terça-feira, 10 de novembro de 2015

Cordeiro é representado na Conferência Estadual da Juventude





      Nos dias 30 e 31 de outubro, a cidade do Rio de Janeiro sediou a 3ª Conferência Estadual da Juventude, da qual participaram lideranças jovens e gestores públicos, com o objetivo de discutir, elaborar e propor ao governo estadual mecanismos de articulação e cooperação institucional entre os entes federativos e a sociedade civil, no âmbito das políticas públicas para a juventude.

O município de Cordeiro foi representado pelo deputado juvenil João Pedro Aguiar Moreira, escolhido por unanimidade pela juventude da Cidade Exposição, durante a I Conferência Municipal da Juventude, realizada em setembro. O jovem parlamentar aproveitou para debater com o deputado federal Marco Antônio Cabral (PMDB) políticas públicas voltadas à juventude da Região Serrana.

Também eleitos na conferência de Cordeiro, que ganhou caráter regional, os parlamentares juvenis Lara Carvalho e Patrick Silva representaram na conferência estadual os municípios de Duas Barras e Cantagalo, respectivamente.
Pablo Sergio, secretário municipal de Infância e Juventude, afirma que vem tendo total apoio do prefeito Leandro Monteiro para dar voz à juventude cordeirense e buscar a inserção dos jovens e das entidades que os representam no contexto político-administrativo, para que as ações sejam realizadas em atendimento aos seus verdadeiros anseios. 


Ascom

COMPARTILHE

Ampliação da rede de distribuição de água e inauguração da quadra esportiva em Boa Ventura



O dia 10 de novembro de 2015, certamente ficará na memória dos moradores do distrito de Boa Ventura, afinal, nesta data foi entregue de forma simbólica à comunidade local, a ampliação da rede de distribuição de água, que já está beneficiando os moradores, que podem desfrutar desse valioso bem. O distrito também recebeu uma quadra esportiva, muito bem localizada, na região central. A quadra está totalmente cercada por alambrados e possui refletores, possibilitando a prática esportiva durante a noite.
O vice-governador do Estado do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles, participou da solenidade ocorrida no distrito. Também estiveram presentes as seguintes autoridades: Alfredo Paulo Marques Rodrigues, o Alfredão, prefeito de Itaperuna; Júlio Lopes, deputado Federal; Jair Bittencourt, deputado Estadual; Antônio Marcos da Silva, o Papinha, deputado Estadual; Péricles Olivier de Paula, ex-senador; Alexandre Pereira da Silva, o Alexandre da Auto Escola, presidente da Câmara de Itaperuna; prefeitos da Região Noroeste Fluminense; vereadores e secretários de Itaperuna; demais autoridades e convidados.
O ex-senador Péricles agradeceu ao vice-governador Dornelles, pela presença e pelo compromisso firmado com o interior do Estado e, lembrou-se do Ministério das Cidades, parceiro nas obras em Boa Ventura. O deputado Jair Bittencourt falou sobre as dificuldades pelo qual passa o Brasil e destacou o empenho dos políticos da região em buscar recursos para o interior.
Júlio Lopes destacou a atuação de Francisco Dornelles junto ao Governo Estadual e falou sobre duas emendas para o município de Itaperuna, no valor de R$ 2 milhões, que deverá sair em breve. Já o prefeito Alfredão fez questão de frisar a parceria com o Governo do Estado Rio, que vem dando resultado, mesmo diante de todas as dificuldades pelo qual passa o Brasil.
Alexandre da Auto Escola parabenizou a população de Boa Ventura e informou que a Câmara Municipal deverá devolver ao final do ano, cerca de R$ 2 milhões para os cofres da Prefeitura, dinheiro este, que segundo o presidente da Câmara, irá ajudar consideravelmente o município. O vice-governador Dornelles reiterou o compromisso do Governo Estadual com o município itaperunense e destacou a necessidade de municípios, estados e Governo Federal trabalharem juntos, buscando alternativas para que o País possa superar o momento de crise.
Logo após a solenidade de inauguração, o vice-governador Dornelles e toda a comitiva foram conhecer a empresa Vest Surf, fábrica de bermudas que produz cerca de 10 mil peças por dia. A empresa colaborou para que o distrito de Boa Ventura fosse reconhecido como “Capital Estadual das Bermudas”, título que veio através de projeto de lei aprovado pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Antes de retornar ao Rio de Janeiro, o vice-governador Dornelles participou de uma reunião no Itapuã Clube.


Ascom

COMPARTILHE

Com abertura de Mar Vermelho, Record ganha de 10 pontos da Globo


A emissora de Edir Macedo, a TV Record, começou a exibir nesta terça-feira, 10, a sequência que mostra a abertura do 'Mar Vermelho', momento mais esperado de 'Os Dez Mandamentos'. Entre a pré-produção e exibição das imagens, o diretor da atração, Alexandre Avancini, demorou um ano. Apenas para o capítulo com a sequência mais famoso do livro de Êxodo, na bíblia, a Record gastou cerca de R$ 1 milhão. Não tão mais caro do que os demais episódios da trama protagonizada por Guilherme Winter (Moisés) e Sérgio Marone (Ramsés). O investimento valeu a pena. Segundo dados preliminares, a novela chegou a ficar a 11 pontos na frente da Globo, que até há dois meses era líder no horário. 
Como prometido, a abertura demorou longos minutos na televisão e teve diversos takes, que foram da surpresa dos hebreus ao ódio dos egípcios, que liderados por Ramsés queriam seus escravos de volta. O faraó só os libertou depois da décima praga, quando seu primogênito, Amenhotep (João Victor Pires) teve o seu sopro de vida retirado pelo espírito da morte. No entanto, a mãe do garoto, a rainha Nefertari (Camila Rodrigues) não quis se sentir "por baixo", pedindo a seu marido, que mudasse de decisão e matasse Moisés, nem que isso fosse a última coisa a acontecer na sua vida.

Dados da audiência

'Os Dez Mandamentos' mais uma vez disputou com dois gigantes de audiência. Contra a Rede Globo, a novela da Record precisou lutar contra o 'Jornal Nacional' e também contra a novela das nove, 'A Regra do Jogo'. Sem falar no SBT, que no horário exibe sua trama infantil 'Cúmplices de um Resgate'. Às 20h53 “Os Dez Mandamentos” garantia 28,6 pontos à emissora. O “Jornal Nacional” marcava apenas 17,6 para a Globo.Um dos picos de audiência foi registrado às 21:20, quando a Record tinha 28 pontos. A Globo no horário tinha 19 e o SBT 9. No Rio de Janeiro, o folhetim chegou a picos de quase 40 pontos. 

Telespectadores apressados

Eram 20h25 e o comerciante Jackson Soares chegava suado do trabalho em casa no bairro de Vista Alegre, no Rio de Janeiro. Evangélico, ele não queria perder o "capítulo mais esperado do ano". "Não queria deixar nem um minuto de 'Os Dez Mandamentos' porque vai ser um momento muito bonito", garantiu. E realmente foi. Em se tratando de uma novela, o folhetim adaptado por Vivian de Oliveira se superou. "Nossa, me emocionei muito", disse quase sem fôlego o comerciante de 40 anos, que acompanhou o drama ao lado de sua mulher, Kátia, e de duas filhas. 

COMPARTILHE

Jornalista Sandra Moreyra, da TV Globo, morre no Rio

A repórter tinha 61 anos e lutava contra um câncer


A jornalista Sandra Moreyra, da TV Globo, morreu nesta terça-feira (10), no Rio de Janeiro. A repórter tinha 61 anos e lutava contra um câncer.

Com 40 anos de carreira, Sandra Moreyra participou de coberturas jornalísticas de importantes momentos do país como a morte de Tancredo Neves, o Plano Cruzado, o acidente radioativo em Goiânia, com Césio 137, a tragédia do iate Bateau Mouche, a Rio-92, a chacina de Vigário Geral e a ocupação do Complexo do Alemão.

Em outubro, a jornalista anunciou no Twitter que descobriu que estava novamente com câncer. "Novamente estou sendo posta à prova. Mais um tratamento pra fazer.
Eu amo a vida. E vou em frente”, postou ela.
A repórter começou a carreira na Globo em Minas Gerais, na década de 1980. Logo depois, voltou para o Rio de Jamneiro e passou a fazer reportagens para o RJTV, Jornal Nacional, Globo Repórter e Bom Dia Brasil. Entre 1999 e 2004, atuou na GloboNews na parte gerencial e administrativa do jornalismo.
Sandra Moreyra (Foto: Divulgação/Memória Globo)Sandra Moreyra (Foto: Divulgação/Memória Globo)
Sandra Maria Moreyra nasceu no Rio de Janeiro, em 28 de agosto de 1954, com jornalismo correndo nas veias. O avô, Álvaro Moreyra, era escritor, membro da Academia Brasileira de Letras, e dirigiu importantes revistas nos anos 1950, como Fon-Fon e Paratodos. Seu pai, Sandro Moreyra, fez história como um dos mais importantes cronistas esportivos do jornalismo brasileiro. Sua mãe, Lea de Barros Pinto, era professora.

Em 1975, após um concurso, começou seu primeiro estágio, no Departamento de Pesquisa do Jornal do Brasil. Formou-se em 1976, foi contratada e, em 1978, foi para a reportagem geral do jornal, onde de fato começou sua carreira de repórter.

Em 1979, deixou o Jornal do Brasil para acompanhar o marido que trabalhava numa empresa de engenharia e foi transferido para a Argélia. Engravidou, voltou para o Brasil e começou a trabalhar numa agência de publicidade, onde teve seu primeiro contato com o vídeo.

Após passagens pela TV Aratu, na época afiliada da Globo, pela TV Bandeirantes e pela TV Manchete, entrou na Globo em 1984, como repórter em Minas Gerais. No ano seguinte, participaria ativamente da cobertura da eleição e morte de Tancredo Neves. No dia da morte do primeiro presidente civil eleito após a ditadura militar, Sandra Moreyra apareceu no Jornal Nacional acompanhando o cortejo fúnebre.

Em 1986, a jornalista deixou Minas e voltou para o Rio e se tornou uma das principais repórteres da editoria, cobrindo todo o tipo de pauta na região metropolitana.

G1

COMPARTILHE

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Pessoas que nasceram entre 1945 e 1965 devem fazer o exame que detecta a hepatite C



Nascidos entre 1945 e 1965 devem procurar uma unidade básica de saúde (postos ou Clínicas da Família) e fazer um teste de hepatite C. O alerta, dado no Brasil pela Associação Brasileira dos Portadores de Hepatite (ABPH), foi lançado nos Estados Unidos após a constatação de que essas pessoas têm cinco vezes mais riscos de estarem contaminadas.
A explicação é que tal geração cresceu numa época em que eram comuns o uso de seringas de vidro e transfusões de sangue não testados para a hepatite C, só descoberta em 1989.
Segundo o hepatologista Giovanni Faria Silva, da Universidade Estadual Paulista, a testagem é necessária porque a doença não apresenta sintomas em 95% dos casos, sendo comum o diagnóstico já em estágio avançado.
- Depois de 20 anos, a infecção evolui para cirrose em 25% dos pacientes, tudo de forma assintomática. A cirrose provoca a falência do fígado e, se não tratada, leva à morte - diz o médico.
O teste de hepatite C é feito por meio de exame de sangue, que detecta a presença de anticorpos contra o vírus no organismo. Caso dê positivo, um outro exame, que analisa o material genético do vírus, é feito. Mais um positivo aponta a necessidade de biópsia do fígado para indicação de tratamento.
O publicitário e presidente da ABPH, Humberto Silva, de 48 anos, conta que viveu 38 anos com a hepatite C sem saber. Há dez anos, ele foi ao médico, que solicitou o exame de sangue específico.
- Eu já estava com cirrose hepática. Descobri assim, em cima da hora. Se não fosse isso, estaria morto. Deus mandou um anjo para me anunciar a doença - conta Humberto, que contraiu o vírus aos 8 anos, quando se submeteu a uma cirurgia de apendicite. - Recebi sangue contaminado.


Humberto afirma que, hoje, está curado do vírus, mas não da cirrose:
- Sou um sobrevivente da hepatite C. Cerca de 80% dos casos têm cura completa.
Ele alerta para a importância de se fazer o teste de hepatite C:
- Quanto mais cedo vier o diagnóstico, mais fácil é a cura. A pessoa pode estar morrendo sem saber, como eu estava. Estima-se que 3 milhões de pessoas tenham hepatite C, mas só 12 mil sabem e estão sendo tratadas.


Camilla Muniz


ExtraFoto: Michel Filho / O Globo

COMPARTILHE

Bom Jesus recebe visita diretor de Socioeducação do Degase



A prefeita Branca Motta, representando o município de Bom Jesus do Itabapoana, recebeu no último dia 03 o diretor do Centro de Socioeducação Professora Marlene Alves, José Henrique Crizóstomo. O centro é uma unidade do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase) em Campos dos Goytacazes.

Ele está visitando cidades da região Noroeste para propor parcerias da instituição - que cuida de menores em conflito com a lei - com o poder público municipal, ONGs e empresas privadas:

- Sempre deixamos claro que o Estado não é o único responsável pelo futuro de nossos jovens. Toda a sociedade deve oferecer alternativas para que eles se afastem da violência, explicou José Henrique.

O diretor informou que o objetivo do Degase é propor o diálogo entre diversos níveis de administração e oferecer condições de melhor atendimento ao público alvo. Uma das formas de se conseguir isso é o treinamento dos funcionários públicos e a aproximação das equipes técnicas do Estado do Rio e do município

Por sua vez, a prefeita Branca elogiou a iniciativa e falou das ações preventivas desenvolvidas no município, além dos cuidados no acolhimento dos jovens egressos do Degase. Ela convidou José Henrique para retornar a Bom Jesus e promover um encontro com diretores das escolas municipais:


- Tudo o que diz respeito ao jovem deve ser colocado como prioridade. A prevenção a situações de risco social é muito mais eficaz do que termos que resgatar adolescentes que, infelizmente, entraram em conflito com a lei, finalizou Branca.
O diretor convidou a prefeita para conhecer o trabalho realizado em Campos. Tanto a ida da chefe do Executivo ao Centro de Socioeducação como a palestra de Crizóstomo em Bom Jesus ficaram acertadas, só faltando marcar a data.




Ascom

COMPARTILHE

Prefeito Josias Quintal participa da inauguração do IFF



Os estudantes foram os verdadeiros protagonistas da inauguração oficial do campus Santo Antônio de Pádua do Instituto Federal Fluminense (IFF), realizada no último dia 30. Primeiramente, a Orquestra de Violões, formada por alunos do campus Campos Centro, mais uma vez fez um verdadeiro espetáculo. Apresentando cinco músicas, o grupo emocionou os presentes dando início a uma série de outras emoções que se seguiriam.
Três estudantes e um pai de aluno fizeram discursos emocionados sobre a importância do IFF em suas vidas e as expectativas em relação às oportunidades que uma educação pública e de qualidade poderá proporcioná-los.
 “O que falar de uma escola tão sonhada?”, perguntou a estudante Alice Azevedo. “Antes mesmo de sua construção, o IFF já estava em nossos corações e foi muito aguardado por todos nós”, completou. Alice destacou que com um projeto pedagógico que foge dos padrões normais, o campus tem possibilitado o diálogo entre a escola e a sociedade e oportunizado a construção do conhecimento e do caráter dos seus alunos. “E depois de oito meses, aqui estamos, superando todas as dúvidas e dificuldades. Aqui é a vida e é a vida, mais do que a morte, que não tem limites”, disse citando Gabriel García Márquez.
O campus Pádua foi o primeiro no IFFluminense a implantar um projeto político pedagógico baseado na politecnia que visa aliar o conhecimento teórico com o prático por meio do desenvolvimento de projetos que envolvem servidores, estudantes e comunidade.
Com lágrimas nos olhos e muito emocionado, Carlos Alberto Fernandes, diretor do campus, relembrou em seu discurso as dificuldades iniciais na construção da escola e destacou: “caminho aberto ao diálogo, à diversidade, à amizade é o que estamos buscando construir. Porque é aqui que começamos a mudar o mundo. Que os estudantes tenham aqui a extensão dos seus lares, onde poderão realizar seus sonhos”.
A ex-reitora do IFF, Cibele Daher também foi convidada a participar da cerimônia. Foi em sua gestão, em 2011, que foi definida junto ao Ministério da Educação a expansão do IFF para Santo Antônio de Pádua e quando, após esforços federais e municipais, houve a cessão da área onde hoje está construído o campus. “Constato com alegria que a semente que lançamos, hoje é realidade”, destacou Cibele lembrando que desde 1999 o Instituto trabalha em parceria com o município desenvolvendo diversos projetos. “Temos aqui um exemplo claro de boa política pública. Não podemos deixar de praticá-la, de escutar e dar voz aos que mais necessitam de uma educação pública e de qualidade”.
O prefeito do município, Josias Quintal, disse que falar da importância do IFF para a região seria obviedade e ficou admirado com os discursos dos alunos. “Observei perplexo o preparo desses jovens que falaram aqui hoje e é exatamente esta a essência do que se faz aqui nesta escola”.
Além do prefeito Josias Quintal, a secretária municipal de Educação Maria Cristina de Souza Machado e os vereadores Paulo Roberto, Alexandre Brasil, Tenente Bastos, Vanderlea Marques e Neidimar Machado (Masa) estiveram presentes representando o município.
Também discursou o secretário de Educação Profissional e Tecnológica do MEC, Marcelo Feres, ex-aluno do IFF e professor da casa. “Essa instituição muda a capacidade de sonhar. Que investimento pode ser maior e melhor do que transformar vidas? Assim como a minha vida foi transformada por esta instituição as desses jovens também serão”, relatou.
O reitor do IFF, Luiz Augusto Caldas, frisou ser um momento especial, “de esperança e de garantia de que o nosso sonho ganha corpo: o IFF está em Pádua, pertence a este território. O que significa um campus como esse?”, perguntou, “possibilita o direito do seu filho ser alguém na vida. Possibilita interferir em uma realidade e torná-la melhor, participando do desenvolvimento econômico e social para desenhar caminhos significativos para a juventude tendo como passaporte a educação”, afirmou.

A cerimônia, que começou por volta das 14h, foi encerrada duas horas depois com uma pequena, mas inusitada homenagem ao diretor do campus. Os estudantes tomaram o microfone e improvisaram um hip hop cuja letra ressaltava o trabalho realizado na escola. “Vocês nos ensinaram o amor. Muito obrigada por todo o amor que vocês nos dão todos os dias e saibam que é recíproco”, disse uma das alunas finalizando a cerimônia.


COMPARTILHE

Compartilhe