quinta-feira, 5 de julho de 2018

Botijão de gás de cozinha vai ficar 4,4% mais caro nas refinarias

A partir de hoje, Petrobras vai vender o botijão de 13 kg a R$ 23,10 para as distribuidoras



Preço final depende deimpostos e margens de lucro de distribuidoras e comerciantes

Lucas Lacaz Ruiz/Folhapress


O preço do botijão de gás de 13kg, de uso doméstico, vai ficar 4,38% mais caro nas refinarias a partir de hoje  (5). O anúncio foi feito na quarta-feira (4) pela Petrobras.

Desde janeiro de 2018, a Petrobras vem anunciando variações trimestrais para o preço do produto — até o ano passado, as mudanças ocorriam mensalmente.

O gás de cozinha (ou GLP, gás liquefeito de petróleo) iniciou 2018 ao preço de R$ 24,38 nas refinarias. Ainda em janeiro, o preço caiu para R$ 23,16, sofrendo nova queda em abril, para R$ 22,13, antes de chegar ao valor que começa a valer amanhã, de R$ 23,10.
O valor corresponde a uma média nacional e desconsidera a incidência de tributos, levando em conta os preços praticados em diversos pontos de venda do país.
As revisões feitas podem ou não se refletir no preço final, que incorpora impostos e mais os repasses dos demais agentes do setor de comercialização, como distribuidores e revendedores.
De acordo com o IPCA, índice oficial da inflação brasileira, o gás de botijão teve uma alta média de 13% nos últimos 12 meses (junho de 2017 a maio de 2018). As maiores altas se deram no Recife (23,85%) e Goiânia (23,52%).

Publicidade

Explicações para alta
Em comunicado, a estatal petrolífera destacou que a desvalorização do real frente ao dólar, que entre março e junho chegou a 16%, e elevações de 22,9% nas cotações internacionais do GLP no mesmo período "poderiam levar a um reajuste superior ao divulgado hoje".
"Esse impacto foi diluído pela combinação entre o período de nove meses usado como base para o cálculo do preço... Além do mecanismo de compensação que permitirá que eventuais diferenças entre os preços praticados ao longo do ano e o preço internacional sejam ajustadas ao longo do ano seguinte", disse a Petrobras.
A atual metodologia da Petrobras para reajustar o gás de cozinha busca conciliar a variação dos preços internacionais com os resultados da Petrobras. Segundo a empresa, características específicas do mercado de GLP possibilitaram a adoção de reajustes trimestrais baseados nas cotações internacionais do produto e variações no câmbio.
"Associado a mecanismo de compensação à Petrobras, a metodologia vem permitindo cumprir um dos objetivos da política atual de reduzir a volatilidade dos preços, preservando a saúde financeira da companhia", disse a Petrobras.


R7

COMPARTILHE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe