quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Bandidos entopem bueiros para assaltar em vias alagadas, diz prefeitura

Chefe do COR pedirá atuação da PM em locais com alagamentos




Novo chefe executivo do Centro de Operações Rio (COR) da prefeitura, o coronel do Exército Guilherme Lima Torres Sangineto disse nesta terça-feira que, a partir desta quarta, quando cair um temporal na cidade, a Polícia Militar será acionada para garantir a segurança das equipes que trabalham na desobstrução de bueiros. Isso, segundo ele, tem um motivo: bandidos estariam usando sacos plásticos para entupir ralos, com o objetivo de provocar alagamentos e assaltar motoristas e pedestres ilhados.

De acordo com Sangineto, que assumiu o cargo na última quinta-feira, o COR registrou criminosos adotando a estratégia em dois pontos da Avenida Brasil, na altura dos bairros de Acari e Irajá. Ele frisou que, por conta dessas ações, é fundamental que a PM dê apoio à ação de funcionários da Secretaria de Conservação e Meio Ambiente, da Rio Águas e da Comlurb durante tempestades.


O coronel ainda não tem grande experiência em situações de emergência decorrentes de fortes chuvas, mas garante que terá facilidade para comandar a “tropa” de 720 funcionários do COR. A confiança vem do fato de ser oficial do Exército e “caveira”.
— Fui o zero-cinco da turma de 1998 do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da PM — disse, orgulhoso, Sangineto.

O “caveira” enfrentou seus primeiros desafios no COR durante o fim de semana, quando vários pontos das zonas Norte e Oeste ficaram alagados. Ele admitiu que as tempestades de verão andam lhe tirando o sono, e afirmou estar preocupado com a previsão de que, este mês, as chuvas deverão superar em 53,46% a média das precipitações em janeiro nos últimos anos.

Investimentos em ações de prevenção contra deslizamentos e enchentes não foram priorizados pelo município e pelo estado, mas o novo comandante do COR, o terceiro a ocupar o cargo na gestão do prefeito Marcelo Crivella, garantiu estar preparado para enfrentar as dificuldades. Ele vem usando um aparelho para acompanhar o radar meteorológico do Alerta Rio e procedimentos de emergência.
— Há um recurso que permite um acompanhamento em tempo real do radar meteorológico da prefeitura. Núcleos de chuva a um raio de 150 quilômetros da cidade podem ser observados com detalhes. Além disso, o COR conta com um um grupo de WhatsApp composto por meteorologistas do Alerta Rio. Eles sempre postam fotos e análises — contou Sangineto.



OGLOBO 

COMPARTILHE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe