sábado, 30 de junho de 2012

Governador do Rio anuncia o fim das carceragens nas delegacias

Declaração aconteceu na inauguração da Cadeia Pública Hélio Gomes.
Unidade está localizada em Magé e possui 504 vagas.


O governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral anunciou nesta sexta-feira (29) o fim das carceragens em delegacias, durante a inauguração da Cadeia Pública Hélio Gomes. A unidade fica localizada em Magé, na Baixada Fluminense, e possui 504 vagas.
Segundo Sérgio Cabral, esse número de vagas será suficientes para presos que antes aguardavam julgamento nas delegacias distritais em todo o estado. "A partir de hoje, nenhum detento ficará aprisionado em delegacias de polícia. Este é um resultado que, hoje, está absolutamente consolidado, a partir do trabalho da Secretaria de Administração Penitenciária", explicou o governador.
O governador ressaltou ainda a importância do fim das prisões em delegaciais: "Carceragens em delegacias era um problema grave, uma comoção para familiares dos presos enfurnados nesses lugares sem condições, para os profissionais da polícia civil que não têm esta atribuição e para os habitantes do bairro onde fica a delegacia. É algo que preocupa o Brasil inteiro, mas, hoje, posso anunciar, em alto e bom som, que o Estado do Rio de Janeiro é o primeiro a acabar com o aprisionamento em delegacias".
A nova unidade prisional mede aproximadamente cinco mil m² e foi construída com celas para abrigar até seis detentos. Além disso, há 15 celas de isolamento e oito para visitas íntimas.
O secretário de Administração Penitenciária, Cesar Rubens Monteiro, informou que estão em fase de obras as cadeias públicas São Gonçalo ‘A’ e ‘B’, onde estão sendo investidos, respectivamente, R$ 26,8 milhões e R$ 23,3 milhões. Cada unidade terá capacidade para 597 detentos. Estão em fase de projeto e orçamento unidades prisionais nas regiões Serrana, Centro-Sul Fluminense, Costa Verde e Baixadas Litorâneas.

Fonte: G1

COMPARTILHE

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Rio+20 aqueceu turismo e injetou R$ 68 milhões no Rio de Janeiro

A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, movimentou pelo menos R$ 68 milhões em serviços na cidade de 19 a 22 de julho. A estimativa é do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur) e inclui valores gastos com hospedagem, alimentação, transporte e lazer por visitantes estrangeiros e nacionais participantes dos eventos oficiais.
- Esse valor representa um investimento direto na economia local do Rio de Janeiro, por meio da exportação de serviços turísticos. Mas o principal saldo positivo que fica é o de imagem. O nome da cidade do Rio, que já é nosso destino turístico mais consolidado no exterior, esta sendo ouvido e lido milhões de vezes nas redes sociais e nas reportagens dos correspondentes estrangeiros que trataram da Rio+20 - afirmou o presidente da Embratur, Flávio Dino.
A estimativa, no entanto, considera apenas os participantes dos eventos oficiais. Se considerados os mais de 3 mil atividades paralelas, os números são ainda maiores. Série de megaeventos Este ano, o Brasil subiu para a 7ª posição entre os países que mais recebem eventos internacionais, segundo a Associação Internacional de Convenções e Congressos ( ICCA, pela sigla em inglês) e o Rio de Janeiro é a cidade brasileira que mais recebe eventos internacionais.
- A realização da Rio+20, primeiro da série de megaeventos que o Brasil sediará, difunde mundialmente o nome da cidade e do País como preparados para a realização de eventos de grande porte, o que nos ajuda na meta de estar entre os cinco países que mais recebem eventos internacionais logo depois das Olimpíadas de 2016 - disse Dino.
Até 2014, o Rio de Janeiro será sede da Jornada Mundial da Juventude, da Copa das Confederações e da Copa do Mundo

Agência Rio

COMPARTILHE

Rio inicia sábado segunda etapa da campanha de vacinação contra a raiva animal

O Rio estará promovendo a segunda etapa da campanha de vacinação contra a raiva animal no próximo sábado (30). Segundo a Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil, a meta é imunizar 160 mil cães e gatos e, para isso, contará com mais de 200 pontos de vacinação.
Nesta fase, o “Rio Sem Raiva 2012” chegará a 12 bairros da Zona Oeste. Os responsáveis deverão tomar algumas precauções quando levar o animal para vacinar, como colocar coleira nos cães ou levar os gatos em sacolas de pano ou em gaiolas apropriadas. Cães, gatos e morcegos são os principais transmissores da raiva, que compromete o sistema nervoso do homem, quando contaminado.
Para obter o endereço dos locais de vacinação, que vão funcionar das 8h às 17h, os donos de animais devem ligar para a Central de Atendimento da Prefeitura, no telefone 1746, ou acessar a página da SMSDC na internet, em www.rio.rj.gov.br/web/smsdc.

MS

COMPARTILHE

PAC da Baixada Campista fortalece agricultura no Norte Fluminense

Cerca de 30 mil produtores rurais terão de volta 20 mil hectares de áreas agricultáveis



As obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Drenagem na Baixada Campista estão fortalecendo a economia agrícola do Norte Fluminense. A recuperação do sistema de drenagem dos canais da região devolverá aos mais de 30 mil produtores rurais de Campos dos Goytacazes, São João da Barra, Macaé e Quissamã cerca de 120 mil hectares de áreas agricultáveis.

A primeira fase do programa  inaugurada em maio - incluiu o desassoreamento e a reconstrução do sistema de comportas dos canais da Flecha, São Bento e Quitinguta, que abrangem mais de 70% da Baixada Campista. A obra já
reduziu o risco de inundações nas cidades drenadoras da bacia da Lagoa Feia, principal regulador de nível das águas na região. Esta etapa contou com R$ 97 milhões em recursos.

Iniciativa gera emprego no Norte Fluminense

Com investimento total de R$ 370 milhões dos governos federal e estadual, o PAC irá garantir a produtividade das terras para uso agrícola, como plantação de cana-de-açúcar, principal cultura da região e pastagem. As intervenções, realizadas pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e a Secretaria de Agricultura, também ajudarão a atrair novas indústrias, gerando emprego e renda para a Baixada Campista.

– Com o PAC, que deve ser concluído nos próximos dois anos e com a recuperação de outros canais, as áreas estarão em plena utilização novamente, atraindo, inclusive, empresas para a região.

Essas ações significam um marco para o estado - afirmou o secretário de Agricultura, Alberto Mofati.

Para a manutenção dos canais beneficiados pela primeira etapa do PAC, a empresa operadora do sistema, do grupo EBX, irá contratar mão de obra da região. A ideia é que pescadores e trabalhadores rurais, principalmente de plantações de cana-de-açúcar, possam melhorar suas rendas durante os períodos de entressafra.

COMPARTILHE

Programa odontológico atende por mês 500 atletas do projeto Rio 2016

Consultórios itinerantes vão visitar comunidades pacificadas a partir de julho



Os integrantes do projeto Rio 2016 não estão ligados só ao esporte. O programa odontológico “Sorrindo para o Esporte” atende gratuitamente mais de 500 atletas e professores por mês. A iniciativa da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer que promove a saúde bucal para cerca de 20 pessoas por dia, no Parque Aquático Julio de Lamare, no Maracanã, e na Vila Olímpica de Sampaio, de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h.

Para a coordenadora do programa, Ana Augusta Vasconcelos, o “Sorrindo para o Esporte” é uma oportunidade para que as pessoas possam ter mais cuidado e informação sobre higiene.

- O programa consiste em combater as doenças de cárie e periodontal. Ele tem o objetivo de oferecer medidas preventivas e curativas, por meio da saúde odontológica. Assim, atendemos todas essas pessoas e também ensinamos como devem cuidar da saúde bucal, como a forma certa de escovar os dentes e usar fio dental – relatou a coordenadora Ana Augusta.

Um estudo realizado pelo fisioterapeuta Gilmar Mendes Rangel revelou a importância do tratamento odontológico para o bom desempenho dos atletas. Gilmar escreveu um artigo, com base na experiência adquirida ao trabalhar com atletas da Tailândia.

- Por meio de pesquisa de campo realizada com oitenta e cinco atletas de futebol de três categorias: sub-12 e sub-14, masculinas e femininas, foi observado que a falta de higiene bucal não só têm influencia direta no desempenho do atleta, como também aumenta a chance de lesões musculares - afirmou Gilmar Mendes.

Até o fim de julho, será inaugurado o “odontomóvel”, com dois consultórios que irão realizar atendimentos gratuitos em 22 comunidades do município do Rio de Janeiro.

COMPARTILHE

Governo do Estado inaugura mais uma unidade prisional em Magé

Cadeia Pública terá capacidade para 504 presos em celas individuais e coletivas

O Governo do Estado do Rio de Janeiro e a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) inauguram nesta sexta-feira (29/6) a Cadeia Pública Hélio Gomes, em Magé.

A penitenciária terá capacidade para 504 presos e é uma reestruturação do Presídio que existia na Frei Caneca. Esse é um projeto do programa Delegacia Legal.

A nova unidade possui celas individuais e coletivas, pátios para banho de sol, gabinete para diretor e subdiretor, salas de administração, classificação, inspetoria, psicologia, ambulatório médico e odontológico, além de celas para deficientes, espaços para atendimento religioso, defensoria pública, segurança, vídeo conferência, alojamentos para os inspetores penitenciários, pátio de visitantes com cobertura, entre outros.

COMPARTILHE

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Educação ambiental colhe resultados em Varre-Sai, Noroeste do estado

Alunos participam de projeto de recuperação de mata ciliar incentivado pelo Rio Rural

O programa Rio Rural, da Secretaria Estadual de Agricultura, em parceria com a Secretaria de Educação do município de Varre-Sai, no noroeste do Estado, deu uma importante missão dos alunos do 3º ano da Escola Municipal Primo José Sobreira: plantar mudas de espécies da Mata Atlântica às margens do Ribeirão Varre-Sai e cuidar delas, adubando, regando e acompanhando o crescimento de cada uma, para recuperar a vegetação nativa.

Extensionista da Emater-Rio e produtor rural, Manoel Duarte Ramos Filho idealizou este trabalho de conscientização, iniciado há dois anos. Ele abriu a porteira de seu sítio, onde há uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) de cinco hectares. Duarte levou os alunos do Ensino Fundamental para conhecer o projeto de reflorestamento e, em caráter simbólico, plantar mudas com as próprias mãos.

- A ideia é formar uma nova geração de multiplicadores do conceito de preservação dos recursos naturais. Os alunos poderão acompanhar a recuperação desta área até concluírem o 9° ano - esclarece Duarte.
Valderes Oliveira, professora do 1° ano, participou da implantação do projeto e faz questão de continuar acompanhando os alunos, mesmo não sendo mais responsável pela turma.

- A primeira atividade na propriedade foi a limpeza da área, antes de iniciarmos o plantio das mudas. Desde então, houve uma mudança no comportamento. Eles não jogam lixo na sala, ou nos corredores da escola. E já sabem a importância das árvores para garantir a qualidade do ar e das nascentes de água - diz Valderes.

Em Varre-Sai, o Programa Rio Rural incentivou a implantação de 11 subprojetos de recuperação de mata ciliar nativa, do qual o sítio Santa Cruz é unidade demonstrativa, e dois subprojetos de recuperação de área de recarga, todos em parceria com a SOS Mata Atlântica, que forneceu 41 mil mudas de espécies nativas, através de seu projeto Click Árvore.

Cada muda recebe uma placa, com o nome científico e popular da árvore e do aluno que a plantou. As primeiras mudas já se transformaram em árvores, algumas com mais de cinco metros de altura. É o caso da primeira muda plantada pela aluna Ana Julia, de 10 anos, um sibipiruna que já se destaca na paisagem e em breve estará florido. Os 22 alunos da turma fazem coro na hora de dizer o que aprenderam. "É preciso cuidar da natureza!".

COMPARTILHE

Estado aprova 35 projetos para desenvolver energia sustentável até 2015

Objetivo é promover energia verde, eficiência energética e inovação tecnológica

Às vésperas da realização da Rio+20, que vai de quarta-feira (13) ao dia 22, no Riocentro, o Governo do Estado apresentou o detalhamento e o cronograma dos 35 projetos do Programa Rio Capital da Energia, que serão desenvolvidos para promover a eficiência energética, a inovação tecnológica e a energia verde no estado até 2015. Com participação do governador Sérgio Cabral e do ministro das Minas e Energia, Édison Lobão, na manhã desta segunda-feira (11), no Palácio Guanabara, o comitê estratégico do programa, composto por presidentes de empresas, entidades públicas e privadas e associações ligadas à área de energia, realizou a segunda reunião de trabalho desde sua criação, no ano passado.

O programa, que já assegurou investimentos de pelo menos R$ 500 milhões, foi criado em setembro do ano passado por decreto do governador, com o objetivo de mobilizar a sociedade e de concentrar recursos em torno da energia sustentável nos próximos anos, sob coordenação da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços. Após a reunião, o secretário Julio Bueno anunciou o lançamento de uma campanha de mobilização da população para viabilizar os projetos de energia eficiente e sustentável.

– Lançamos um portal, com o endereço www.riocapitaldaenergia.rj.gov.br, que visa a massificação do conceito. Vamos criar também um quiosque móvel na Zona Sul do Rio, onde as pessoas possam obter informações gerais sobre fontes alternativas de energia, veicular peças publicitárias e realizar eventos e conferências para promover a marca do programa. Já está prevista uma feira de tecnologia na área de energia, para novembro, no Píer Mauá – listou Bueno.

Os 35 projetos foram escolhidos em uma lista de propostas apresentadas por instituições com sede no Estado do Rio que são parceiras do Governo do Estado no Rio Capital da Energia. Os projetos foram divididos em quatro pilares: eficiência energética, inovação tecnológica, economia de baixo carbono e massificação do conceito. A ideia é aplicar cada um deles em quatro setores estratégicos: transporte, indústria, construção e comércio/serviços.

A carteira de projetos será atualizada constantemente pelo comitê técnico do programa. Entre os projetos já existentes, que contam com recursos e cronograma definidos, estão alguns emblemáticos para o estado, como a instalação de painéis de energia solar no Maracanã e em bibliotecas públicas e a criação da primeira Zona Verde do país pelas secretarias de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços e do Ambiente, na Ilha de Bom Jesus, contígua à Ilha do Fundão.

O comitê é formado por importantes empresas e instituições públicas e privadas, como Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP), Petrobras, CEG, Eletrobras, Eletronuclear, Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Fecomércio, Firjan, Furnas, Light, Ampla, Light, MPX, Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), PUC-Rio, Uerj e UFRJ/Coppe, entre outras.

Com lugar consolidado como o principal cenário do desenvolvimento energético do país, o Rio de Janeiro conta com empreendimentos geradores de energia, entre hidrelétricas, termelétricas e Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), além das duas únicas usinas nucleares do país (Angra 1 e Angra 2) em operação, com a terceira (Angra 3) já em fase de instalação. O estado concentra ainda 80% da produção nacional de petróleo e 42% do gás natural, números que serão ampliados, nos próximos anos, com a exploração do pré-sal, onde 70% da área estão na costa fluminense.

O Estado do Rio também se destaca no debate sobre a política ambiental brasileira com uma série de projetos e programas voltados para a proteção da natureza. O Rio de Janeiro, que sediou o encontro mundial da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (Rio 92), agora recebe a Rio + 20.
O secretário do Ambiente, Carlos Minc, disse que a ideia é transformar o Estado do Rio em capital da sustentabilidade. Primeiro, com o Governo do Estado dando o exemplo, quando estabeleceu metas absolutas de eficiência energética em várias áreas do setor público, e agora envolvendo empresas e instituições privadas. O Governo do Estado estuda as taxas de dedução do teor de carbono por produto.

- A redução de teor de carbono na produção supõe aumento da eficiência energética ou geração de energia limpa. Quando mais se gasta energia mais se emite. Esta equação é simples: para reduzir as emissões, tem de ser mais eficiente no uso da energia. Um dos eixos do programa é exatamente a busca de alternativa e eficiência energéticas. E começamos bem, com 35 projetos. Qual o estado no Brasil que tem uma carteira assim? - ressaltou Minc.

COMPARTILHE

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Coleta seletiva já é realidade no município

Desde o início de março de 2012 a Prefeitura de Porciúncula, através da Secretaria de Meio Ambiente e em parceria com a Associação de Catadores de Materiais Recicláveis (ASSOCATA), iniciou a coleta seletiva no município. O projeto piloto foi iniciado pelos bairros José Evangelista Monteiro (ILHA) e o Centro. A adesão ao programa tem sido bem aceita pelos moradores, que estão participando ativamente e com grande satisfação.
Já nas primeiras coletas os catadores conseguiram em torno de 480 quilos de material para reciclagem, demonstrando a necessidade urgente desse trabalho na cidade.
Em pouco mais de um mês o trabalho foi ampliado para mais bairros da cidade e está sendo feito em dias diferentes. Na segunda-feira de manhã, o caminhão da Coleta Seletiva recolhe material nos bairros Ilha, Centro, Nossa Senhora da Penha e Correio de Casa. Na quarta-feira, o trabalho é realizado nos bairros Popular Nova, João Francisco Braz, Vale Verde, João Clóvis Breijão, Vale do Sol, Operário e na Rua da Leopoldina.
- Estamos ampliando a coleta de acordo com o tempo disponível no dia a dia, pois só temos um caminhão e um trator para coleta na segunda feira e agora também na quarta feira.  Os agentes coletadores estão orgulhosos perante a sociedade, pois eles têm sido bem tratados por toda população - disse a secretária de Meio Ambiente, Maria de Lourdes Alves.
Para o presidente da associação de catadores, Edésio Balbino da Silva, o trabalho só tende a crescer.
- Estamos muito satisfeitos com o processo e agradecemos muito o apoio da Prefeitura e de toda a população. Temos muito a crescer com o apoio recebido.
A Secretaria de Meio Ambiente esclarece que o objetivo é realizar o serviço em todos os bairros da cidade e que está trabalhando para atender a toda a população.
- Pedimos que a população continue separando seu lixo em lixo seco e lixo úmido.  Esta consciência está gerando fonte de renda e melhores condições de trabalho para os catadores da ASSOCATA, além de colaborar na preservação de nossos recursos naturais e na sustentabilidade do planeta.

COMPARTILHE

Em breve novos cursos no SINE Quissamã

 


A Prefeitura de Quissamã através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo vai promover, a partir do próximo mês de junho, vários cursos no setor offshore e   de hotelaria, para as pessoas cadastradas no SINE (Sistema Nacional de Emprego). A partir do dia 20 de junho serão oferecidos os cursos de Salvatagem e de Logística Portuária, com 30 vagas para cada um. Já está em andamento o curso de Soldas, com a carga horária de 96h, na sede da empresa AS Rangel, situada ao lado do Posto Nossa Senhora do Desterro.

O curso de Salvatagem é realizado num período de oito horas diárias durante cinco dias, totalizando 40h. Para se inscrever, o candidato deve ter um curso de qualificação profissional. Já o de Logística Portuária possui a carga horária de 40h, sendo ministrado todos os dias durante o período noturno. A data exata, local e horários desses dois cursos serão divulgados brevemente.

A novidade para daqui a um mês serão os cursos de auxiliar de cozinha, camareira em meios de hospedagem e de garçom, com a carga horária de 160h cada um. O curso será realizado no Instituto Federal Fluminense (IFF), com 30 vagas para cada curso. O horário dos cursos ainda serão definidos.

Segundo a coordenadora do Departamento de Trabalho e Renda, Carla Nezita, os processos dos cursos são montados de acordo com as demandas das empresas e também do interesse das pessoas que vão se cadastrar no SINE. “Todas as pessoas que se cadastraram para os cursos que iremos abrir vagas, passarão por uma entrevista com a assistente social Eliane Martins para que sejam selecionados. Logo a seguir, os contemplados terão seus nomes no quadro de avisos”, explicou.

Fonte: Secom de Quissamã

COMPARTILHE

Rio de Janeiro baterá recorde de investimentos até 2014

Estudo mostra que empreendimentos somam R$ 211,5 bilhões

Nos próximos dois anos, o Estado do Rio receberá um volume recorde de investimentos públicos e privados: R$ 211,5 bilhões. De acordo com o estudo Decisão Rio, divulgado ontem pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), o crescimento na carteira de negócios é 67,5% maior do que o previsto para o triênio 2010-2012, quando foram anunciados investimentos de R$ 126,3 bilhões.

Um dos principais destaques da pesquisa anual - que divulga as oportunidades de negócio no Rio para empresários nacionais e internacionais - é a descentralização dos empreendimentos. Apesar da capital fluminense ser responsável pelo maior volume de investimentos, com R$ 34,4 bilhões, municípios como o Norte (R$ 26 bilhões) e a Baixada Fluminense (R$ 13,5 bilhões) também estão atraindo importantes negócios.

- O interior vem se destacando. E com estes recursos não vem só a geração de empregos, mas a instalação da cadeia de fornecedores, que propicia maior qualificação profissional e aumenta a renda destas regiões - afirmou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços, Julio Bueno.

Entre 2012 e 2014, o Rio contará com 234 novas empresas. Os principais empreendimentos serão realizados na área de infraestrutura (R$ 51 bilhões) e na indústria de transformação (R$ 40,5 bilhões), com destaque para os negócios estrangeiros, que triplicaram e atualmente somam R$ 17,8 bilhões.

Segundo o Decisão Rio, o setor industrial concentra R$ 40,5 bilhões em investimentos. Deste total, R$ 15,4 bilhões serão aplicados na construção naval, com a instalação de estaleiros e construção de embarcações, e R$ 10,1 bilhões na siderurgia, com a implantação de siderúrgicas como a Ternium, em São João da Barra.

No setor petroquímico, serão investidos R$ 6,1 bilhões, com destaque para o Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro), em Itaboraí. A chegada de fábricas de automóveis, entre elas a Renault-Nissan, em Resende, e a ampliação da PSA Peugeot Citroën, em Porto Real, movimentará R$ 6,1 bilhões da área automotiva.

- O nosso estudo apresenta um volume recorde de investimentos que vão muito além do setor de petróleo e gás, com destaque para os investimentos na indústria de transformação e em infraestrutura, além do interesse cada vez maior da empresas estrangeiras em investir no Rio - disse o presidente da Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira.

Transporte e Logística

Além das instalações Olímpicas, que contam com recursos de R$ 8,6 bilhões, o estudo da Firjan também ressalta o volume de investimentos em transporte e logística, que inclui obras em portos, rodovias e ferrovias. Estão previstos R$ 21,3 bilhões para a área, que representou um aumento de 80,3% em relação ao triênio anterior (2011-2013).

COMPARTILHE

Economia Verde: um novo conceito na busca do desenvolvimento

Bolsa Verde está entre as iniciativas do Estado que serão lançadas na Rio+20

Promover o desenvolvimento econômico aliado à sustentabilidade. Esse conceito tão importante para a economia mundial está cada vez mais presente no Rio de Janeiro através de iniciativas inéditas do Governo do Estado, que serão apresentadas no Parque dos Atletas durante a Rio+20, Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável.

Uma das novidades que serão lançadas é a Bolsa Verde, espaço dedicado à compra e venda de ativos ambientais com o objetivo de fomentar a economia verde. A BVRio vai atuar em duas frentes: criação e operação da plataforma eletrônica; e criação dos ativos ambientais que serão negociados.

A Bolsa já está operando com créditos florestais, referentes a áreas com proteção ambiental e, a partir de 2013, será aberta para o mercado de carbono. Desta forma, empresas que não atingirem as metas de redução na emissão de gases de efeito estufa poderão comprar créditos de carbono, enquanto as que registrarem queda poderão colocar seus créditos à venda. Por convenção, uma tonelada de dióxido de carbono (CO2) corresponde a um crédito de carbono.

- A Bolsa Verde é uma iniciativa pioneira do Rio de Janeiro para aumentar a proteção ambiental utilizando ferramentas de mercado. É uma forma de aproximar esse setor poderoso da economia, que é o mercado financeiro, do conceito de sustentabilidade. Assim, as empresas privadas vão utilizar a BVRio para cumprir suas metas - afirmou o superintendente de Economia Verde da Secretaria de Ambiente, Walter de Simoni.

Economia “limpa”

Durante a Rio+20, o Governo do Estado vai lançar também o primeiro parque tecnológico que visa integrar inovação e sustentabilidade: o Pólo Verde na Ilha de Bom Jesus, na Baía de Guanabara. Em uma área de 240 mil km2, próximo ao campus da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Ilha do Fundão, a Zona Verde vai concentrar, no mesmo local, empresas de alta tecnologia, pesquisadores e profissionais especializados, incubadora tecnológica e infraestrutura com diferenciais ambientais. O objetivo é promover uma sinergia entre o Estado, a Universidade e a indústria.

O parque da Ilha de Bom Jesus é o projeto-piloto do Programa de Pólos Verdes do Estado do Rio que visa ao desenvolvimento do potencial econômico das regiões com foco em atividades que contribuam para a economia verde, utilizando meios de produção e tecnologias mais limpas. O projeto prevê a criação de Pólos Verdes voltados para a Indústria e para a Agricultura.

- A ideia é promover uma nova infraestrutura que inclui meios de transporte e uso de energia mais sustentáveis, modificando o modelo produtivo do Rio de Janeiro. A experiência da Ilha de Bom Jesus comprovou que há empresas interessadas nesse conceito de desenvolvimento sustentável. Nosso objetivo é de que esse seja apenas o início de uma iniciativa que vai se espalhar por todo o estado - explicou Walter de Simoni.

O Pólo Verde da Ilha de Bom Jesus deverá ser a primeira região da América Latina a obter a certificação internacional LEED ND (Leadershipin Energy and Environmental Design - Neighborhood Development), específica para bairros construídos que visem à eficiência energética, minimizando os impactos ambientais. Um dos destaques será a instalação de uma central de utilidades para distribuir energia elétrica e vapor de forma centralizada e otimizada.

Haverá ainda um sistema de reciclagem de lixo, iluminação com lâmpadas LED (que consomem menos energia), pavimentação de ruas com asfalto borracha (que aproveita pneus usados reciclados), mobilidade através de ciclovias e vastas áreas verdes. Os prédios terão também sistema para utilizar energia solar e reaproveitara água da chuva.

COMPARTILHE

Compartilhe