sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Centro de Hemodiálise é inaugurado em Teresópolis após 3 anos de obras

Atendimentos aos pacientes começam na terça-feira (29)




Foi inaugurado na manhã de quinta-feira (24) o Centro Municipal de Diálise em Teresópolis, Região Serrana do Rio. Segundo informações da prefeitura, a unidade começa a atender cerca de 90 pacientes renais do município na próxima terça (29). A estrutura foi inaugurada após três anos de obras. Neste período, mais de 40 pessoas morreram com a rotina pesada de viagens para tratamento em Itaboraí e Magé.

Com licença do Governo do Estado, a Prefeitura aguarda habilitação do Ministério da Saúde, responsável pelos custos do tratamento. Porém, a unidade vai começar a funcionar. “A Prefeitura vai assumir temporariamente o pagamento para que essas pessoas possam usufruir imediatamente dos serviços de hemodiálise em Teresópolis”, disse o prefeito Mário Tricano.
Segundo o secretário municipal de Saúde, Julio Cesar Ambrosio, até segunda-feira (28) a unidade passará por desinfecção de todas as instalações e também serão montados os turnos de atendimento.

“O tratamento em si sacrifica bastante, mas a viagem debilita ainda mais o paciente, que passa horas numa máquina. A gente espera melhorar a qualidade de vida dessas pessoas, que poderão se tratar na cidade onde moram”, afirmou o secretário. 

A unidade
Localizada na Rua Roberto Rosa, 366, na Tijuca, o centro de terapia renal funcionará de segunda a sábado, das 7h as 17h. Com equipamentos e profissionais especializados, a clínica tem 35 cadeiras e capacidade para até 105 atendimentos.

O serviço será prestado pela empresa Renal Assistência Médica, contratada por licitação para gerir a unidade.
“Vamos acompanhar quem faz hemodiálise e os que fazem consulta no ambulatório do SUS e forem referenciados pela rede. A clínica está estruturada para atender até 200 pacientes por mês, conforme determinação do Ministério da Saúde”, explicou o médico nefrologista Virgílio Delgado, responsável técnico da clínica.

Segundo ele, haverá retaguarda hospitalar para casos mais graves. “Quem passar mal durante o tratamento terá atendimento assegurado no Hospital das Clínicas e no São José que estão contratualizados como hospitais de retaguarda do Centro de Diálise. Também daremos suporte à UPA”, informou Virgílio.

Camila Lima de Mello faz hemodiálise há 16 anos e comemorou a conquista. “É uma emoção muito grande. Muitos disseram que não veriam a clínica aberta e realmente não viram. Eles jamais serão esquecidos. Agradecemos a Deus, a tudo o que foi feito. Agradecemos também ao pessoal de Itaboraí que durante três anos nos ajudou muito na nossa caminhada para que pudéssemos estar aqui hoje”, contou.
G1

COMPARTILHE

Curta Nossa Página no Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe

CURTA A NOSSA PÁGINA