sábado, 29 de outubro de 2016

Ondas invadem pistas e atingem quiosques na orla do Leblon

Mirante do bairro foi interditado pela Defesa Civil após onda atingir deque



A cena chamava a atenção de quem passava pela orla do Leblon, na Zona Sul do Rio, na manhã deste sábado. Durante a madrugada, em determinados momentos, o sentido Ipanema da Avenida Delfim Moreira parecia até uma extensão da praia: a violência das ondas era tamanha, que a água invadiu o calçadão e também a pista, levando grande quantidade de areia para a via. Os tradicionais quiosques posicionados na orla do cartão postal foram atingidos: deques e mobílias, como cadeiras e mesas, sofreram estragos após serem atingidos pela força da maré.

Por conta da forte ressaca, a pista junto a orla foi interditada ao trânsito de veículos, conforme informou o Centro de Operações Rio (COR), da prefeitura. O fluxo de carros não foi bloqueado no sentido Barra da avenida — junto às edificações —, apesar de a água chegar ao trecho, quando a maré vinha com mais força. Mesmo com o incidente, o trânsito, no período da madrugada, não apresentou retenções já que poucos veículos circulavam pelo local.

Também devido à força da ressaca, o mirante do Leblon foi interditado pela Defesa Civil. No local, uma onda bateu no deque e parte da estrutura quebrou. Agentes trabalham no local e avaliam o estrago. Além da Defesa Civil, também foram mobilizados para atuar na orla do bairro equipes da CET-Rio, Comlurb, Seconserva e Guarda Municipal.Na orla, alguns quiosques sofreram prejuízos. Um deles é que está localizado próximo à Rua Pereira Guimarães. No local, um dos mais afetados pela ressaca, homens trabalhavam para evitar mais estragos provocados pela água, salvando o que podiam.

Outro atingido foi o quiosque Mãe Terra, próximo à Rua General Venância Flores. O vigilante do estabelecimento Antônio Rodrigues, de 56 anos, descansava no local quando foi surpreendido pela maré.
— Ainda não tinha visto uma situação como essa. Para mim (na hora do susto) eu ia ser levado pela água, fiquei desesperado. Até os brinquedos para as crianças, que ficavam na areia, foram destruídos — afirmou ele, que estava com as roupas molhadas e acrescentou que o celular parou de funcionar, após a onda atingi-lo.

OGlobo

Pezão defende política de incentivos

Governador participou da abertura do seminário na Firjan


O governador Luiz Fernando Pezão defendeu, nesta sexta-feira (28/10), a política de incentivos fiscais para atrair empresas e gerar empregos. Segundo Pezão, a concessão dos incentivos contribui para a movimentação da economia e aumento da arrecadação. Ele negou ainda que os incentivos foram responsáveis pela crise financeira do estado.

- Esses incentivos é que possibilitam que diversas empresas, diversos segmentos ainda estejam ajudando na nossa arrecadação e gerando emprego. Não teríamos a Nissan, todo o setor leiteiro, a fábrica de carnes que será inaugurada no distrito industrial de Queimados, todo o polo da Michelin, a L’Oréal. Temos todos os inventivos discriminados. Ou a gente faz um pacto entre os estados e ninguém mais dá incentivos ou a guerra fiscal vai continuar. E nós não vamos ficar de fora. A gente só cresce com a geração de empregos, com a renda circulando, e isso é possível através das indústrias que se instalaram aqui - afirmou.

No período entre 2010 e 2015, as isenções fiscais somaram R$ 33,2 bilhões. De acordo com Pezão, os critérios de concessão foram baseados em leis aprovadas na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

- Nós temos confiança nos nossos números e nós mostramos que não foram dadas isenções. O estado reduziu o imposto. A gente recebe o imposto. Quando nós damos incentivos a Nissan, a Peugeot Citroën, a Volkswagen, a Land Rover, essas empresas têm o incentivo financeiro. Ficam ali dez anos pagando o imposto menor, mas depois elas vão recolher esse imposto. Nós utilizamos o recurso desse fundo. Então o estado não está abrindo mão de impostos. Nosso incentivo é financeiro, a empresa recolhe o ICMS. Nós vamos abrir todos os nossos números, prestar todos os esclarecimentos. Uma coisa que eu mais estou lutando dentro do governo hoje, e a gente já evoluiu na transparência, eu quero chegar ao final de 2018, com todo governo do estado – não sei se vai ser o maior – mas eu quero chegar ao que tem de melhor dentro do país na transparência – destacou.

O governador disse ainda que esteve essa semana em Brasília com o presidente Michel Temer, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e a secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, discutindo a reforma da previdência pública. Segundo Pezão, os estados devem fechar uma proposta no próximo dia 4 para levar ao governo federal.

- Eu e o governador Raimundo Colombo ficamos encarregados pelo presidente Michel Temer de fecharmos uma proposta dos estados para apresentar a ele e à equipe do ministro Eliseu Padilha. A gente tem um fórum dia 04 com todos os secretários de Fazenda e as equipes de administração dos estados para fechar essa proposta. O governo fez a proposta do regime geral deles, do INSS. Nós estamos colocando a nossa proposta da previdência pública. Essa discussão que a gente quer fazer. Nós não queremos penalizar o servidor público, mas nós temos que ter uma previdência equilibrada atuarialmente - contou.

Pezão informou também que a arrecadação diminuiu e que o Rio voltou ao custeio de 2013. Segundo ele, novas medidas serão anunciadas na próxima semana.

- Tem uma série de medidas que o estado vai tomar, vamos enxugar mais ainda. A arrecadação não está se recuperando. Não é só no Rio. Eu estava falando com o governador Geraldo Alckmin. São Paulo é um termômetro para nós no país. A arrecadação não está crescendo. A gente viu ontem os números do governo federal da arrecadação não se recuperando. Então, temos que arrumar um jeito de equilibrar as nossas contas - explicou.

O governador participou da abertura do seminário "Infraestrutura Fluminense - desafios e oportunidades", promovido pela Firjan. Durante o encontro, Pezão afirmou que é preciso concluir as obras necessárias para eliminar os gargalos nas rodovias fluminenses.

- Não dá para a gente abrir mão da duplicação da Serra das Araras, de terminar o túnel da Rio-Petrópolis – falta 1km para ser terminado -, tem uma série de investimentos aí. Tem a duplicação de Rio Bonito até Itaboraí para tirar esse gargalo da ponte Rio-Niterói. Isso já está pronto. Já poderia estar gerando emprego, gerando renda. Eu acho um absurdo a gente estar com algumas obras paralisadas e outras não iniciadas - disse.

Participaram ainda do seminário o secretário do Programa de Parcerias e Investimentos do governo federal, Moreira Franco, o diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Jorge Bastos, e o presidente do Sistema FIRJAN, Eduardo Eugênio Vieira. 

Rio registra marca histórica de transplantes de córnea

Tempo de espera pela cirurgia foi reduzido de 10 anos para 1 ano e meio no estado nos últimos anos



Em menos de 10 meses, o Rio de Janeiro já superou, neste ano, o número total de transplantes de córnea realizados em 2015: de janeiro a 07/10, foram feitos 454 procedimentos deste tipo no estado, enquanto no ano passado, entre janeiro e dezembro, foram 443. Com o aumento do número de cirurgias, o tempo de espera pelo procedimento, que já chegou a dez anos, atualmente é de 1 ano e meio. Em 2010, quando o Programa Estadual de Transplantes foi criado, o ano se encerrou com 138 transplantes.

Os resultados colocam o Rio de Janeiro como um dos principais estados que realizam este tipo de cirurgia no país. O aumento da taxa de transplantes foi de 8,7 PMP (por milhão de população), em 2010, para 35 PMP (por milhão de população), considerando os dados do PET até o fim de setembro deste ano.

- O aumento do número de procedimentos é bastante expressivo e indica que o Rio de Janeiro está no caminho correto. Porém, é preciso haver uma mudança cultural quando se pensa na doação de órgãos e tecidos no estado. É importante que as pessoas conversem sobre o assunto e esclareçam suas dúvidas. Diversos problemas podem afetar as córneas e o transplante é seguro, eficiente na maior parte dos casos e traz mais qualidade de vida ao paciente. A doação pode, inclusive, devolver a visão para aqueles que a perderam completamente – destaca Luiz Antônio Teixeira Jr., secretário de Estado de Saúde.

A indicação para a realização de um transplante de córnea é feita quando são detectadas alterações ou perda de uma ou mais de suas características – curvatura, regularidade e transparência. O ceratocone – patologia que prejudica o formato da córnea – é a principal causa de transplantes de córnea no Brasil. A saúde do olho também pode ser afetada por úlceras, degenerações e distrofias, além de problemas que podem ser genéticos, hereditários ou ainda causados por ferimentos e infecções.

- O transplante nos garante a substituição total ou parcial da córnea doente, ou opaca, por uma nova, sadia. Isso permite a correção de defeitos oculares. Trata-se de um procedimento ambulatorial e o paciente não precisa ser hospitalizado. O sucesso da cirurgia varia de acordo com a complexidade de cada caso, mas, em geral, esse índice varia mundialmente entre 80 e 90% de cirurgias bem-sucedidas, o que significa um grande número de pessoas que ganharam mais qualidade de vida. Tivemos um grande avanço no estado nos últimos anos e esperamos resultados ainda melhores para os próximos – explica Rodrigo Sarlo, coordenador do PET.

Tecidos como córnea, ossos, pele e válvulas cardíacas podem ser doados tanto nos casos de morte encefálica quanto na morte resultante de parada cardíaca, diferentemente do que ocorre com órgãos como o coração, fígado e rins, entre outros, que só podem ser doadores os casos de morte cerebral. Assim como na doação de órgãos, a autorização familiar é a única forma de garantir que as córneas sejam doadas. Após a captação, que deve ocorrer em até seis horas após o falecimento, elas podem ser devidamente armazenadas por até 14 dias, facilitando as cirurgias de transplante. Atualmente, o estado conta com 27 unidades transplantadoras.

Banco de Olhos – Parceria entre o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO) e o PET, o Banco de Olhos conta, desde 2013, com estrutura capaz de filtrar todo o ar onde as córneas são processadas, além de área de segurança biológica superior a de um centro cirúrgico. Integrado ao Banco de Tecidos do INTO, o serviço foi o segundo do tipo a ser inaugurado no RJ e é considerado essencial para a melhoria do desempenho do estado na realização deste tipo de procedimento.

Para receber uma córnea, o paciente deve estar inscrito, através de um encaminhamento médico, na lista única que fica a cargo do PET. Uma equipe de transplantes credenciada ao Ministério da Saúde irá representá-lo e inscrevê-lo junto ao Sistema Informatizado de Gerenciamento (SIG), coordenado pelo Sistema Nacional de Transplantes (SNT). Automaticamente, o paciente terá o Registro Geral de Cadastro Técnico (RGCT), um número que o identifica e fornece informações importantes, como a situação na lista de espera. O critério de espera pelo transplante de córnea é cronológico, sendo determinado pela data de inscrição – ou seja, quanto antes do paciente for inscrito, antes será submetido ao procedimento. 


Sistema FIRJAN alerta para esvaziamento econômico com suspensão de incentivos fiscais no Rio de Janeiro

O Sistema FIRJAN alerta para a gravidade da decisão da Justiça do Rio de Janeiro de, atendendo a ação do Ministério Público, suspender a concessão, ampliação ou renovação de incentivos fiscais pelo Governo estadual. Isto representa o risco de um novo ciclo de esvaziamento econômico no Estado, como ocorreu nos anos 1980.

Há um grande equívoco em apontar uma renúncia fiscal de R$ 151 bilhões de 2010 a 2015. Na verdade, esse valor é o total dos incentivos, o que inclui postergação ou adiamento do recolhimento do ICMS, ou seja, valores que o Estado recebe posteriormente.

A renúncia fiscal é a menor parte dos incentivos. No período mencionado, segundo a secretaria estadual de Fazenda, somou R$ 33 bilhões.Desse montante 70% correspondem a incentivos dentro do Confaz, aplicados por todos os estados.

A política estadual de incentivos fiscais é da maior importância para a indústria, considerando que o Rio de Janeiro cobra o ICMS mais elevado do Brasil e está em desvantagem frente a outros estados.

Esta política resultou em importantes investimentos industriais, geração de empregos e de renda. Nos últimos anos, se instalaram 231 indústrias no interior fluminense. Foram gerados quase 100 mil empregos. E a arrecadação de ICMS nas cidades que receberam esses empreendimentos mais que dobrou.

Para os próximos três anos, estão previstos investimentos de R$ 42 bilhões no Estado. Ou seja, mais do que a renúncia fiscal de 2010 a 2015.

Irregularidades alegadas pelo MP devem ser tratadas caso a caso. E não podem servir de pretexto para a proibição de uma política de estímulo a empreendimentos.

A suspensão de incentivos provoca insegurança jurídica, desestimula investimentos e pode levar à saída de indústrias para outros estados, aumentando o desemprego no Rio de Janeiro.

A conta não será paga apenas pela indústria, mas por toda a sociedade fluminense.

Quatro unidades de saúde marcam ‘Outubro Rosa’ e ‘Novembro Azul’ no Centro da cidade

Campanhas começaram no início de outubro e este ano estão sendo realizadas em conjunto e de forma descentralizada pelos postos de saúde

A Secretaria de Saúde de Cantagalo reuniu na Praça Cônego Crescêncio Lanciotti, no Centro da cidade, na última quinta-feira, 27 de outubro, quatro unidades básicas de saúde: Djalma Dantas de Gusmão (Centro), Dr. João Nicolau Guzzo (Triângulo), Manoel Francisco de Paula Bon (São José – parte baixa) e Dr. Jorge Antônio Vieira de Barros (São José – parte alta).

A ação é parte das campanhas ‘Outubro Rosa’ e ‘Novembro Azul’, que, este ano, estão sendo realizadas em conjunto no município, intensificando as informações sobre prevenção e esclarecimento a respeito dos cânceres de mama e colo de útero, no caso das mulheres, e de próstata, no caso dos homens.

As campanhas começaram no início de outubro, com ações descentralizadas nas unidades de saúde que cobrem as áreas dos distritos. Já realizaram o trabalho até agora as unidades básicas de saúde Eolo Caldas Capibaribe, em Euclidelândia, terceiro distrito; Maria Luíza Huguenin de Souza, em Santa Rita da Floresta, segundo distrito; e José Maria dos Santos Faria, em Boa Sorte, quinto distrito. As unidades que cobrem o primeiro distrito, além das ações realizadas no Centro da cidade de forma conjunta, também farão investidas específicas nas suas áreas de atuação.

No Centro da cidade, a ação também contou com parceria da Secretaria Municipal de Educação, que mobilizou escolas e estudantes para incrementar outras duas vertentes do trabalho que vem sendo desenvolvido pelas campanhas nas áreas de alimentação saudável e saúde bucal. As crianças apresentaram uma peça teatral com o título ‘A dor de dente do lobo mau’, para chamar a atenção sobre a importância da higiene bucal.

A abertura contou com participação da Banda de Tambores do Ciep 277 - João Nicolau Filho (Janjão), que foi recepcionada pelo prefeito Saulo Gouvêa e pelas secretárias municipais Vânia Huguenin (Saúde) e Fernanda Torres (Educação). O secretário interino de Governo, Raphael Jevaux, também participou do evento, que conseguiu mobilizar a sociedade e os que passavam pelo Centro da cidade, já que a ação teve início às 8 horas e só terminou às 16 horas.

A professora Cássia Medel, convidada, aproveitou para apresentar o ‘Casca de Cebola’, um projeto beneficente, com sede em Nova Friburgo, composto por voluntários, que tem o objetivo de levar autoestima e esperança para mulheres e crianças vítimas do câncer. “Estamos desenvolvendo um trabalho voltado à arrecadação de mechas de cabelos de tonalidades variadas para a confecção de perucas, que são doadas àquelas pessoas em tratamento contra o câncer e que nos procuram”, explicou a professora, conclamando a sociedade a auxiliar a essas pessoas, que, durante o tratamento com radio e quimioterapia comumente perdem os cabelos.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, a próxima ação descentralizada está marcada para o dia 9 de novembro e ficará sob responsabilidade da equipe de trabalho da Unidade Básica de Saúde Líbio Paula Silva, em São Sebastião do Paraíba, quarto distrito. As ações mobilizarão a comunidade na Praça Antônio Manoel de Paula Filho (Totonho de Paula), no Centro do distrito.

Ascom

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Pesquisador brasileiro ganha o prêmio mundial em biodiversidade

Mestrado sobre desmatamento na Amazônia foi selecionado pela Plataforma Global de Informação sobre Biodiversidade


Brasileiro recebeu bolsa de € 4 mil (euros) para financiar estudos



O pesquisador Bruno Umbelino da Silva Santos, da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), foi o primeiro brasileiro a ganhar o prêmio mundial Jovens Pesquisadores na área de tecnologia da informação para a biodiversidade.
O tema da dissertação de mestrado de Santos foi "Mapeando a perda do conhecimento da biodiversidade na Amazônia em função do desmatamento histórico e futuro".
O prêmio no valor de € 4 mil (euros) é concedido pela Plataforma Global de Informação sobre Biodiversidade (GBIF, na sigla em inglês) para financiar as pesquisas. 
"Eu quis estudar os impactos antropogênicos na floresta tropical Amazônia, uma das mais importantes do mundo. Avaliar a ação do homem ao longo do tempo e, com isso, gerar um alerta para mudança de comportamento futuro", explicou Santos.
Com base em um modelo que estima a totalidade de dados na região, ele pretende quantificar o conhecimento sobre a biodiversidade já perdido em decorrência do desmatamento e projetar um mapa que possa ser um instrumental para a orientação de amostragens de campo e pesquisas futuras, especialmente quando usado juntamente com dados atualizados sobre o desmatamento.
Segundo o estudo, o declínio na qualidade dos dados pode trazer consequências graves para o planejamento da conservação, uma vez que os pesquisadores passam a construir modelos de distribuição de espécies com dados incompletos de florestas que não existem mais e que, por definição, não podem ser inventariados novamente.
"Considero que o uso de grandes bancos de dados (Big Data) é bastante relevante no suporte aos estudos conservacionistas, biogeográficos e de outras subáreas da biologia. Sua relevância vai da maximização do tempo de coleta, completude de dados e maior precisão na inferência das amostras", afirmou o pesquisador.
Como parceiro do GBIF no Brasil, o Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr) do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) foi responsável pela seleção nacional que indicou o estudante como concorrente brasileiro. A ação conta com suporte técnico do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e apoio financeiro do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF).
Nesta sexta-feira (27), o plano de implementação da Plataforma Global de Informação sobre a Biodiversidade para 2017-2021 será tema de simpósio científico promovido pelo SiBBr. Aberto ao público, o simpósio "SiBBr: Implementando o GBIF no Brasil" acontece na quinta-feira (27), entre 9h e 17h, no Auditório do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), e integra a programação oficial do evento do GBIF no Brasil.
Jovens Pesquisadores
Anualmente o prêmio Jovens Pesquisadores oferece dois auxílios de 4 mil euros, para um projeto de mestrado e outro de doutorado. Os projetos são avaliados respeitando os seguintes critérios: originalidade e inovação; uso e relevância estratégica para o GBIF; e mensurabilidade e impacto no avanço da informática para a biodiversidade e/ou a conservação da diversidade biológica.
O vencedor brasileiro compartilha o prêmio com o mexicano Juan M. Escamilla Molgora, doutorando da Universidade de Lancaster, no Reino Unido. A Comissão de Ciência do GBIF elogiou os dois premiados pela inovação e originalidade da pesquisa e o uso criativo de dados disponibilizados pela plataforma global de biodiversidade.
 Com  MCTI

Rio de Janeiro vai receber R$ 2,9 bilhões

Medida provisória que autoriza o governo federal a efetuar o repasse foi aprovada pela Câmara dos Deputados em 13 de setembro

A Constituição permite que o governo edite MPs de crédito para atender
despesas urgentes e imprevistas, em caso de guerra, comoção interna
 ou calamidade pública


O presidente Michel Temer sancionou lei que libera R$ 2,9 bilhões ao Rio de Janeiro, como apoio financeiro para compensar gastos da Secretaria de Segurança com os Jogos Olímpicos Rio 2016.
Com isso, a União fica obrigada a repassar em parcela única os recursos. A sanção foi publicada no Diário Oficial da União de hoje (26).
A medida provisória 736/16, que autoriza o governo federal a efetuar o repasse,
foi aprovada pela Câmara dos Deputados em 13 de setembro e, antes, pela Comissão Mista de Orçamento, em 2 de agosto.
Os recursos foram usados, desde a edição da MP, no final de junho, como apoio financeiro da União ao governo fluminense em despesas com segurança pública decorrentes da realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos
A Constituição permite que o governo edite MPs de crédito para atender despesas urgentes e imprevistas, em caso de guerra, comoção interna ou calamidade pública.
Os R$ 2,9 bilhões liberados afetam a meta fiscal do governo federal, que é de deficit primário de R$ 170,5 bilhões. O crédito terá que ser incorporado na estatística de resultado primário deste ano.
Com/ Câmara dos deputados

Goleiro do Avaí brilha e Vasco fica no empate sem gols em São Januário

Comandados de Jorginho ficaram no 0 a 0 na noite desta quarta-feira pela Série B do Campeonato Brasileiro. Equipe segue agonia para retornar à elite nacional de 2017




Na primeira quarta-feira com jogo do Vasco na Série B do Campeonato Brasileiro, deu empate. Nesta noite, em São Januário, a equipe não saiu do 0 a 0 com o Avaí e segue a agonia na briga para retornar à elite nacional. Os comandados de Jorginho até criaram, mas pararam a todo instante nas mãos do goleiro Renan, que teve bela noite.

Os primeiros 30 minutos da partida foram totalmente favoráveis ao Vasco. O relógio não marcava nem o primeiro minuto e a primeira chance da equipe comandada por Jorginho era criada. Nenê aproveitou falha da zaga do Avaí e mandou para Douglas finalizar com muito perigo para o gol. No lance seguinte, novamente Douglas chegou bem ao ataque, mas acabou mandando para fora.

Na metade inicial da etapa inicial, nova chance para o Vasco. Rafael Marques aproveitou cobrança de escanteio e o goleiro Renan fez grande defesa, evitando que o zero saísse do placar. A partir dos 30, diminuíram o ritmo e, simultaneamente, o Avaí cresceu de produção. Aos 32, Diego Jardel mandou de primeira e Martin espalmar. O panorama até o intervalo seguiu lento, sem oportunidades efetivas.

Diferentemente do início da partida, o segundo tempo marcou pela monotonia. Tanto os jogadores do Vasco quanto os do Avaí retornaram do intervalo sem disposição de jogo. Impressionante a forma como esta mudança radical de ritmo em campo na atitude dos atletas prejudicou o duelo, o qual se esperava muito por serem dois postulantes à elite.

Somente nos minutos finais que o Vasco voltou a criar. Aos 31, Rodrigo aproveitou cobrança de escanteio e obrigou Renan a fazer outra grande defesa para o Avaí. No minuto seguinte, Luan, da equipe catarinense, recebeu o segundo cartão amarelo e acabou sendo expulso. Com um a mais, o time de Jorginho foi para o tudo ou nada, aos 43 Renan novamente salvou em tentativa de Nenê. O fantasma da B segue e com o presidente Eurico Miranda alvo de protestos dos torcedores após o apito final.

FICHA TÉCNICA
VASCO 0 X 0 AVAÍ

Estádio: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 26/10/2016 - 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Marcos Mateus Pereira (MS)
Auxiliares: Daiane Caroline Muniz dos Santos (MS) e Sérgio Alexandre da Silva (MS)
Renda/público: R$ 76.960,00/3.177 pagantes
Cartões amarelos: Nenê, Douglas (VAS) e Judson, Luan, Luiz Gustavo (AVA)
Cartão vermelho: Luan 32'/2ºT (AVA)

VASCO: Martin Silva, Madson, Rafael Marques, Rodrigo e Julio Cesar (Alan 23'/2ºT); William, Douglas, Andrezinho e Nenê; Junior Dutra (Thalles 14'/2ºT) e Éderson (Jorge Henrique 27'/2ºT). Técnico: Jorginho.

AVAÍ: Renan, Luiz Gustavo, Fábio Sanches, Betão e Capa; Luan, Judson (João Filipe 15'/2ºT), Diego Jardel e Marquinhos (Caio César 35'/2ºT); Rômulo e William (Lucas Coelho 38'/1ºT). Técnico: Claudinei Oliveira.


Lance

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Emater-Rio e Embrapa oferecem tourinho para produtores do estado

Animais de alta qualidade serão comercializados a preço de custo

A Emater-Rio, Empresa de Extensão Rural vinculada à Secretaria de Agricultura, e a Embrapa estabeleceram parceria para a disponibilização de tourinhos de alta qualidade genética para comercialização aos produtores rurais fluminenses. O documento, assinado pelo chefe geral do Centro Nacional de Pesquisa Gado de Leite, Paulo do Carmo Martins e pela presidente da Emater-Rio, Stella Romanos, visa a implantação do projeto Rebanho do Futuro.

A iniciativa, também formalizada na ocasião com a Emater MG, vai colocar à venda, a preço de custo, tourinhos das raças Gir, Holandês e Girolando, produzidos através de biotecnologia de reprodução nos laboratórios da Fazenda da Embrapa em Coronel Pacheco, em Minas Gerais.


Com idades variando de seis a 24 meses, esses animais estarão disponíveis para produtores interessados e aprovados em avaliação técnica de seus rebanhos pelos profissionais da Emater-Rio. Os bovinos oferecidos são submetidos a testes genômicos, que garantem sua qualidade genética voltada para a produção e qualidade do leite.


- Essa parceria vem incrementar as ações já implementadas pelo nosso programa Rio Genética, dando acesso a pequenos produtores para investir na melhoria de seus planteis visando o aumento da produção leiteira - afirmou o secretário estadual de Agricultura, Christino Áureo.


Os primeiros 55 tourinhos já estarão disponíveis pela Embrapa para as entidades parceiras. A ideia é começar com tourinhos e, futuramente, expandir a oferta também para fêmeas de seis a 60 meses.

Ascom da Secretaria de Agricultura

Comandante Geral da PM é empossado


Coronel Wolney Dias Ferreira comandou diversas unidades operacionais



O novo comandante-geral da Polícia Militar, coronel Wolney Dias Ferreira, tomou posse nesta terça-feira (25/10), na sede do Batalhão de Polícia de Choque (BPChq), no Estácio. O policial militar, que comandou diversas unidades operacionais e estava na reserva, assume o cargo antes ocupado pelo coronel Edison Duarte. O novo comandante da corporação anunciou que será realizado um estudo sobre as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) com o intuito de redimensionar o programa. Ele também adiantou que fará mudanças na corporação a partir de novembro.

– Temos a intenção de realizar um estudo para podermos remodelar, por exemplo, o projeto das UPPs. Também vamos fazer alterações nos diversos escalões da corporação, inicialmente no tático e, em seguida, no de execução. O objetivo é buscar melhores resultados – disse Wolney, que ressaltou ainda que irá trabalhar para combater a vitimização de civis e de policiais militares.

No evento de transmissão do cargo, o secretário de Segurança, Roberto Sá, falou sobre a necessidade de combater a criminalidade.

– Vamos lutar dia após dia para preservarmos vidas no Rio de Janeiro. Em 2006, a taxa de homicídios dolosos por 100 mil habitantes era de 41,3%, mais de 5 mil pessoas morriam por ano por uma morte intencional, violenta. Este número foi bastante reduzido, mas ainda há muito o que fazer – ressaltou Sá.

Perfil

O coronel Wolney Dias Ferreira, de 55 anos, comandou unidades como o 35º BPM (Itaboraí), 30º BPM (Teresópolis), 17º BPM (Ilha do Governador), 12º BPM (Niterói) e, antes de ir para a reserva, o 4º Comando de Policiamento de Área.

MPF move ação para garantir serviços de saúde em Petrópolis (RJ)


O Ministério Público Federal (MPF) em Petrópolis (RJ) ajuizou ação civil pública com pedido de liminar contra o Estado do Rio de Janeiro e a União para assegurar o direito à saúde dos usuários do SUS no município de Petrópolis. A ação requer a imediata transferência de verbas necessárias no valor, até o momento, de R$ 5.433.829,56, para o Fundo Municipal de Saúde de Petrópolis, a fim de assegurar a continuidade da execução das ações e serviços públicos da saúde, conforme previsto na Constituição da República.
Segundo a ação, os Ministérios Públicos Federal e Estadual foram comunicados, pela Secretaria Municipal de Saúde, que o Estado do Rio de Janeiro não vem realizando os repasses mensais ao Fundo Municipal de Saúde de Petrópolis referentes às verbas correspondentes à contrapartida estadual para custeio do Componente Básico da Assistência Farmacêutica, dos leitos de UTI mantidos no Hospital Santa Teresa, da Organização de Procura de Órgãos e Tecidos (OPO) e dos procedimentos de oncologia, desde o ano de 2015.
Diante da situação, a Procuradoria da República de Petrópolis entrou em contato com o Fundo Estadual de Saúde, Coordenação e Execução Financeira do Estado do Rio de Janeiro, que confirmou a ausência de repasses de tais verbas. Foi informado ainda que, devido à atual crise financeira, o Estado do Rio de Janeiro não vem realizando os pagamentos aos municípios, em especial aqueles referentes à área de saúde, não havendo previsão de regularização.
Para a procuradora da República Vanessa Seguezzi e a promotora de Justiça Vanessa Quadros Soares Katz, autoras da ação, existe a real possibilidade, diante da inadimplência do Estado do Rio, de Petrópolis não ser capaz de manter em funcionamento os serviços de saúde, em especial de oncologia, unicamente com recursos próprios, sem prejuízos para o restante do sistema de saúde e demais serviços públicos. “A cessação abrupta dos serviços, sem qualquer retaguarda e sem estudos e planejamento prévio, causaria danos profundos e insuportáveis à população, sendo assim, inadmissível”, concluem. A ação destaca ainda a falta de adoção de qualquer providência do Ministério da Saúde em face do Estado do Rio de Janeiro, como preveem a lei e a própria Constituição Federal, a fim de fazer cessar a irregularidade no cofinanciamento das ações e serviços de saúde.
Além do pagamento ao Fundo Municipal de Saúde de Petrópolis, a ação requer que o Estado do Rio seja condenado a fazer a manutenção no repasse mensal das verbas referentes ao Componente Básico da Assistência Farmacêutica, dos leitos de UTI mantidos no Hospital Santa Teresa, da OPO e dos procedimentos de Oncologia até o dia 5 de cada mês, com comprovação nos autos; e a quitar os valores atrasados, com o repasse diretamente ao Fundo Municipal de Saúde de Petrópolis do valor total devido.
Já a União deve acompanhar e fiscalizar a aplicação da contrapartida estadual para o custeio das ações e serviços de saúde no município, adotando as medidas cabíveis em face do Estado do Rio a fim de fazer cessar qualquer irregularidade no referido cofinanciamento; e, por intermédio do Fundo Nacional de Saúde e/ou Tesouro Nacional, suspender parte dos repasses ao Estado do Rio, com depósito diretamente no Fundo Municipal de Saúde de Petrópolis, de forma imediata e sem atraso até o dia 5 de cada mês, dos valores referentes à contrapartida estadual devidos à municipalidade referentes ao Componente Básico da Assistência Farmacêutica, dos leitos de UTI mantidos no Hospital Santa Teresa, da OPO e dos procedimentos de oncologia.
O MP requer, ainda, que seja fixada multa diária, em valor não inferior a R$ 100 mil, para eventual descumprimento das obrigações fixadas na sentença.


Fonte: MPF-RJ

Tatá Werneck beija Tiago Iorc no palco do Prêmio Multishow 2016

A cena pegou todos de surpresa e virou assunto nas redes sociais. Para delírio da plateia, ele correspondeu ao beijão

Aproveitando os rumores de que os dois estariam juntos, a atriz Tatá Weneck — apresentadora do Prêmio Multishow 2016 — não pensou duas vezes ao ver Tiago Iorc no palco e roubou um beijo do cantor.
A cena pegou todos de surpresa e virou assunto nas redes sociais. Para delírio da plateia, ele correspondeu ao beijão. Quando o cantor ia deixando o palco, Tatá brincou (ou não) com ele. “Deixa a porta da cozinha aberta porque eu vou chegar tarde.”

Pesquisa aponta que Crivela tem 46% enquanto Freixo garante 27%




O candidato do PRB à prefeitura do Rio, Marcelo Crivella, manteve a dianteira sobre Marcelo Freixo (PSOL) na nova pesquisa DataFolha realizada nesta terça-feira (25/10). Ele oscilou para baixo dentro da margem de erro e obteve 46% das intenções de voto, contra 48% da pesquisa anterior.
Isso o deixa entre 43% e 49% da preferência do eleitorado. Já Marcelo Freixo (PSOL) foi de 25 para 27% – agora, está na margem de 24% a 30%. Votos brancos e nulos somaram 19%, e não souberam responder 8%. Nos votos válidos (considerando apenas quem declarou voto nos dois candidatos), a folga pró-Crivella ficou em 63% a 37% – na sondagem anterior, era 66% a 34%.
O quadro de estabilidade, com a redução de apenas quatro pontos na distância entre os dois candidatos a cinco dias do segundo turno, indica que teve efeito limitado a campanha de desconstrução lançada por Freixo contra Crivella, com auxílio de assessores que, como revelou o Estadão, trabalharam para o PSDB e PMDB. A ação tem incluído denúncias contra o candidato do PRB, acusado de ser apoiado por milicianos e de ser preconceituoso contra homossexuais e católicos.
Informações negativas

Também parece não terem causado grandes danos a Crivella as informações negativas divulgadas pela imprensa. Elas apontaram que o candidato do PRB foi preso e identificado criminalmente pela Polícia Civil do Rio em 1990, por tentar expulsar violentamente uma família de um terreno da Igreja Universal do Reino de Deus, divulgada pela revista Veja, e que haveria possibilidade de o candidato ser delatado na Lava Jato, segundo o jornal O Globo.

Crivellla tem acusado Freixo de ter ligações com os black blocs e de defender a liberação das drogas. Também passou a acusar a Veja e as Organizações Globo de tentar derrotá-lo com manipulações e mentiras, o que é rebatido pelos órgãos de imprensa.
O levantamento foi encomendado pela TV Globo e pelo jornal Folha de S.Paulo. Seu nível de confiança é de 95%, ou seja, considerada a margem de erro de três pontos porcentuais para mais ou para menos, a chance de o resultado retratar a realidade é de 95%. Foram entrevistados 1.280 eleitores acima de 16 anos em 25 de outubro. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) sob o protocolo RJ-09035/2016.
Estadão 

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Capitão do tri, Carlos Alberto Torres morre aos 72 anos


Capitão do tricampeonato da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1970, o ex-lateral Carlos Alberto Torres morreu aos 72 anos nesta terça-feira. O ex-jogador, que atualmente trabalhava como comentarista da Sportv, sofreu um infarto fulminante.
Carlos Alberto Torres fez sua última participação na emissora no último domingo durante o programa "Troca de Passes". Ele estava em sua casa no Rio de Janeiro quando sofreu o infarto. Segundo a TV Globo, Torres estava acompanhado do amigo e comentarista Ricardo Rocha quando começou a se sentir mal, chegou a ser encaminhado para o hospital, mas não resistiu.
Além de comentarista, Torres também era membro do Comitê de Reformas da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), grupo que estuda reformas em Código de Ética, Estatuto, Licenciamento e Registro, Calendário e Futebol Feminino. O grupo se reunia a cada dois meses para debater o assunto.
 
Carlos Alberto Torres marcou época no futebol brasileiro não só por sua passagem na seleção, mas também pela carreira trilhada em clubes do país, como Santos, Botafogo e Fluminense. Foi tricampeão carioca pelo time tricolor (1964, 1975 e 1976) e pentacampeão paulista na equipe santista (1965, 1967, 1968, 1969 e 1973). 

Ao pendurar as chuteiras em 1982, quando atuava pelo New York Cosmos, Carlos Alberto Torres iniciou a carreira de treinador com o título brasileiro de 1983 com o Flamengo. Passou por diversos clubes até o trabalho no Paysandu em 2005, o seu último na profissão.
Mas a cena que ficará imortalizada em sua vida no futebol é a da Copa do Mundo de 1970, quando levantou a taça Jules Rimet ao término da campanha histórica. Foram seis vitórias em seis jogos de um time que reuniu Pelé, Tostão, Jairzinho, Gerson e Rivelino.
UOL

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Selvageria marca fim do mistério de ‘The Walking Dead’


Após quase seis meses de espera, fãs descobriram o nome da vítima de Negan e sua fatal Lucille



Aviso, o texto abaixo contém spoilers para quem não viu o primeiro episódio da sétima temporada de The Walking Dead.

As apostas entre amigos fãs de The Walking Dead foram finalizadas na noite deste domingo. E o resultado não foi dos mais divertidos. Em um episódio marcado por um excesso de selvageria, que desafiou os limites estabelecidos pela própria série, partiu dessa para melhor não só um personagem, mas dois: o insignificante Abraham (Michael Cudlitz) e o popular Glenn (Steven Yeun).

O gancho deixado pelo último episódio da sexta temporada causou furor entre os espectadores por manter em segredo o nome da vítima de Negan (Jeffrey Dean Morgan), novo vilão, que usa um taco de beisebol revestido com arame farpado como arma — objeto carinhosamente apelidado de Lucille.
O resultado das mortes, contudo, foi menos chocante que as cenas dos assassinatos. Ambos foram mortos à paulada, na cabeça. A câmera não fechou os olhos durante o momento. Glenn, o mais querido, ainda protagonizou uma última fala, com crânio afundado, olho saltado e muito sangue.
Apesar do simpático Glenn ser também o assassinado na mesma ocasião nos quadrinhos, a adaptação trazia dúvidas sobre o resultado. A série de TV é conhecida por mudar momentos como este, o próprio Abraham já deveria ter sido eliminado antes, por uma flechada na cabeça. Outra razão que fazia o destino de Glenn ser incerto foi a falsa morte na mesma temporada, quando os produtores do seriado forjaram uma cena dúbia, deixaram a dúvida quicando, e depois recuperaram o rapaz. A morte não “morrida” irritou os fãs. Eliminar de verdade o popular personagem, agora, não melhorou esse relacionamento.
Para além de irritar espectadores, o episódio serviu para mostrar o poder de Negan, que chega a tratar o protagonista Rick (Andrew Lincoln) como um cachorro – jogando um machado em meio a um grupo de zumbis, pedindo que o líder do grupo vá buscar. Depois, o vilão faz um brutal jogo psicológico envolvendo o filho do policial, Carl (Chandler Riggs).
No geral, o capítulo que abre a nova fase do programa passou longe de ser um que valha a pena ser visto. Flashbacks, reais ou não, se misturavam com o tempo presente, em uma edição que não acertou, desde a luz incoerente até o desenvolvimento do enredo.
Com o grupo principal na pior, um longo gancho desnecessário e sem um dos personagens mais queridos, The Walking Dead precisa voltar aos trilhos que fizeram da série uma das mais relevantes dos últimos anos. Até os zumbis já estão ficando entediados.

VEJA


Objetivo do governo é a geração de empregos, diz Temer

Presidente entende que a recuperação da Petrobras, sem a obrigação de participar de todos os projetos de investimento, vai gerar mais postos de trabalho



O presidente da República, Michel Temer, afirmou, nesta segunda-feira (24), que o objetivo do governo federal é a geração de empregos. Ao participar da abertura da Conferência Rio Oil & Gás 2016, Temer argumentou que reerguer a Petrobras é determinante para melhorar investimentos no País e gerar mais postos de trabalho.
Na sua manifestação, o presidente da República citou o projeto de lei que vai tirar a obrigação de a petrolífera participar de todo e qualquer projeto de investimento. Até então, a empresa entra em todo e qualquer programa, mesmo se não tiver recursos para isso. Temer explicou que faltam apenas quatro destaques para que o projeto seja totalmente aprovado pela Câmara. 
“O mérito [do projeto] já foi aprovado, mais uma vez é o apoio do Congresso aos nossos projetos. E projetos, volto a dizer, que visam gerar emprego por meio do diálogo”, afirmou. A Câmara dos Deputados deve retomar hoje a análise da proposta.
“Quando se pretende desafogar a Petrobras, queremos trazer os setores da inciativa privada que possam participar desses projetos e que possam gerar empregos”, afirmou.
Temer afirmou que o Brasil tem “grande instabilidade social pelo desemprego” e alertou que muito do desemprego vem do setor petroleiro. “Uma das repostas [à crise] é diversificar a atuação da Petrobras”, observou.
Recuperação da Petrobras
O presidente ponderou ainda que a Petrobras passa por um ajuste, semelhante ao que o Brasil precisa passar, e que a companhia já mostra resultados importantes, como a valorização das ações no e a valorização da própria companhia.
“É como a história que nós aqui estamos tomando medidas, um certo aperto administrativo, como a questão do teto dos gasto públicos, que é uma medida de natureza fiscal, mas que visa reposicionar as contas públicas”, afirmou.
Portal Planalto

Aprovadas as contas de 2015 de São Sebastião do Alto


Com a determinação de que sejam reduzidas as despesas com pessoal, o Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) aprovou, na sessão plenária da última quinta-feira (20/10), a prestação de contas de governo da prefeitura de São Sebastião do Alto. As contas são da responsabilidade do ex-prefeito Mauro Henrique Silva Queiróz Chagas, que governou de 1º de janeiro a 19 de março de 2015, quando teve o mandato cassado, e da atual prefeita Rosangela Pereira Borges do Amaral Rodrigues. A decisão da Corte de Contas seguiu o voto do relator do processo, conselheiro José Gomes Graciosa.
A prefeitura trabalhou com a previsão inicial de arrecadar R$ 38.280.821,91. No entanto, o recolhimento efetivo no exercício de 2015 foi de R$ 43.518.675,53, ficando acima do que era esperado. O valor total das despesas executadas nesse período foi de R$ 47.717.104,11, ou seja, teve um déficit orçamentário de R$ 4.198.428,58. O parecer prévio seguirá para a Câmara Municipal para o julgamento das contas. 
Receita Corrente Líquida – Indicador que apura os limites legais de gastos, inclusive com folha de pagamento e operações de crédito, a RCL é resultante das receitas tributárias, de contribuições, patrimoniais, industriais, agropecuárias, de serviços, transferências correntes, entre outras receitas. Houve uma redução de 5,96% no final do exercício de 2015 em relação ao ano anterior. No 2º semestre de 2015, a RCL alcançou a soma de R$ 38.014.231,00. No mesmo período de 2014, os valores chegaram a R$ 40.424.423,60. 
Gastos com Pessoal – Os gatos com pessoal do Poder Executivo de São Sebastião do Alto ultrapassou o limite máximo exigido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que é de 54% da Receita Corrente Líquida. No 1º semestre de 2015, os gastos com pessoal chegaram a R$ 20.718.800,00, o que representava 53,77% da RCL. No semestre seguinte, esses valores chegaram a R$ 22.155.256,80, equivalente a 58,28% da RCL, estourando o limite legal. 
Educação – O custo de manutenção e o desenvolvimento do ensino foi de R$ 8.089.511,96. Esse valor corresponde a 28,15% da receita oriunda de impostos e transferências, que em 2015 chegaram a R$ 28.734.371,05. O resultado demonstrou que o município aplicou mais do que o percentual mínimo exigido pela Constituição Federal, que fixa em 25% do valor da base de cálculo. 
Fundeb – Na prestação de contas, a prefeitura de São Sebastião do Alto comprovou aplicação de R$ 3.396.527,45 no pagamento da remuneração dos profissionais do magistério, o que corresponde a 100% dos recursos do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais de Educação (Fundeb), ficando acima do mínimo (60%) preconizado pelo artigo 22 da Lei Federal nº 11.497/07. 
Saúde – Foi destinado pela prefeitura o valor de R$ 6.483.396,70, o que equivale a 22,82% da base de cálculo das receitas para gastos com a saúde. Esse percentual ficou acima dos 15% fixados na Lei Complementar nº 141/12, que regulamenta a Constituição Federal.

Fonte:TCE-RJ