sexta-feira, 23 de junho de 2017

Parceria da Prefeitura de Rio das Ostras e UFF ajuda a prevenir gravidez na adolescência


Alunos de escola municipal estão sendo formados por meio do projeto, que conta com bolsa do CNPq, e serão multiplicadores de informação


A gravidez na adolescência, muitas vezes por falta de perspectivas e orientação, interrompe o estudo e muitos sonhos. Por intermédio de uma parceria entre a Prefeitura de Rio das Ostras e a Universidade Federal Fluminense (UFF), um grupo de alunos do Colégio Municipal Professora América Abdalla começou a ser formado em oficinas para atuar como multiplicadores de conhecimento. Os estudantes serão qualificados, apoiados e estimulados a desenvolver práticas de promoção à saúde por meio da educação por pares, em que um adolescente ensina outro adolescente.
Por intermédio da parceria, que envolve o Núcleo de Atenção à Saúde do Adolescente (NASA), ligado ao Departamento de Programas de Saúde, e a equipe técnico-pedagógica do Colégio Municipal Professora América Abdalla, foi garantida uma bolsa de iniciação científica do Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq). Com duração de 12 meses, a bolsa foi destinada à aluna Giovanna Alves Martins, de 13 anos, que cursa o 8º ano do Ensino Fundamental no Abdalla.
O primeiro passo para garantir a bolsa foi a aprovação do projeto “(Des)embarazo: extensão popular em saúde e prevenção da gravidez na adolescência” pela Pró-reitoria de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação da UFF. À frente do projeto estão quatro professores do campus da UFF em Rio das Ostras, Hayda Alves e Lidia Soares, do Curso de Enfermagem; e Paula Sirelli e Bruno Teixeira, do curso de Serviço Social.
“Queremos possibilitar que esses estudantes pensem e façam projetos de vida. Ao mesmo tempo em que discutimos a sexualidade, ajudamos os adolescentes a elaborar outros planos que não sejam apenas o de ter filhos. Acreditamos na educação por pares e vamos formar alunos que serão multiplicadores de informações”, esclarece a enfermeira Andréa Viana, da Secretaria de Saúde, que está à frente do Departamento de Programas de Saúde.
A professora Paula Sirelli, da Universidade Federal Fluminense, explica que começaram o projeto fazendo uma pesquisa com 150 adolescentes e jovens de até 24 anos residentes no entorno do Colégio. A partir dos resultados da pesquisa, a equipe elaborou as Oficinas de Conhecimento para os alunos multiplicadores de informação.
“Nosso objetivo é ajudá-los a viver a sexualidade com saúde e cuidado, abordando assuntos como direitos sexuais e reprodutivos, violência, métodos contraceptivos, entre outros”, explica Paula. Segundo a professora, os alunos selecionados estão engajados em uma pesquisa-ação participativa, modalidade comprometida com a transformação da realidade local.
EDUCADORES - Com o apoio do Colégio Municipal Professora América Abdalla, envolvendo a direção da unidade de ensino, o professor de Filosofia Gláucio Anacleto de Almeida e as coordenadoras de projetos pedagógicos Regiane Tayt-Sohn e Cristiana Pereira, o projeto-piloto será direcionado às turmas do 6º ano do Ensino Fundamental.
“Graças aos projetos sociais que desenvolvemos já estamos aproximando os pais e responsáveis da escola. A gravidez na adolescência também é resultado do pouco diálogo em família. Por isso temos que trabalhar juntos”, reforça Regiane. “Decidimos começar com as turmas do 6º ano porque é nessa fase que os alunos estão mais curiosos sobre a sexualidade”, completa Cristiana.
O grupo de multiplicadores de informação é composto por nove alunos. Depois de formados nas Oficinas de Conhecimento, esses estudantes vão promover três encontros em cada turma do 6ºano. Selecionada como bolsista do CNPq graças a uma redação, Giovanna espera não repetir as histórias de gravidez na adolescência da sua família. “Precisamos terminar os estudos e arrumar um emprego antes de pensar em ter filhos. Toda menina sonha ser mãe, mas é preciso saber a hora certa”, enfatiza.
O CNPq é um órgão público ligado ao Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação que tem por objetivo incentivar a pesquisa no Brasil. As bolsas geralmente são destinadas a estudantes de graduação e pós-graduação, mas também já beneficiam os que cursam o Ensino Médio e anos finais do Ensino Fundamental em instituições públicas.
INTERNACIONAL - “(Des)embarazo”conta com a parceria internacional da Escola Superior de Enfermagem da Universidade de Coimbra, em Portugal, por intermédio da professora Irma Brito. Em abril passado, a coordenadora do Departamento de Programas de Saúde, Andréa Viana, esteve na universidade portuguesa apresentando parte da pesquisa diagnóstica do projeto realizada em Rio das Ostras. Outra parceira é professora Nilda Sirelli, que leciona nos cursos de Psicologia das Faculdades Salesiana Maria Auxiliadora e Universidade Estácio de Sá, em Macaé.

Ascom



Nenhum comentário:

Postar um comentário