trabalhador regido pela CLT [Consolidação das Leis do Trabalho]. A aposentaria por invalidez só será 100% se for decorrente de acidente de trabalho”, disse.
O advogado acrescentou que o cálculo da aposentadoria é feito atualmente com base nos 80% maiores salários. São desconsiderados os 20% menores valores. “Com a reforma, vai ser feito o cálculo com 100% dos salários de contribuição. Então, isso também faz cair o valor da média e, consequentemente, o valor do benefício.”
“A reforma da Previdência tem cinco pilares: fazer você pagar mais, por mais tempo para receber menos, por menos tempo. O segurado facultativo, assim como os outros, receberá menos. Agora quem contribui na base de um salário mínimo, terá o salário mínimo garantido. Quem ganha mais, o benefício vai se reduzir. O quinto pilar da reforma é, com tudo isso, fazer você migrar para uma previdência complementar, privada”, disse.
Vasconcelos lembrou que o governo pretende enviar uma proposta de emenda à Constituição (PEC) para criar um sistema de capitalização, que não passou pela Câmara dos Deputados durante a tramitação da reforma da Previdência. A capitalização é um sistema em que cada trabalhador tem uma conta individual de Previdência.



O sistema de capitalização integrava a proposta de reforma da Previdência enviada pelo governo federal em fevereiro para a Câmara, mas o relator da PEC na Comissão Especial da Câmara, Samuel Moreira (PMDB-SP), retirou esse item de seu parecer. A reforma da Previdência agora está em tramitação no Senado.
O governo enviou a proposta de reforma da Previdência por considerar o sistema atual insustentável no longo prazo, devido ao crescente déficit. Nos 12 meses encerrados em junho deste ano, o déficit da Previdência estava em R$ 199,117 bilhões, de acordo com dados do Banco Central.
Mudança no texto
Atualmente, o Artigo 201 da Constituição Federal determina que a Previdência tenha cobertura para eventos de "doença, invalidez, morte e idade avançada." O texto da reforma muda essa redação, dizendo que a cobertura será para "eventos de incapacidade temporária ou permanente para o trabalho e idade avançada".
Segundo a Secretaria de Previdência do Ministério da Economia, essa alteração no texto “modernizou o conceito de afastamento, para que seja considerada a incapacidade para exercer a atividade habitual, e não a doença em si”. “O critério é utilizado em vários países do mundo. O contribuinte obrigatório continua a ter direito ao auxílio-doença, se comprovada incapacidade para o trabalho. O contribuinte facultativo – caso de estudantes e donas de casa, por exemplo – também continua com direito ao auxílio, se comprovada incapacidade para exercer sua atividade habitual.”

EBC

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

sábado, 24 de agosto de 2019

Pequenos negócios criaram 95% das vagas em julho, diz Sebrae


Setor de serviços gerou maior número de empregos com carteira assinada

As micro e pequenas empresas criaram 41,5 mil empregos com carteira assinada no mês de julho. Os dados foram compilados pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Segundo o levantamento, os pequenos negócios foram responsáveis por 95% dos empregos gerados em todo o país.

Com os números das grandes empresas e da administração pública, foram criados 43,8 mil empregos formais. De janeiro a julho deste ano, as micro e pequenas empresas abriram 437,6 mil vagas, 2,4% acima do registrado no mesmo período do ano passado.
O presidente do Sebrae, Carlos Melles, disse que esses empreendedores são a alavanca para a economia e vitais para a geração de emprego e renda no país. Segundo Melles, é mais um motivo para que o país invista em melhoria do ambiente de negócios do setor, diminuição da burocracia e incentivo à competitividade.
Os pequenos negócios do setor de serviços foram os que mais criaram vagas (20 mil). Os destaques foram o ramo imobiliário, com 15,2 mil empregos, e o setor da construção civil, com 14 mil postos.
São Paulo liderou a geração de empregos em julho, com mais 12,8 mil vagas, seguido por Minas Gerais, com 7,5 mil. A Região Sudeste teve o maior volume de novos postos (20 mil), seguido pelo Centro-Oeste, com 6,7 mil vagas.
 
Publicidade

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Correios será a 1ª estatal privatizada pelo governo Bolsonaro

A privatização dos Correios e de outras estatais brasileiras faz parte do Programa
 de Parcerias e Investimentos (PPI) do governo
Marcos Oliveira/ Agência Senado
 


A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos será a primeira estatal privatizada entre as 17 companhias que apareceram na lista anunciada ontem (22) pelo ministro da economia, Paulo Guedes. A informação foi confirmada pelo presidente Jair Bolsonaro também nesta quarta-feira, segundo informa o Estado de S.Paulo.

O presidente disse que a empresa de entregas será o ponto de partida no movimento das privatizações enquanto saia do Palácio da Alvorada. Ao ser questionado por jornalistas se a mudança ocorreria ainda este ano, o chefe de estado comentou que esse é "um processo bastante longo" e que precisa de aprovação do Congresso.




A privatização dos Correios e de outras estatais brasileiras faz parte do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI) do governo. A lista de empresas que devem ser vendidas também inclui nomes como a Telebrás, a Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores, Casa da Moeda e Empresa Brasil de Comunicação (EBC).
De acordo com o ministro da economia, Paulo Guedes, as empresas fazem parte de uma primeira leva de privatizações, processo que deve ser expandido a partir do ano que vem.
Apesar da vontade do ministro e o apoio do presidente, todo o processo de privatização também precisa ser aprovada pelo Congresso. No caso dos Correios, segundo aponta o Canaltech, seria necessário que pelo menos três quintos dos políticos, em duas rodadas, votem a favor de uma PEC para alterar a Constituição e liberar a empresa para a venda.

Tecmundo c/ Canaltech Estadão



COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Prefeitura de Pirapetinga convida a população para reunião informativa sobre o trânsito no município


Prefeito Enoghalliton

A prefeitura de Pirapetinga, convida a população para participar da reunião informativa sobre o trânsito no município, que ocorrerá nesta quinta-feira, dia (22), às 18:00 horas, em frente ao prédio da prefeitura.

Na última segunda, o prefeito Enoghalliton, esteve em Belo Horizonte na sede do DEER/MG com o objetivo de trazer uma solução para o trânsito da cidade. Segundo o prefeito, o diretor do departamento disse não ter um real de orçamento para realização da obra, e que o município teria que arcar com os custos.
Pirapetinga

Em um vídeo postado na página da prefeitura no facebook, o chefe do executivo pede apoio e união da população e disse que sua intenção não é atrapalhar quem passa pela BR e muito menos os munícipes.

Texto: Marco Sameiro

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Servidores públicos poderão ter salário reduzido com aval do STF


Ministros da Corte vão julgar ação que trata da redução de jornada mediante adequação dos vencimentos


A dificuldade enfrentada por diversos estados em suas finanças ainda é pauta levada por governadores ao Supremo Tribunal Federal (STF). E em meio à essa crise no país, os ministros da Corte vão julgar, na próxima quarta-feira, ação que trata da possibilidade de redução de salários de servidores públicos de qualquer ente da federação mediante a diminuição de jornada de trabalho. O tema já foi pautado para ir ao plenário por três vezes, mas não houve julgamento.

Ainda que a Corte libere a medida, isso não está nos planos do governo fluminense, como já declarou à Coluna o secretário de Fazenda do Estado do Rio, Luiz Cláudio Carvalho. "O estado não precisa tomar nenhuma iniciativa dessa natureza", afirmou ele, em edição publicada no dia 14 de abril.

A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 2238 foi proposta em 2001 pelo PT, PCdoB e PSB e questiona alguns itens da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), como o parágrafo 2º do Artigo 23. O dispositivo possibilita a redução de jornada com a adequação salarial, quando as despesas com a folha de pessoal ultrapassam o limite previsto na LRF, sendo uma medida opcional ao governo, e ao Poder (como Legislativo e Judiciário).

Esse dispositivo foi suspenso por liminar do Supremo, concedida em pedido feito nesta ação. Mas no julgamento de quarta-feira é que o colegiado vai bater o martelo e decidir o mérito.

Ainda que não seja uma medida obrigatória, se for autorizada, municípios, estados e governo federal, além dos Poderes Judiciário e Legislativo poderão lançar mão dessa iniciativa para voltar aos índices determinados pela LRF.


E quando os gastos com pessoal estouram, também são previstas outras ações, como o enxugamento em pelo menos 20% dos gastos com comissionados e cargos de confiança.

Vale lembrar que há uma pressão para o STF dar aval à redução de vencimentos. Em fevereiro, secretários de Fazenda de sete estados enviaram carta ao Supremo para que os ministros restabeleçam o dispositivo. Assinaram o documento os de Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás, Pará, Paraná, Alagoas e Mato Grosso do Sul.

Publicidade

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Sequestrador de ônibus na ponte Rio-Niterói é morto; veja o vídeo



O sequestrador de um ônibus na ponte Rio-Niterói foi morto por snipers (atiradores de elite), encerrando, assim, o drama de dezenas de passageiros que eram feitos reféns desde as 5h30 desta terça-feira (20/08/2019). 

Por volta de 9h, cerca de três horas e meia após o início da ação, o homem ainda não identificado desceu do coletivo e jogou uma mala para os negociadores. Quando ia subir a escada para retornar ao veículo, foi atingido. Segundo a polícia, o revólver do sequestrador era de brinquedo. 

Em seguida, o coletivo foi cercado e uma maca deixada ao lado do ônibus. As pessoas que estavam perto da área do ocorrido aplaudiram o modus operandi dos policiais.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL), ao deixar o Palácio da Alvorada, defendeu a ação de snipers para acabar com o sequestro na ponte Rio-Niterói. O governador do Rio, Wilson Witzel (PSL), esteve no local depois de o sequestro chegar ao fim. 

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

DEER-MG dá carta branca para Prefeitura de Pirapetinga

Segundo o Departamento, o perímetro urbano é de responsabilidade da prefeitura de Pirapetinga

Prefeito Enoghalliton, vice-prefeito Marquinhos e vereadores em Belo Horizonte

Recentemente o prefeito de Pirapetinga, Enoghalliton, interditou o principal trecho da BR 393, km 0 até 12,5 que o corta o município, para fazer obras de manutenção. De acordo com o prefeito, essas obras são para melhorar a rede pluvial.
Durante a interdição, quem utiliza a BR deverá fazer o seguinte itinerário: 1 - Vindo do Espirito Santo ou Rio de Janeiro no sentido de Além Paraíba-MG, acessar a BR-356 próximo ao município de Itaperuna-RJ até o município de Muriaé/MG, em seguida seguir na BR-116; 2 - Partindo da BR-356 pela RJ-116, acessar a MG-285 próximo ao município de Miracema-RJ, até a Entrº com a BR-116 no município de Laranjal-MG; 3- Na MGC-393 vindo de Sapucaia para o município de Santo Antônio de Pádua, acessar a BR-116 próximo à Além Paraíba, até o município de Laranjal e acessar a MG-285 até o estado do Rio de Janeiro, ou ir até Muriaé e pegar a BR-356.


A rodovia é de concessão do DEER-MG (Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais), que disse ser responsável pelo trecho rodoviário e não pelo que passa dentro da cidade, ou seja, o perímetro urbano é de responsabilidade da prefeitura de Pirapetinga.
Vale lembrar que o prefeito Eno está em Belo Horizonte com seu vice e alguns vereadores a fim de buscar soluções para uma Pirapetinga melhor.


COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Servidor público agride paciente em posto de saúde; veja o vídeo



Um servidor público agrediu um paciente que aguardava atendimento em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Jardim do Sol, de Londrina, no norte do Paraná, na noite deste domingo (18).

Um vídeo gravado por um outro paciente que estava na unidade mostra o momento da agressão. Veja o vídeo acima.

As imagens também mostram o paciente, que estava com o braço enfaixado, sendo levado para dentro de uma das salas da UPA após a briga.

O prefeito de Londrina Marcelo Belinati (Progressistas) informou pelas redes sociais que pediu à Corregedoria-Geral do município o afastamento imediato do servidor envolvido, apuração rigorosa dos fatos e abertura de um processo administrativo.

Funcionários da UPA afirmaram que o paciente abriu portas de salas da unidade antes da agressão.

"Independentemente do que tenha ocorrido anteriormente, e que será apurado, nada justifica uso de violência", afirmou o prefeito.

A direção da UPA não informou se ele foi atendido ou encaminhado para outra unidade.

O que diz o paciente

O advogado de Leonardo Gomes da Silva, rapaz que foi agredido, disse que o cliente foi levado à UPA porque quebrou o braço após cair de uma escada. Na unidade, funcionários pediram para ele buscar alguns medicamentos.

"Como ele não sabia onde era a sala para retirar os remédios, ele foi indo de sala em sala. É falsa a acusação dos funcionários da UPA de que ele foi lá para furtar, ele estava lá para receber uma atendimento, mas foi enxotado a tapas e ponta pés", detalhou o advogado Rafael Moraes.

Leonardo fez um Boletim de Ocorrência na Polícia Civil e deve ir ao Instituto Médico-Legal (IML) fazer um exame de corpo de delito.

Boletim de Ocorrência

Depois da confusão, o técnico de enfermagem fez um boletim de ocorrência contra o paciente na Polícia Civil. Disse que também foi vítima.

O funcionário afirmou em depoimento que assumiu o plantão às 19h e o rapaz já tinha passado por atendimento na ortopedia, mas estava na unidade. O técnico de enfermagem relatou que o rapaz não quis ir embora, entrou na área interna da UPA, tentou entrar em algumas salas e ameaçou funcionários dizendo que era ladrão.

O servidor acrescentou que foi até o rapaz, pediu que ele deixasse a unidade, no entanto foi agredido com socos nas costas.

Depois de descerem ao primeiro andar, os dois entraram em luta corporal e o rapaz agredido foi contido por funcionários. Quando a Guarda Municipal chegou na unidade de pronto atendimento, o rapaz agredido fugiu.

Publicidade

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

domingo, 18 de agosto de 2019

Aposentado do INSS receberá antecipação do 13º em agosto


O valor que corresponde a 50% do benefício será creditado na conta do segurado junto com o pagamento de agosto, que vai de 26/8 a 06/9

Pagamento será de 26/08 a 06/09
Bruno Rocha/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Os aposentados e pensionistas do INSS vão receber a primeira parcela do 13º salário no fim de agosto, junto com o pagamento mensal. O valor que corresponde a 50% do benefício que o segurado recebe será creditado no calendário de pagamento, que vai de 26/8 a 06/9, sempre de acordo com número final da aposentadoria ou pensão.
No último dia 5, o secretário especial de Previdência, Rogério Marinho, anunciou a antecipação da primeira parcela do 13º salário em agosto, que passa a ser uma regra, garantida por lei, com uma Medida Provisória assinada pelo presidente Jair Bolsonaro.
O pagamento da primeira parcela junto com o benefício de agosto não era obrigatório. A legislação prevê o crédito da primeira parcela do 13º junto com os vencimentos de novembro e o da segunda parcela, até 20 de dezembro.
Mas a antecipação é realizada desde 2006, após acordo firmado com entidades sindicais. Apenas em 2015, no governo de Dilma Rousseff, o pagamento atrasou, por falta de recursos, e acabou sendo pago em setembro, após pressão dos sindicatos.
A estimativa é que essa antecipação chegue a R$ 21 bilhões, que vão beneficiar cerca de 30 milhões de segurados. Não haverá desconto de Imposto de Renda nessa primeira parcela do 13º salário. O imposto só será cobrado no pagamento da segunda parcela, em novembro e dezembro.


Quem tem direito
Mas nem todo mundo terá direito à parcela integral do 13º, correspondente a 50% do valor do benefício. Isso acontece, por exemplo, com o segurado que passou a receber a aposentadoria ou pensão depois de janeiro deste ano. Nesse caso, o valor será proporcional aos meses em que terá recebido o benefício ao longo deste ano.
Tomando como exemplo um segurado que se aposentou em abril deste ano, constatamos que o seu 13º não será integral, mas o equivalente a 9/12 do valor do seu benefício, e a primeira parcela do abono vai corresponder à metade disso.
Supondo ainda que esse segurado tenha um benefício de R$ 2 mil, o seu 13º vai corresponder a R$ 1,5 mil (9/12 de 2.000). Portanto, nesse caso, a primeira parcela do abono desse aposentado será de R$ 750.
Os que recebem auxílio-doença também terão a primeira parcela menor que os 50%. Como esse benefício é temporário, o INSS calcula a antecipação proporcional ao período. Por exemplo, um benefício iniciado em janeiro e ainda em vigor em agosto terá o 13º terceiro salário calculado sobre oito meses. O segurado receberá, portanto, metade deste valor.
Em dezembro, caso ainda esteja afastado, o segurado irá receber o restante. Se tiver alta antes, o valor será calculado até o mês em que o benefício vigorar e acrescido ao último pagamento do benefício.

R7 C/ Agência Estado


COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

Exposição de carros antigos começa nesta sexta em Petrópolis


Evento acontece até domingo (18) no Parque de Exposição de Itaipava e conta ainda com shows, espaço kids e food trucks, além do sorteio de dois carros

 
Exposição de carros antigos irá movimentar o fim de semana em Petrópolis
Foto: Serra Bugs/Divulgação

Uma exposição de carros antigos começa nesta sexta-feira (16) em Petrópolis, na Região Serrana do Rio. Esta é a quinta edição do Serra Bugs, que vai até domingo (18) no Parque de Exposição de Itaipava.

O evento vai contar anda com shows, exposições, venda de peças antigas de carros, espaço kids e food trucks. Os shows serão realizados em dois palcos.

Além das atrações, haverá ainda o sorteio de brindes e dois carros Aircooled. O sorteio dos veículos será realizado no sábado (17) e no domingo.

A entrada é gratuita, mas os organizadores pedem 5 kg de alimentos que serão distribuídos para instituições do município e assim, os visitantes poderão participar do sorteio.

Na edição do ano passado, foram arrecadados 7 toneladas e 380 kg de alimentos. De acordo com os organizadores, 26 instituições de caridade de Petrópolis foram beneficiadas. A meta para 2019 é chegar a 10 toneladas.

Evento terá ainda um espaço kids — Foto: Serra Bugs/ Divulgação


Confira a programação de shows:

Palco principal:
Sexta-feira, 16 de agosto
·         22h - Uns e Outros

Sábado, 17 de agosto
·         13h - Vulgo Rock
·         16h - Banda Pagú
·         18h30 - Trisonica
·         20h30 - Capital Elétrico
·         22h30 - S ou S

Domingo, 18 de agosto
·         11h - Gargamel K
·         13h - André Tavares Rock Band
·         15h - Tokaia & Plataforma

Palco Serra Modas:

Sexta-feira, 16 de agosto
·         19h - Luciana Espeto & Walter Delanno
·         21h - Liga da Justiça

Sábado, 17 de agosto
·         11h - Letícia Laranja e Rodrigo Grande
·         14h30 - Carol Coutas
·         17h - Sanny Oliver

Domingo, 18 de agosto
·         9h30 - Banda Queijo Minas

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Bolsonaro diz que país não tem dinheiro e que ‘ministros estão apavorados’


O Brasil todo está sem dinheiro", disse o presidente


O presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje (16) que os problemas de orçamento do Executivo Federal são graves e que a ausência de recursos terá como um dos impactos a redução da jornada de militares, que trabalhariam durante “meio expediente”. A fala do presidente ocorreu em cerimônia realizada no Palácio do Planalto.
“O Brasil todo está sem dinheiro. Os ministros estão apavorados. O Exército vai entrar em meio expediente. Não tem comida para dar para o recruta. A situação é grave”, disse Bolsonaro.
O presidente fez a afirmação respondendo a perguntas sobre o problema de orçamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O presidente da instituição, João Luiz Filgueiras de Azevedo, afirmou em entrevistas que mais de 80 mil bolsas deixariam de ser pagas em setembro por falta de recursos.
Por meio de nota, o Ministério da Defesa informou que ainda trabalha “com a possibilidade de liberação dos recursos contingenciados”, mas que estuda “alternativas caso se prolongue o referido bloqueio”.

CNPq

Em julho, o CNPq suspendeu a seleção de bolsistas no Brasil e no exterior até o dia 30 de setembro à espera de crédito. Na explicação, o órgão informou que possui um déficit de R$ 300 milhões no orçamento de 2019 e que buscava um crédito suplementar para sanar o rombo.
Ontem o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Marcos Pontes, afirmou que o problema está “sendo resolvido” e que o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, teria “dado a palavra” de que haveria uma solução para o caso com a garantia de recuros. Contudo, Pontes não detalhou como esse acréscimo se daria.
O CNPq é a principal instituição federal financiadora de pesquisas no país juntamente com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). O conselho custeia desde alunos em programas de iniciação científica a projetos de pesquisa de professores e pesquisadores em instituições como universidades e centros de pesquisa.

Bloqueios

O contigenciamento total realizado pelo Executivo Federal somou, até julho, R$ 33,426 bilhões. No mês passado, o governo anunciou novo bloqueio, no valor de R$ 1,443 bilhão. A previsão inicial era de R$ 2,252 bilhões, mas houve o uso de uma reserva no valor de R$ 809 milhões.


COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Compartilhe

CURTA A NOSSA PÁGINA