quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Rio Rural promove ação educativa sobre nascentes em Campos

Atividade recebeu agricultores e estudantes de cursos técnicos de agropecuária e florestas


Para marcar a entrada da primavera, estação do ano propícia aos plantios, agricultores da localidade Rio Preto, em Campos dos Goytacazes, receberam alunos dos cursos técnicos de agropecuária e florestas, da Escola Técnica Estadual Agrícola Antônio Sarlo e da Escola Municipal Morangaba, na microbacia de mesmo nome.

Na última segunda (23/09), eles foram ver de perto como é feita uma proteção de nascente na propriedade de Genilson de Souza Pinto, que participa da campanha Água Limpa para o Rio Olímpico, da Secretaria de Agricultura, que tem por objetivo proteger 2016 nascentes até os jogos olímpicos na capital fluminense.

Para o secretário estadual de Agricultura, Christino Áureo a conscientização, através da educação dos jovens, é também uma importante aliada para acelerar o ritmo de adesão às práticas ambientais preconizadas pelo Rio Rural.

- A divulgação desses projetos fará com que os resultados se multipliquem. Nossa meta da campanha Água Limpa para o Rio Olímpico é simbólica, porém o potencial de preservação de nascentes em todo o estado é imenso – disse o secretário.

Além de conhecerem uma nascente cercada há quase dois anos, os estudantes tiveram acesso a informações sobre o procedimento de proteção em si e visitaram uma nascente que será protegida nos próximos meses com incentivo do programa Rio Rural. Para a proteção da segunda nascente de sua propriedade, o produtor deverá ter o recurso liberado ainda neste semestre.

- A primeira nascente sustenta a minha família, o gado e as galinhas. Depois dela, pude morar no meu lote. A segunda vai possibilitar a irrigação da lavoura. Tudo isso vai aumentar disponibilidade de água, o número de pássaros e de árvores no sítio - afirmou Genílson para uma plateia de alunos e professores.

- Quero que vocês entendam que, na verdade, o que fazemos aqui é uma corrente do bem pelo meio ambiente e por todos nós. Quando contamos aos outros agricultores o que fazemos, quando atuamos através do Cogem (Comitê Gestor da Microbacia), estamos fazendo a corrente aumentar. Temos muito orgulho de convencer as pessoas a liberar áreas para preservação. Neste ano, conseguimos a adesão de um grande fazendeiro vizinho. Isso, pra nós, foi um grande prêmio. Ele vai recuperar uma área e, assim, contribuir com todos - disse o agricultor.

Assim como Genilson e outros 10 agricultores familiares beneficiários do Rio Rural, Ezequiel Silvério da Silva é um bolsista de extensão da Incubadora Tecnológica de Empreendimentos Populares da Uenf (Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro). Ele recebe R$ 200 mensais para disseminar o conhecimento que adquiriu com a comunidade.

- Aqui é muito rico em água. Numa época, a água tinha ido embora e ninguém acreditava mais que fosse voltar. A gente sabe que se todos fizerem sua parte o planeta vai melhorar - explicou Ezequiel.

Aluno da primeira etapa do curso de técnico florestal, Renato Fonseca disse que ficou impressionado com a recuperação de uma área degradada no sítio de Genílson.

- É possível ver que esta área é muito sofrida. O solo está muito desgastado. O que vem sendo feito comprova que é possível recuperar e que a natureza responde rápido - explicou o estudante.

Já a professora Marize Matos, coordenadora do curso técnico em Agropecuária, afirma que, apesar da degradação do solo ter chamado muita atenção, o destaque para ela é outro.

- Como esses agricultores são conscientes! O trabalho deles é de formiguinha, mas estão conseguindo ótimos resultados - finalizou a professora.

Ascom da Secretaria de Agricultura

COMPARTILHE

Governo do Estado entrega 153 ambulâncias a 82 prefeituras

Investimento de R$ 14 milhões vai melhorar atendimento à população fluminense



Ambulâncias doado pelo Estado

O Governo do Estado entregou, nesta terça-feira (24/9), 153 ambulâncias básicas a 82 municípios fluminenses. Equipados com sirene eletrônica, maca retrátil, banco baú para acompanhantes, ar-condicionado, suporte para cilindro de oxigênio fixo na maca, mangueira de oxigenação, suporte de soro e sangue, entre outros itens, os veículos foram distribuídos de acordo com a densidade populacional das cidades.

Na Região Metropolitana, os municípios com mais de 300 mil habitantes receberam três ambulâncias, enquanto que cidades com mais de 500 mil moradores ganharam cinco veículos. Nas demais regiões, foi entregue uma ambulância para os municípios com até 25 mil habitantes, duas para cidades com até 70 mil moradores e três para municípios com até 115 mil pessoas. No total, foram investidos mais de R$ 14 milhões na aquisição dos veículos.

Dentre as cidades contempladas incluem-se Araruama, Armação de Búzios, Barra do Piraí, Belford Roxo, Cachoeiras de Macacu, Duque de Caxias, Paty de Alferes, Japeri, Valença, Queimados, Mendes, Três Rios, Nova Iguaçu, Nilópolis, Niterói, Magé, São João de Meriti, São Gonçalo, São José de Ubá, Itaguaí, Trajano de Moraes, Itaperuna e outros.

– Fico muito feliz de poder entregar ambulâncias às 82 cidades por meio de critérios absolutamente técnicos, de acordo com o número de habitantes de cada município. As ambulâncias são bem equipadas e servirão às cidades que necessitam desta estrutura para atender à população. Muitas vidas serão salvas a partir do serviço destes veículos – afirmou o governador Sérgio Cabral. durante a solenidade que aconteceu no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP) da PM, em Sulacap.

Das 153 ambulâncias, 11 já foram entregues para reforçar a assistência às gestantes dos municípios da Baixada Fluminense por meio do programa Mães da Baixada, que foi lançado em agosto. O objetivo é melhorar o atendimento prestado pelas unidades municipais de Saúde e as conveniadas pelas prefeituras às grávidas da região.
A doação de ambulâncias básicas e de UTI para municípios fluminenses integra a política do governo estadual de oferecer melhores condições para o atendimento à população. Com essa nova remessa – a partir de indicação por Emenda Parlamentar – já são mais de 300 ambulâncias doadas às prefeituras desde 2008.

– As ambulâncias estão saindo emplacadas e com tanque cheio, o que vai ajudar 82 municípios fluminenses – disse o vice-governador e coordenador de Infraestrutura do Estado, Luiz Fernando Pezão.


Transporte de qualidade

O secretário de Saúde, Sérgio Côrtes, destacou que as ambulâncias vão realizar um transporte sanitário de qualidade dos pacientes que habitam os municípios beneficiados.

– Antigamente, as ambulâncias serviam apenas para rebocar os pacientes. Mas esses veículos novos, que são modernos e equipados, vão fazer um transporte sanitário de qualidade e atuarão de forma concentrada para levar o paciente ao local em que ele terá melhor assistência médica – explicou Côrtes.

Para o prefeito do município de Três Rios, Vinicius Farah, as ambulâncias novas representam uma conquista para a população fluminense.

– Os veículos são uma grande conquista porque vão beneficiar diretamente os cidadãos em um setor tão importante que é a Saúde Pública. A população estava sedenta por esse aumento de efetivo de ambulâncias, e acho que os veículos vão reforçar a estrutura dos municípios. Os cidadãos é que sairão ganhando com esta iniciativa estadual – afirmou Farah.

Entrega das 153 ambulâncias

Prefeita de Bom Jesus do Itabapoana, Branca Motta

Texto: Esther Medina // Fotos: Salvador Scofano e Carlos Magno

COMPARTILHE

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Moradores podem receber desconto na conta de luz em Cataguases, MG

Benefício será concedido após troca de lixo reciclável.
Iniciativa faz parte do projeto Energisa Cidadã



Moradores da cidade de Cataguases, na Zona da Mata, poderão fazer a troca de lixo reciclável, como papel, plástico e metal, por descontos na conta de energia elétrica. A iniciativa faz parte do projeto Energisa Cidadã, da empresa de distribuição de energia elétrica da cidade, a Energisa. A ação terá início no próximo dia 24 de setembro com a inauguração do posto do projeto. O atendimento será às terças-feiras, das 8h às 16h, em frente ao Mercado Produtor, na Rua Camilo Nogueira da Gama 195.
Para participar, o cliente deve fazer cadastro no posto de coleta, apresentando uma conta de energia e assinando o Termo de Adesão. Será entregue o cartão “Energisa Cidadã”, que deve ser apresentado sempre quando foi feita a troca dos resíduos por bônus. O material deve sempre estar limpo e seco.
O desconto depende da quantidade e do tipo de resíduo levado, já que cada um tem seu valor de mercado, e é válido apenas para consumidor residencial, não se estendendo a empresas e comércios. No entanto, essas categorias podem participar e converter seus bônus para benefício de instituições filantrópicas.
O material coletado terá destinação correta, contribuindo de forma positiva com o meio ambiente, enquadrando-se no sistema de sustentabilidade. O projeto promove o uso consciente da energia elétrica, já que é necessário um menor consumo de energia para o reprocessamento dos materiais recicláveis em relação à produção básica a partir da matéria prima.
G1

COMPARTILHE

Rio e Alemanha firmam parceria para apoiar o desenvolvimento rural sustentável

Projeto vai investir em tecnologias para melhorar a produção agrícola e qualidade de vida no campo


O Governo do Estado do Rio e o Ministério Federal de Educação e Pesquisa da Alemanha assinaram, nesta quarta-feira (18/9), o termo de cooperação para executar o projeto Integração de eco-tecnologias e serviços para o desenvolvimento rural sustentável no Rio de Janeiro (Intecral). O país europeu vai investir cerca de R$ 9,2 milhões em pesquisas e na criação de soluções para melhorar a produtividade dos agricultores.

Desenvolvida pela Secretaria de Agricultura e Pecuária em parceria com seis universidades brasileiras e alemãs, a iniciativa prevê um conjunto de ações que unirão ciência e prática. O Intecral vai adaptar tecnologias de colheita da cana-de-açúcar orgânica, combater a degradação de solos, implantar sistemas de tratamento de esgoto em vilas rurais, de monitoramento de água e de parâmetros meteorológicos.

– A agricultura enfrenta grandes desafios em ambos os países. O Brasil é líder na produção agrícola e pesquisa, enquanto a Alemanha se destaca em desenvolvimento de tecnologias ambientais. Ao nos unirmos, alcançaremos o sucesso e os pequenos agricultores das duas nações vão se beneficiar – disse o vice-ministro da Educação e Pesquisa da Alemanha, Georg Shütte.

As atividades beneficiarão pequenas comunidades rurais de Cachoeiras de Macacu, Nova Friburgo, Porciúncula, Teresópolis, Varre-Sai, Carapebus, Campos dos Goytacazes, Quissamã e Macaé. A comitiva vai a campo a partir desta quinta-feira (19/9) para conhecer as áreas de intervenção e definir os planos de ação. O Intecral começará a ser executado em 2014 e terá a duração de três anos.

– Essa cooperação com a Alemanha vai nos ajudar a melhorar a qualidade da nossa produção e aumentar a oferta. Para o consumidor, vai representar um produto mais fresco, aliado à preservação ambiental. Essa contribuição é importante para cuidarmos também das famílias dos produtores para que tenham mais saúde no campo – afirmou o secretário de Agricultura, Christino Áureo.

O governador Sérgio Cabral destacou que os investimentos no setor agrícola têm contribuído para fortalecer o pequeno produtor e assegurado que as famílias permaneçam no campo com qualidade.

– Essa parceria também vai contribuir para que ganhemos em competitividade. A Alemanha é o maior exportador de conhecimento e precisamos nos inspirar nela para obtermos grandes saltos – explicou Cabral.

Produtores de Cachoerias de Macacu, Divino Soares e Alcemir da Silva, de 51 e 49 anos respectivamente, ficaram entusiasmados com a possibilidade de serem beneficiados pelo Intecral. Eles já receberam apoio do programa Rio Rural, viram resultado e acreditam que novas tecnologias vão fortalecê-los ainda mais.

– Com o custeio que recebemos, conseguimos aumentar a nossa produção. Essa parceria e a chegada de novas tecnologias vão nos ajudar e fortalecer a agricultura familiar – disse Soares.

Texto: Fabiana Paiva // Fotos: Carlos Magno




COMPARTILHE

domingo, 15 de setembro de 2013

Município de Itaperuna ganhará novo escritório da Fiperj

Unidade vai ampliar atendimento a produtores e pescadores no Noroeste Fluminense


Durante a inauguração da sede regional da colônia de pescadores Z-20 em Itaperuna na sexta-feira (6/9), o secretário de Desenvolvimento Regional, Felipe Peixoto, anunciou a abertura de uma nova unidade do Escritório Regional Noroeste da Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj) no município. A inauguração da nova seção está prevista para o início de 2014.
A medida vai ampliar o atendimento aos pescadores e piscicultores da região pelos técnicos da Fiperj. A decisão ocorreu em função do potencial do Noroeste Fluminense para a aquicultura e a pesca artesanal.

Somente em 2012, os profissionais realizaram 122 atendimentos, ajudaram no credenciamento de 170 pescadores artesanais para recebimento do seguro defeso, emitiram 51 Declarações de Aptidão ao Pronaf e contribuíram para a inclusão de 20 pescadores da colônia Z-20 ao programa Rio Rural.

– Um novo escritório para o Noroeste vai permitir responder mais rápido às demandas da atividade – afirmou o secretário.

Inaugurado em maio de 2012, o atual Escritório Regional Noroeste cobre 14 municípios: Aperibé, Bom Jesus de Itabapoana, Cambuci, Italva, Itaocara, Itaperuna, Laje do Muriaé, Miracema, Natividade, Porciúncula, São José de Ubá, Varre-Sai, além da cidade sede Santo Antônio de Pádua.

Ministério da Pesca entrega “caminhão feira” aos pescadores da Z-20
Os pescadores da colônia Z-20 receberam não apenas a nova filial de Itaperuna como também um caminhão de feira que será responsável por transportar a produção pesqueira para os mercados livres da região. Serão beneficiados cerca de 300 pescadores que fazem parte da colônia.

Ascom da Secretaria de Desenvolvimento Regional

COMPARTILHE

Governo inicia obras do Bairro Novo em Guapimirim e Tanguá

Intervenções também estão em andamento nas cidades de Nova Iguaçu e São Gonçalo


O Governo do Estado começou, nesta quinta-feira (12/9), em Guapimirim, na Baixada Fluminense, as obras do programa Bairro Novo. Orçadas em R$ 20,3 milhões, as intervenções, que vão beneficiar vias urbanas do município com drenagem, pavimentação, construção de meio-fio e calçadas, sinalização e arborização, deverão estar prontas no ano que vem.

Inicialmente, serão feitas as obras nas seguintes vias: Avenida I; e nas ruas B (José Furtado da Costa), da Graça, do Areal, F, Francisco Buarque, G, J, José Bastos, Presbítero Oscar Lopes da Silva, S, Sem Nome 1, Sem Nome 2, Um, Valparaíso, Vila do Baiano, W e X, em um total de 7,2 quilômetros.

O programa da Secretaria de Obras, que já está em andamento em Nova Iguaçu e São Gonçalo, também começou esta semana no município de Tanguá, no Leste da Região Metropolitana. A primeira via urbana beneficiada na cidade com as obras é a Rua F, seguindo-se depois à Rua H. As obras no município representam um investimento de R$ 10,8 milhões.

O Bairro Novo vai se estender por toda a Região Metropolitana, contemplando 2.065 ruas de 123 bairros, em um total de 721 quilômetros de vias urbanas pavimentadas e reurbanizadas. Serão investidos pelo Estado cerca de R$ 1,23 bilhão nas obras.

COMPARTILHE

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Dilma destaca papel do Congresso em mudança na Lei dos Royalties

Brasília – A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (9) que o Congresso Nacional aperfeiçoou o projeto de lei que destina recursos do petróleo para a educação e a saúde. Segundo a presidenta, o Congresso fez “mudanças que aperfeiçoaram a proposta e preservaram o espírito da lei”, ao recalcular a destinação dos recursos, antes previstos apenas para a educação.
“Devemos reconhecimento [ao Congresso] pela sensibilidade social e pela visão estratégica que demonstrou”, disse Dilma na cerimônia de sanção da lei, nesta tarde, no Palácio do Planalto. "É indiscutível a relevância da decisão, que vai ao encontro de uma das maiores preocupações de nossa sociedade: a oferta de serviços de saúde de qualidade para todos“, afirmou Dilma.  Sem recursos, não há como há como prestar serviços de qualidade, acrescentou.
O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, destacou no evento a importância da sanção para a universalização da educação.
Dilma sancionou sem vetos o projeto de lei, aprovado em agosto pelo Congresso, que destina recursos dos royalties do petróleo para a educação e a saúde. A nova lei distribui 75% dos royalties do petróleo para investimentos na educação e 25% na saúde. Em vigor a partir desta segunda-feira, a norma também prevê que 50% dos recursos do Fundo Social sejam destinados às duas áreas. Dilma também destacou o fato de a mudança ter sido decisão coletiva, com a união de forças políticas, sociais e econômicas.
A importância de melhorias na estrutura da educação também foi mencionada pela presidenta. Para solucionar os problemas da área, Dilma reforçou a importância da valorização do professor da rede pública, com salários maiores, mais capacitação profissional e melhores condições de trabalho. Defendendo que os gastos com a educação não são apenas custeio, mas investimento, Dilma citou os principais desafios do setor que poderão ser enfrentados com os recursos, dentre eles a educação em dois turnos em todas as escolas de ensino fundamental do Brasil e a requalificação do ensino médio.
“Professores valorizados, educação de qualidade desde a pré-escola e ensino integral são algumas das demandas e desafios que teremos de enfrentar para mudar o futuro das nossas crianças e dos nossos jovens”, ressaltou a presidenta. Ao citar a tecnologia usada no Brasil na descoberta da camada do pré-sal, Dilma relacionou a relevância do papel da educação para o desenvolvimento brasileiro na área de energia: “o que nós acumulamos de conhecimento que permitiu que destinássemos esses recursos para a educação”.
“A descoberta do pré-sal tem a ver com desenvolvimento autônomo da capacidade do Brasil de achar petróleo. [...] Não havia tecnologia de exploração de petróleo em zona marítima. Nós construímos isso”, destacou. Dilma lembrou ainda o papel do desenvolvimento de tecnologias para além da exportação de produtos. “Não somos uma economia primária de commodities, nós somos um país com uma indústria muito relevante.”
De acordo com o Palácio do Planalto, o primeiro repasse de recursos, no valor de R$ 770 milhões, deverá ser feito ainda neste ano. Pelas previsões, o total chegará a R$ 19,96 bilhões em 2022 e a R$ 112,25 bilhões em no período de dez anos.
Já a aplicação dos recursos do Fundo Social deverá valer até que se cumpra a meta de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) em educação do Plano Nacional de Educação (PNE). A expectativa é que, em até 15 anos, os rendimentos obtidos pelo fundo sejam suficientes para cumprir as metas do PNE e da saúde. A mudança, no entanto, vale apenas para os novos contratos da União. Durante a tramitação, os campos em atividade, que permaneceram controlados pelos governos estaduais, ficaram fora da proposta.

A cerimônia, que começou por volta das 15h30, contou com a participação do vice-presidente, Michel Temer, dos ministros da Educação, Aloizio Mercadante, da Saúde, Alexandre Padilha, e de Minas e Energia, Edison Lobão, além dos presidentes da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Agência Brasil

COMPARTILHE

Projeto prevê plantio de seringueiras em áreas degradadas do estado

Ação contribui para cumprimento de metas de sequestro de carbono


Um projeto da Pesagro-Rio de plantio de seringueira consorciado com árvores nativas se mostra um grande aliado no cumprimento das metas de sequestro de carbono acordadas pelos órgãos ambientais para os Jogos de 2016. A iniciativa da empresa de pesquisa agropecuária, vinculada à Secretaria de Agricultura, prevê a produção dessas árvores em cinco mil hectares de áreas degradadas do interior fluminense. A ação integra o Rio Látex, programa que visa a criação de agroflorestas para produzir matéria-prima industrial e gerar renda a pequenos produtores rurais. 

De acordo com o pesquisador e coordenador do programa de Heveicultura da Pesagro-Rio, Aldo Bezerra, o custo para a implantação do projeto pode chegar a R$ 100 milhões.

– A ideia é buscar na iniciativa privada o patrocínio para a viabilização dessas florestas. O plantio e manutenção até o segundo ano envolvem recursos da ordem de R$ 20 mil por hectare. Para isso já temos uma rede de jardins clonais com 20 mil plantas matrizes, distribuídos nas regiões das Baixadas Litorâneas, Norte, Noroeste, Médio Paraíba e Centro Sul Fluminense  explicou o pesquisador.

Segundo Bezerra, com esta estrutura já é possível produzir de 300 a 400 mil mudas clonadas de seringueira no primeiro ano e mais de 600 mil a partir do terceiro ano. O total é suficiente para o plantio de 1, 2 mil hectares de seringais anualmente ou o dobro, quando consorciada com espécies nativas da Mata Atlântica.

Outra proposta relevante do projeto é a restauração de áreas degradadas com atividade agroflorestal de alta rentabilidade, gerando alternativa de renda para o homem do campo. Segundo levantamentos do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Pesquisa), existem cerca de 700 mil hectares dessas áreas nas diversas regiões do estado.

Sob orientação do programa de Heveicultura da Pesagro-Rio, já foram restauradas cerca de 600 hectares com o cultivo da seringueira "solteira" e consorciada em parceria com a iniciativa privada no estado.

A seringueira começa a produzir a partir do sexto/sétimo ano de plantio, com período produtivo de 30 a 40 anos, dependendo do manejo do seringal. A Pesagro-Rio já dispõe de material genético (clones) recomendados para as diversas regiões do estado.

Ascom da Secretaria de Agricultura

COMPARTILHE

Fiperj divulga piscicultura em Festa dos Pescadores de Cantagalo

Técnicos colaboraram com o torneio de pescaria tradicional da região


Buscando divulgar as políticas públicas voltadas para pesca e aquicultura fluminenses, a Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro esteve presente, no sábado (7), na 19ª edição da Festa dos Pescadores de São Sebastião do Paraíba, distrito de Cantagalo, município da Região Serrana.

Organizado pela Prefeitura de Cantagalo e realizado entre os dias 6 e 8 de setembro, o evento atraiu centenas de turistas interessados em assistir o tradicional torneio de pesca no Rio Paraíba do Sul. O casal Riuane e Edinho conquistou a vitória este ano ao capturar 47.955 kg de pescado.

Técnicos do Escritório Regional Serrano da Fiperj colaboraram na pesagem dos peixes do torneio e aproveitaram para apresentar aos pescadores e piscicultores participantes o caminhão para transporte de peixes abatidos. O veículo tem como objetivo facilitar o transporte do pescado dos produtores familiares da região.

- Tanto o caminhão de peixe abatido quanto o de peixe vivo, entregue na quinta pelo secretário de Estado Felipe Peixoto na abertura da Expo de Macuco, estão à disposição dos pescadores e piscicultores da Região Serrana. É preciso apenas agendar o transporte junto ao nosso escritório regional – explicou o técnico da Fiperj AmaroValente Junior.

Para o secretário de Estado de Desenvolvimento Regional, Felipe Peixoto, os veículos são uma forma de estimular a atividade da piscicultura na Região Serrana.

- Percebemos que a maior dificuldade dos produtores rurais estava em escoar sua produção. Com os caminhões, o Estado permite ao piscicultor acreditar na atividade e investir. A criação de peixe é um bom negócio e pode ser uma complementação de renda para quem já trabalha na agricultura ou na pecuária – afirmou o secretário estadual que esteve em São Sebastião do Paraíba na sexta-feira (6) conferindo os preparativos da festa.

Até agosto deste ano, o Escritório Regional Serrano da Fiperj registrou 34 propriedades criadoras de tilápia em Cantagalo. Nos 14 municípios da cobertura do escritório foram levantados 159 propriedades de piscicultura sendo 143 de tilápia e 16 de truta. No mesmo período, os técnicos realizaram 375 atendimentos a produtores rurais.

  Ascom da Secretaria de Desenvolvimento Regional

COMPARTILHE

Incentivada pelo Rio Leite, Quatá completa um ano de operação em Itaperuna

Grupo adquiriu fábrica da LBR, revigorou marca Leite Glória e manteve 180 empregos diretos


Localizado em uma importante bacia leiteira do estado, foi com expectativas positivas que o município de Itaperuna, na Região Noroeste, recebeu há um ano a chegada da Quatá.

Atraído pelos incentivos do programa Rio Leite, da Secretaria de Agricultura, o grupo que já opera seis fábricas em Minas Gerais, São Paulo e Paraná, adquiriu a planta industrial, que já pertenceu a Parmalat e LBR, iniciando sua operação no Rio de Janeiro.

Na quinta-feira (05/09), o secretário de Agricultura, Christino Áureo, visitou a indústria, em Itaperuna, que investiu no revigoramento da tradicional marca Leite Glória e evitou a demissão de 180 funcionários.

- Acompanhamos a derrocada da Parmalat, que fechou 19 indústrias de laticínios. Aqui não deixamos que o fracasso da empresa virasse tragédia. Incentivamos sua revitalização através de um grupo que é referência no mercado de laticínios e hoje viemos aplaudir o sucesso da empreitada – destacou o secretário.

Com incentivos do Rio Leite, a Quatá adquiriu os ativos e maquinários da fábrica e a marca Leite Glória. Para os sócios Feliciano Guerra e Maurício Cardoso foi um bom negócio e pretendem aumentar a produção.

- A política de incentivos do estado nos deu a oportunidade de adquirir a marca Glória, nascida no Rio de Janeiro. Temos orgulho em manter esses produtos no mercado e de contribuir para o fortalecimento da pecuária leiteira fluminense - afirmou Maurício.

Geração de empregos e fortalecimento do produtor

Além da manutenção dos 180 empregos diretos, a instalação da Quatá representa a abertura de mercado para o produtor rural. A unidade beneficia 250 mil litros de leite diariamente, captados de 280 produtores e 11 associações rurais.

- Estamos fomentando a produção leiteira na região. Valorizamos a qualidade do leite e praticamos o melhor preço junto ao produtor. Isso está revertendo em aumento de volume para beneficiamento - disse Fernando Carvalho, gerente da fábrica.

A Associação Ruralista da Serrinha concorda. Os 22 agricultores familiares associados decidiram, a partir deste início de setembro, enviar os 35 mil litros de leite produzidos mensalmente, que eram entregues em outro município, para a Quatá.

- Além do melhor preço, mais contato com os dirigentes e proximidade com a fábrica, estamos contribuindo para o crescimento do nosso município - disse Telma Bastos, secretária da associação, que fica em Retiro do Muriáe, distrito de Itaperuna.

Caminhos para o desenvolvimento

Na oportunidade, o prefeito Alfredo Rodrigues destacou as ações da secretaria estadual de Agricultura para beneficiar os produtores rurais, especialmente o programa Estradas da Produção.

- Mais de 200 quilômetros de estradas vicinais já foram recuperados em nosso município. Se não tivermos estrada, o leite não chega à indústria - disse.

Os avanços com o Rio Rural também foram destacados pelo secretário Christino Áureo durante a visita. A implantação de pastejos rotacionados e a disponibilização de tanques de resfriamento pelo programa estão aumentando a produtividade e qualidade ao leite.

Na ocasião ele anunciou a instalação de 40 mil unidades de fossas sépticas em todo o Estado, afirmando que o saneamento rural é uma das prioridades da secretaria.

- Investimos na qualidade de vida do agricultor. Boas estradas, fortalecimento da produção, melhores condições de trabalho e de saúde. É isto que faz o Rio de Janeiro crescer. Fomos apontados como o segundo melhor Estado da região Sudeste e o oitavo do Brasil em desenvolvimento rural sustentável – afirmou.
Ascom da Secretaria de Agricultura


COMPARTILHE

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Beber leite durante gestação deixa filhos mais altos, diz pesquisa

Vários estudos apontam benefícios ou malefícios que a dieta da mulher durante a gestação traz para a saúde dos bebês. Pois um time de nutricionistas de três países afirma que mulheres que bebem leite durante a gravidez têm filhos mais altos quando estes chegam à adolescência.
Especialistas da Islândia, Dinamarca e Estados Unidos compilaram dados de crianças nascidas no fim dos anos 1980 e verificaram a quantidade de leite ingerida pelas mães durante os nove meses de gestação.
Os bebês foram medidos e pesados no nascimento e depois acompanhados por quase duas décadas. Os resultados, publicados no Jornal de Nutrição Clínica e divulgados pelo Daily Mail, mostram que os mais altos eram aqueles cujas mães tomavam mais de 150 ml de leite diariamente. Também foram encontradas doses maiores de insulina no sangue desses voluntários, indicando que o leite também teria conferido mais proteção contra o desenvolvimento de diabetes na vida adulta.
Um outro estudo publicado no começo do ano mostrou que consumir leite na gestação deixa os bebês mais inteligentes, com QI mais alto. A pesquisa verificou a dieta de mais de mil mulheres e credita o benefício também ao consumo de outros derivados, como laticínios.
JB

COMPARTILHE

Minc defende parcerias para ampliar coleta seletiva de lixo no Rio

Rio de Janeiro - O secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc avaliou hoje (5) que, apesar de o Rio de Janeiro ter acabado com os lixões, o estado precisa avançar no que diz respeito à coleta seletiva. A declaração foi feita durante a 1ª Conferência Municipal de Meio Ambiente da capital fluminense, que reuniu governantes, autoridades, empresários e membros da sociedade civil no Parque da Quinta da Boa vista, na zona norte da cidade.
No encontro, o secretário anunciou que os aterros sanitários de Itaboraí, São Gonçalo, Belford Roxo e Seropédica, na região metropolitana do Rio, terão estações de tratamento de chorume. Segundo Minc, a expectativa é que elas sejam construídas entre janeiro e março do ano que vem.
Para o secretário, é preciso conscientizar a população sobre a necessidade de maior envolvimento na questão ambiental. "Todos os governantes são favoráveis à coleta seletiva. Então por que os nossos níveis de coleta seletiva são tão fracos? Em todo estado, menos de 3% do lixo são separados, no município estamos com menos de 2,5%. É preciso estimular as pessoas levando os agentes sanitários as suas casas para dar informações. Ao mesmo tempo, as companhias municipais têm que dar uma resposta para esse cidadão que separa o seu lixo, as cooperativas dos bairros têm que se articular para dar apoio a essas ações com espaços para atender a essa demanda", disse Minc.
A primeira conferência municipal teve como principal objetivo debater a ampliação da coleta seletiva, com a inclusão social de catadores de materiais recicláveis, além de discutir o problema do descarte de resíduos sólidos no Rio. Setenta e quatro cidades fluminenses já haviam promovido conferências para discutir assuntos na área de meio ambiente.
“Estamos apoiando os municípios fluminenses na implantação de programas de coleta seletiva que já chegaram a 60 cidades. Além disso, por meio do nosso Programa Catadores e Catadoras em Redes Solidárias, estamos apoiando a inclusão socioeconômica dessas pessoas em 41 municípios do estado do Rio de Janeiro. Somando essas duas iniciativas, nós vamos estimular a cadeia de reciclagem de resíduos sólidos no estado. Queremos alcançar a meta de chegar a 10% dos índices de reciclagem de lixo até o final de 2014”, ressaltou o secretário.
A conferência foi dividida nos seguintes temas de discussão: produção e consumo sustentáveis, redução dos impactos ambientais, geração de emprego e renda e educação ambiental. Para o secretário municipal do Ambiente, Carlos Alberto Muniz, os avanços na área requerem a participação efetiva de todas os segmentos sociais.
"O lixo precisa entrar em uma escala produtiva, e retornar em forma de benefício para a sociedade. Esse trabalho só irá adiante quando todos os envolvidos nesse processo conseguirem entender esse pensamento. Não adianta discutir um modelo de vida mais sustentável e, na hora de pôr em prática, não ter o apoio de uma ou de outra parte."
Paralelamente à Conferência Municipal de Meio Ambiente, manifestantes fizeram um protesto na Quinta da Boa vista contra as remoções de moradores de várias comunidades do Rio de Janeiro, em especial das famílias que vivem no Horto, área do Jardim Botânico, na zona sul da cidade.
Agência Brasil

COMPARTILHE

Coleta seletiva já atende escolas estaduais de Magé

O programa municipal de Coleta Seletiva, que faz parte do Programa Coleta Seletiva Solidária (PCSS) avançou mais uma etapa. Na última sexta-feira (30), os diretores e professores de todas as unidades da rede estadual de ensino receberam a certificação do curso de formação realizado pela equipe do INEA com a participação da Secretaria de Meio Ambiente.
O secretário de Meio Ambiente, Leandro Vidal, destacou o sucesso do projeto é uma tarefa conjunta. "Isso é um força conjunta e um grande desafio. Temos problemas de destinação dos resíduos e vocês [professores] serão replicadores junto à sociedade, e com a ajuda dos alunos esse processo será eficiente", disse.

Profissionais de todos os colégios estaduais de Magé participaram da capacitação e tiveram todo o suporte para a implantação do projeto da Coleta Seletiva Solidária. O resultado foi apresentado pelos participantes em forma de depoimento. "Foi além do que eu esperava e os resultados foram bastante satisfatórios. E a arrecadação foi acima do esperado, até já pedimos mais big bags [saco de nylon para depositar os materiais recicláveis a serem entregues para a coleta seletiva]", contou o professor de geografia do Colégio Estadual José Veríssimo, Neuber Nogueira.
A professora de Biologia, Ana Claudia Gobira, que trabalha com Neuber no projeto, também reconheceu o engajamento dos alunos, e acredita que o sucesso da iniciativa se deve a abertura de conhecimento sobre todo o histórico do município e das áreas envolvidas no programa.
"Percebemos que eles ficaram mais tocados em saber que famílias tirava seu sustento do lixão (o terreno no bairro de Bongaba abrigou um lixão por 30 anos) e desde 2011 e com uma simples atitude deles agora eles teriam garantida sua fonte de renda e o apoio à preservação do ambiente. Assim criamos o grupo de fiscais do ambiente, dois alunos de cada turma ficam responsáveis por ficar de olho se os colegas estão dando o destino correto para o lixo", explicou.
Segundo Jorzeia Amorim, diretora de Formação e Desenvolvimento de Pessoas da Secretaria Estadual de Educação (SEEDUC), "toda a capacitação faz parte do desenvolvimento pessoal, nesse caso voltado para a melhoria do Ambiente em que vivemos. Isso não termina aqui, é o pontapé inicial do processo para que possamos dar continuidade. É importante também pedir a consultoria do pessoal da cooperativa, porque todos juntos fazemos parte desta história".
Desempenho elogiado
Raquel Bento, assessora do INEA e membro da equipe de capacitação, elogiou a equipe mageense. "Ficamos impressionados com o envolvimento da equipe de Magé. A cidade foi pioneira nesse novo método e o interesse e participação motivou o desenvolvimento do trabalho", disse.
Desde maio professores, diretoras, agentes das escolas estaduais passaram pelas atividades de teoria e prática para desenvolverem a Coleta Seletiva Solidária dentro das unidades de ensino. O conteúdo também incluiu uma visita ao aterro controlado em Bongaba, onde conheceram a história do lixão e do processo de remediação para recuperação do espaço. Além de realizar as dinâmicas, eles tem agora o desafio de mudar hábitos em suas escolas.
"É um marco histórico na Educação Ambiental. Estamos celebrando essa ação parceira pois a educação não tem ponto final", enfatizou Deise Kelly, coordenadora de Educação Ambiental e Saúde da SEEDUC.
Ascom Magé

COMPARTILHE

Compartilhe