quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Multas de trânsito poderão ser pagas com cartão de débito e parceladas com cartão de crédito


Medida ainda depende de regulamentação do Detran para entrar em funcionamento



Uma novidade vai facilitar em breve a vida de motoristas o pagamento de multas e demais débitos relativos ao veículo. O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) autorizou os órgãos do Sistema Nacional de Trânsito (SNT) a aceitar esses pagamentos por meio de cartões de débito ou crédito. Os valores poderão ser quitados à vista ou em parcelas. Anteriormente, somente as multas aplicadas em veículos registrados no exterior poderiam ser arrecadadas com cartões de débito ou crédito. Segundo a resolução, caberá a cada órgão de trânsito fazer essa implementação. No Rio de Janeiro, a medida ainda depende da regulamentação por meio do Detran-RJ.

A mudança foi regulamentada pela Resolução 697, do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicada nesta quarta-feira, no Diário Oficial da União. Ela altera resolução anterior que proibia o parcelamento das multas de trânsito.


O parcelamento será realizado por meio de cartão de crédito, gerando o compromisso financeiro entre o titular do cartão e a administradora do cartão de crédito. A ideia é reduzir a inadimplência relativa ao pagamento das multas de trânsito e demais débitos relativos ao veículo com os diversos órgãos e entidades integrantes do Sistema Nacional de Trânsito.
- Antes dessa norma, alguns órgãos de trânsito adotaram o parcelamento das multas de trânsito diretamente por meio de documentos de arrecadação. Muitos proprietários de veículos buscavam o parcelamento como forma inicial de regulamentar a situação do veículo e obter o documento de licenciamento ou possibilidade de transferência, sem arcar com o compromisso de quitar as demais parcelas - explica o diretor do Departamento Nacional de Trânsito e presidente do Contran, Elmer Vicenzi.

Com o parcelamento, as operadoras do cartão deverão realizar a quitação das multas à vista com o órgão de trânsito, assumindo o risco da operação com o titular do cartão.



OGlobo

COMPARTILHE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe